Congresso Internacional Nicolau Chanterene e a prática escultórica no contexto das artes do século XVI | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 22 a 24 de Outubro de 2018

Nicolau Chanterene chega ao grande estaleiro do Mosteiro de Santa Maria de Belém em finais de 1516, ou início do ano seguinte, e aí permanece durante todo o ano de 1517, realizando obra escultórica de notável importância para a introdução em Portugal das formas e temas do Renascimento.

O seu sequente percurso artístico e pessoal, quer em Coimbra, quer em Sintra e em Évora, revela-o como uma personalidade chave para a compreensão do complexo processo cultural e artístico que subjaz à introdução de novas ideias e motivos ao modo do renascimento transalpino, a sua generalização e a subsequente evolução para formas de expressão plástica já tipicamente maneiristas, pois mantém-se ativo pelo menos até 1552.

Da forma plástica moderna, passando para o enunciar de questões essenciais de projeto de estruturas retabulares, à utilização pioneira da tratadística, da iluminura e da gravura como fontes de inspiração, o arco de vida e obra de mestre Nicolau, como é referido na documentação, permite o acompanhar de um largo escopo evolutivo na arte portuguesa e europeia do século XVI, acompanhando e integrando múltiplos tópicos de discussão científica que se procuram debater neste congresso.

O estudo do Arte do Renascimento em Portugal, em especial no que concerne à arte da escultura, face à evolução de entendimento científico da época e da personalidade dos artistas que trabalhavam em Portugal e na Península Ibérica, ao que hoje se conhece sobre a mecânica da disseminação de influências artísticas neste contexto cronológico, as especificidades da prática escultórica, quer no contexto do tratamento plástico da figura humana quer no que concerne ao universo da decoração escultórica, justifica a proposta de um encontro científico internacional deste tipo.

Informamos que já se encontra disponível o programa final do Congresso Internacional “Nicolau Chanterene e a prática escultórica no contexto das artes do século XVI” em https://chanterene2018.wixsite.com/congresso/programa

As inscrições podem ser feitas em https://chanterene2018.wixsite.com/congresso/inscricoes

Mais informações em https://chanterene2018.wixsite.com/congresso

 

 

Assinalar os 100 anos do Nascimento do Padre Manuel Antunes, sj | Biblioteca Nacional de Portugal, 24 de Setembro

A Comissão Organizadora do Centenário Antunesiano, a Biblioteca Nacional de Portugal, a Câmara Municipal da Sertã e a Editora Gradiva têm a honra de convidar V. Exa. para a sessão especial

Assinalar os 100 anos do Nascimento do Padre Manuel Antunes, sj, 

que terá lugar no dia 24 de setembro de 2018 (segunda-feira).

Programa

17h30 | Visita guiada à Exposição Padre Manuel Antunes, sj: Pedagogo da Democracia – 1918-1985, pelo Professor Doutor Guilherme d’Oliveira Martins, Presidente da Comissão Científica do Centenário Antunesiano.

18h00 | Lançamentos dos livros:
· Compreender o Mundo e Atualizar a Igreja: Grandes Textos do Padre Manuel Antunes, sj, publicado pela Gradiva. A apresentação da obra estará a cargo do Professor Doutor José Pedro Serra, Diretor da Biblioteca da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa;

· Manuel: O Menino com Asas de Livros, livro infanto-juvenil da autoria de Joana Lopes, com ilustrações de Mafalda Milhões, publicado pela Câmara Municipal da Sertã. A apresentação da obra estará a cargo da Dra Teresa Calçada, Comissária do Plano Nacional de Leitura.

A presente sessão contará ainda com a apresentação do Programa do Congresso Internacional Repensar Portugal, a Europa e a Globalização: 100 Anos Padre Manuel Antunes, sj, pelo Professor Doutor Guilherme d’Oliveira Martins.

Locais: Auditório da Biblioteca Nacional de Portugal (Lançamentos) e Piso 0 da Biblioteca Nacional de Portugal (Exposição).

Confirmar presença através de centenariopadremanuelantunesj@gmail.com.

 

Dicionários dos Antis. A Cultura Portuguesa em Negativo

Anuncia-se a conclusão do projecto intitulado Dicionário dos Antis – A cultura portuguesa em negativo, após mais de 7 anos de investigação, reflexão crítica, redação e revisão. Esta obra, em dois grossos volumes, está pronta para ser impressa na Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM), tendo o resultado superado o plano inicialmente previsto em mais de 50%, pois a pesquisa exaustiva realizada no decurso do projeto ampliou significativamente o universo temático que é objeto crítico do Dicionário.

Para mais informações consulte https://bit.ly/2NBpa97https://bit.ly/2N7kvfr

 

Colóquio Estêvão Gonçalves Neto Abade de Cerejo e Iluminador do Missal | 22 de Setembro

Dia 22 de Setembro decorrerá no Auditório Municipal de Pinhel o Colóquio Estêvão Gonçalves Neto Abade de Cerejo e Iluminador do Missal, promovido pelo Centro Social e Cultural da Paróquia de Pinhel, Freguesia Terras de Massueime, Instituto Histórico da Beira Côa e o Município de Pinhel.

Fernando Larcher, Teresa Desterro, Vítor Serrão, Carlos Moura, Delmira Espada Custódio, João Marujo, e Pedro Ivo serão os intervenientes neste colóquio.

O Colóquio terminará com uma tertúlia poética dedicada ao tema “Iluminar” na antiga escola Primária.

Grande Guerra 1914 – 1918. Os Combatentes da Freguesia de Montalvão

Da autoria de Ana Maria Paiva Morão, Grande Guerra 1914 -1918 . Os Combatentes da Freguesia de Montalvão é o título do livro que será apresentado pelo General Mário Cardoso, Presidente da Comissão Coordenadora das Evocações do Centenário da I Guerra Mundial, e pelo editor Dr. Fernando Mão de Ferro, diretor de Edições Colibri, dia 26 de setembro, às 18 horas, na Galeria da Casa de Burgos, em Évora.

A iniciativa integra as Jornadas Europeias do Património, este ano sob o tema ‘Partilhar Memórias’.

A edição do livro conta com o apoio da Junta de Freguesia de Montalvão, Direção Regional de Cultura do Alentejo e Associação Cultural de Montalvão ‘Vamos à Vila’.

Ana Maria Paiva Morão é doutorada em Estudos Literários/Literatura Oral e Tradicional, pela Universidade de Lisboa, e Presidente da Associação Cultural de Montalvão ‘Vamos à Vila’.

 

Camilo Pessanha: um poeta de longe | palestre de Pedro Barreiros

Dia 16 de Setembro, pelas 21 horas, na Galeria do Instituto Açoriano de Cultura (Angra do Heroísmo), Pedro Barreiros profere uma palestra intitulada “Camilo Pessanha: Um Poeta de Longe”. Esta iniciativa integra o Ciclo Grémio das 9 – Clube de Leitura.

Camilo Pessanha partiu para Macau em 1894 com 27 anos de idade e ali permaneceu todo o resto da vida vindo a falecer em 1926. Pertencendo, na opinião de Eugénio de Andrade, com Luís de Camões, Cesário Verde e Fernando Pessoa, ao grupo dos maiores poetas portugueses é ainda ignorado por muitos ou considerando uma pessoa exótica que trocou o seu talento pelo ópio quando chegou a Macau. Esta apresentação pretende mostrar Camilo Pessanha para além do poeta: o professor, o jurista, o sinólogo, o colecionador e o importante cidadão da sociedade macaense que ele foi.

Pedro Manuel Pacheco Jorge Barreiros, nasceu em Macau em 1943. Especialista em Medicina Interna e Medicina Aeronáutica, Major-General Médico da Força Aérea. No ensino médico, foi assistente convidado da Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa nas cadeiras de Patologia e Clinica Médicas, e de Patologia Geral na Universidade Atlântica. Aprendeu a pintar em criança com um mestre chinês, tendo-se dedicado à pintura durante toda sua vida, fazendo regularmente exposições individuais. A sua temática está normalmente ligada à interpretação de textos poéticos de autores como Camilo Pessanha, Fernando Pessoa, Cesário Verde, Federico Garcia Lorca, Bashô e outros poetas japoneses de Haiku, Li Bai, Wang Wei, Pei Ti e Ítalo Calvino.

Tem-se dedicado ao estudo e divulgação de várias características culturais e étnicas de Macau e de individualidades macaenses como José Vicente Jorge ou ligadas a Macau como Danilo Barreiros, Wenceslau de Moraes e Camilo Pessanha.