VII Encontro Luso-Afro-Brasileiro. As Mulheres e a Imprensa Periódica | Gabinete Português de Leitura, Salvador, 7 e 8 de Outubro

A VII edição do Encontro Luso-Afro-Brasileiro: As mulheres e a imprensa periódica, que terá lugar em Salvador (BA), durante os dias 7 e 8 de outubro de 2019, no Gabinete Português de Leitura, integra as intervenções de mais de 3 dezenas de colegas portuguesas, brasileiras e africanas em torno de temas ligando mulheres e imprensa periódica. A partir do projeto «Senhoras do Almanaque» serão estudadas algumas das figuras femininas que nele constam, durante o período em que esteve ativo (séculos XIX-XX) inclusivamente estando previsto o lançamento de alguns livros entretanto editados. Haverá ainda espaço para nos ser apresentado o próprio projeto e suas derivas por quem o idealizou e levou à prática. Não obstante, o VII Encontro será palco para conhecer e debater a presença feminina em periódicos e nalguns casos abordar muito em particular as crónicas como «Eles e Elas» ou «Modos e modas: usos e costumes», em jornais e revistas publicados em diferentes continentes como é o caso de O País, A Tarde, Voz Feminina, Cláudia, A Paladina do Lar ou O Brado Africano.

Determinadas regiões serão escrutinadas a fim de dar a conhecer as «mulheres de letras» e nesse caso lembradas serão as presenças femininas do Norte do Brasil, assim como as de determinados Estados, Rio Grande do Sul, Piauí e Bahia são disso exemplo.

Aguardamos a entrega dos textos entretanto produzidos pela(o)s colegas pois quer a seleção dos ensaios coligidos em 2018 – Real Gabinete Português do Rio de Janeiro – e 2019 – Gabinete Português de Leitura – Bahia, serão editados na Colecção Elas, a fim de serem convenientemente disseminados pelas diversas comunidades académicas, literárias e outras, que neles possam ter interesse.

Aguardamos a V/ presença, na esperança de que escrita e escritoras beneficiem do nosso olhar e do debate que em Salvador conseguirmos fazer.

 

PARTICIPANTESAcácia RIOS (Faculdade Amadeus); Algemira de Macêdo MENDES (UESPI/UEMA); Angela LAGUARDIA (CLEPUL); Beatriz WEIGERT (UÉvora); Carla NOGUEIRA (UFBA); Constância Lima DUARTE (UFMG); Eliane VASCONCELLOS (FCRB); Elisabeth Fernandes MARTINI (SME-RJ/RGPL); Erika Ruth M. CIARLINI (UESPI); Evelina Sá de Carvalho HOISEL (UFBA); Florentina Silva SOUZA (UFBA); Geórgia ALVES (UFPE); Isabel LOUSADA (UNLisboa); Jailma dos Santos Pedreira MOREIRA (UNEB); Karla Renata MENDES (UFAL); Márcia Rios da SILVA (UNEB); Maria Carlos Lino ALDEIA (CLEPUL); Maria do Carmo CAMPOS (UFRGS); Maria do Socorro CARVALHO (UNEB); Maria Lúcia BARBOSA (CLEPUL); Nadilza MOREIRA (UFPB); Nancy Rita Ferreira VIEIRA (UFBA); Nelma ARÔNIA (UNEB); Odalice Castro SILVA (UFC); Rafaella FERNANDEZ (PACC/UFRJ); Rosa Cristina Hood GAUTÉRIO (UFSC); Rosana KAMITA (UFSC/CNPq); Rosane SALOMONI (PMPA); Simone MARINHO (PMS); Teresa SILVA (UAN); Vania Pinheiro CHAVES (ULisboa); Vanilda Salignac MAZZONI (Memória & Arte/UFBA); Yurgel P. CALDAS (UNIFAP)

 

ESCRITORAS | ALBA VALDEZ, ALBERTINA de LUCENA, AMÉLIA de FREITAS BEVILÁQUA, CARMELITANA de ARANTES, CARMEN da SILVA, CAROLINA MARIA de JESUS, CECÍLIA MEIRELES, CLARICE LISPECTOR, CORINA COARACI, JÚLIA LOPES de ALMEIDA, LUIZA AMÉLIA de QUEIROZ, MARIA FEIO, MARIA LÚCIA LEPECKI, MARIANA COELHO, MARTHA D’AZEVEDO, MYRIAM FRAGA, NOÉMIA de SOUSA, RACHEL de QUEIROZ, STELLA de OXÓSSI

 

LANÇAMENTO DE LIVROS:

Coleção Senhoras do Almanaque: Alba Valdez (1874-1962), por Odalice Castro Silva; Anália Vieira do Nascimento (1854-1911), por Beatriz Weigert

A poética de resíduos de Carolina Maria de Jesus, por Raffaella Fernandez

ELES E ELAS (2 reimp. João Pessoa, UFPB), por Nadilza Moreira

Georgina e Outros Escritos Inéditos (EDUPFI, 2018, organizado por Algemira de Macêdo Mendes e Daniel Castelo Branco), Teresina, EDUFPI, 2018.

Mulheres em Letras: diáspora, memória, resistência (ensaios, 2019, organizado por Constância Lima Duarte, Cristiane Cortes, Juliana Borges e Natalia Fontes de Oliveira), Viçosa, MG: UFV, 2019

Mais informações em https://clepulatividades.wixsite.com/encontroslab

 

Ciclo de Conferências Novos Estudos e Novos Olhares sobre a Cidade. Lisboa do Terramoto à Revolução de Brasil | Museu de Lisboa – Palácio Pimenta, 25 de Setembro, 18h00

Resumo: Durante os primeiros cerca de 70 anos do século XIX o número de crianças abandonadas aumentou dramaticamente. Uma das razões residia na legalidade do abandono anónimo infantil, comum aos Estados católicos do sul europeu e materializada nas rodas, mecanismo giratório que permitia deixar a criança na instituição sem que o expositor fosse identificado.

Tentando combater esta hecatombe e a elevada mortalidade destes menores, iniciaram-se debates sobre o fim do das exposições anónimas legais. A situação era particularmente gravosa na capital, onde a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa tutelava a criação dos expostos, tendo aí sido abandonadas anualmente quase 3 000 crianças em meados de Oitocentos. Por este motivo, em Lisboa, a partir do final de 1870, o abandono anónimo infantil foi penalizado. Passou-se da criança abandonada para a criança assistida (e subsidiada), incentivando-se a responsabilização parental.

Como se processou esta mudança na cidade de Lisboa? Diminuiu o número de abandonos? Quem abandonava estas crianças? De que localidades vinham? Para onde eram enviados os expostos para criar? Como era o percurso de vida de uma criança abandonada tuteala pela Misericórdia de Lisboa? Existia possibilidade de ser integrada numa família e na sociedade? Estas (e outras) são algumas das questões às quais se procurará responder.

 

Link para o CV: http://ihc.fcsh.unl.pt/wp-content/uploads/sites/15/2019/07/Joana-Paulino-CV-02.pdf

Sessão CCXLIV dos Seminários à Hora do Almoço | 18.09.2019 | José-Miguel Júdice | Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa

No próximo dia 18 de Setembro, pelas 13h00, decorrerá a Sessão CCXLIV dos Seminários à Hora do Almoço (Nova Série), que terá lugar na sala 12.14 («Sala Manuel Paulo Merêa») do Instituto de História do Direito, na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa que contará com a participação de José-Miguel Júdice, Sócio Fundador da PLMJ e árbitro internacional, que apresentará o tema «O DIREITO é UMA CIÊNCIA DA LINGUAGEM».

Evocação de Teixeira de Queiroz na Academia das Ciências de Lisboa, 24 de Setembro, 15h00

Convite

Por ocasião do centenário da morte de TEIXEIRA DE QUEIROZ, primeiro Presidente da Academia das Ciências de Lisboa após a proclamação da República, a actual Presidência tem o gosto de convidar V.Ex.ª e sua Família para a sessão evocativa do saudoso confrade, a realizar no próximo dia 24 de Setembro de 2019 (terça-feira) pelas 15 horas, no Salão Nobre da Academia. Será orador o académico ARTUR ANSELMO, decano da Secção de Literatura da Classe de Letras.

Programa ILUMINAR – As ideias que iluminaram o projeto Pombalino_Set 2019 a Out 2020

O Município de Oeiras em parceria com a Associação Cultural de Oeiras – Espaço e Memória, realiza a partir do dia 26 de setembro o Ciclo Iluminar.
Com um programa de dez palestras e com coordenação do Professor Doutor Pedro Calafate, este ciclo traz a debate e reflexão, o pensamento político-filosófico que moldou a ação impulsionadora de Sebastião José de Carvalho e Mello, Marquês de Pombal no tempo das Luzes.

Este ciclo decorre entre Setembro de 2019 e Abril de 2020.

 

‘No Portugal do século XVIII Sebastião José de Carvalho e Melo, Conde de Oeiras e Marquês de Pombal, ousou pensar, desenhar e implementar reformas para a modernização dum País atrasado e dominado pelos valores duma nobreza sectária e dum clero dogmático e preconceituoso. As viagens que realizou pela Europa ao assumir missões diplomáticas em Londres e em Viena de Áustria, os contactos com políticos, intelectuais e comerciantes europeus, bem como os livros a que teve acesso, deram-lhe suporte para “se servir do seu próprio entendimento”.
Em Oeiras fizeram-se sentir os ventos de mudança quer na sua modelar Quinta de Recreio, herança dum morgadio com um modesto solar rural, implantado no pacato lugar de Oeiras, cujo projeto de remodelação foi coerentemente desenvolvido com base nos princípios da razão e da ciência, quer no planeamento urbanístico de Oeiras, desde 1759 vila e sede de concelho, cujo plano se pautou por princípios racionais de utilidade prática e simbólica.
O pombalismo esteve estreitamente ligado a um conjunto de ideias e princípios que corporizaram um sistema ideológico usado ao limite pelo regime, como justificação para as muitas medidas e reformas empreendidas. Amado por uns e odiado por outros, ainda hoje Pombal e o pombalismo são motivo de controvérsia.
Eis o propósito do ciclo Iluminar, um programa de dez palestras organizado pela Câmara Municipal de Oeiras em parceria com a Associação Cultural de Oeiras – Espaço e Memória, com coordenação do Professor Doutor Pedro Calafate, que traz a debate e reflexão o pensamento político-filosófico que moldou a ação impulsionadora deste homem no tempo das Luzes.

Este ciclo decorre entre Setembro de 2019 e Abril de 2020. Fique atento à programação’.

 

“As Luzes são a saída do homem do estado de menoridade, de que ele próprio é responsável. Menoridade é a incapacidade de se servir do seu próprio entendimento, sem a direção de um outro […]
Tem a coragem de te servir do teu próprio entendimento! Eis o lema das Luzes.”

CICLO DE PALESTRAS:

As Ideias que Iluminaram o Projeto Pombalino
Em Setembro o ciclo de palestras inaugura com O Marquês de Pombal e o Ideário das Luzes em Portugal e nas sessões seguintes outras abordagens são propostas sobre o pensamento filosófico que influenciou a ação de Pombal.
Para jovens e adultos.
Entrada livre sujeita à lotação da sala.

Quintas | 21h30
Palácio Marquês de Pombal . Oeiras

O Marquês de Pombal e o Ideário das Luzes em Portugal
Pedro Calafate (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa)
26 de setembro

As Ideias Políticas do Marquês de Pombal
Pedro Calafate (Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa)
10 de outubro

As Ideias Económicas do Marquês de Pombal
José Esteves Pereira (FCSH – Universidade Nova de Lisboa)
31 de outubro

Próximas palestras em Novembro e Dezembro.

 

Fonte: Câmara Municipal de Oeiras

Convite | Conferências do Teatro | Teatro Municipal Baltazar Dias, 18 de Setembro, 18h00

Temos o prazer de vos convidar para mais uma sessão das Conferências do Teatro, Madeira de A a Z, que se realizará, como habitualmente, no Teatro Municipal Dias, dia 18 de Setembro de 2019 pelas 18 horas. As Conferências estarão a cargo da Dra. Ana Isabel Spranger que vem nos falar sobre A Emigração para a Guiana, e do Dr. Paulo Perneta que irá abordar o tema: Heráldica.

 

A emigração para a Guiana
“A emigração madeirense para Demerara iniciou-se em 1835, por iniciativa do cônsul inglês residente na Madeira, que contratou trabalhadores para as plantações da Guiana. Nessa época, na Ilha, existia uma grave produção de vinho e de cana sacarina, o que provocou uma situação de extrema pobreza na população rural.”
Ana Isabel Spranger

Heráldica
“Ainda dentro da exibição do capital simbólico que oferecia à nobreza mais uma ocasião de evidenciar a sua elevação estatuária, encontram-se as diferentes ocasiões em que se podia mostrar a heráldica da família, que podia ser vislumbrada quer em capelas instituídas, onde figuravam os brasões dos instituidores, quer em tetos armoriados, quer, ainda, em louça e mobiliário timbrados e personalizados.” – Cristina Trindade
Paulo Perneta