Mesa-redonda | António Hespanha – fazer e desfazer a História | 11 fev. | 17h30 | BNP

A revista Práticas da História – Journal on Theory, Historiography and Uses of the Past organiza uma mesa-redonda em torno do legado historiográfico de António Hespanha, por ocasião da publicação do seu mais recente número, no qual se inclui o dossier «António Hespanha – Fazer e Desfazer a História». A mesa-redonda conta com a participação de Tomás Vallera, Tiago Ribeiro e Giovanni Damele, que contribuíram para o referido dossier, e de Cristina Nogueira da Silva.

Cristina Nogueira da Silva é professora na Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa, Giovanni Damele é professor na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Tiago Ribeiro é investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e Tomás Vallera é investigador do Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Organização: Práticas da História – Journal on Theory, Historiography and Uses of the Past
Apoio: IHC |  CHAM | FCT

Fonte: BNP

Publication of The Poems of Renata Ferreira by Frank X. Gaspar

Renata Ferreira’s poems were composed in the final years of Portugal’s fascist regime, exposing and subverting the government’s draconian edicts against women’s rights, sexual freedoms, political dissent, and progressive thought. She worked in the resistance passing hand-typed bulletins and banned literature throughout Lisbon, yet her poetry is unmistakably ardent, tender, fraught, erotic, and Sapphic. Presenting the poems of this Portuguese-American writer and detailing their surprising rediscovery in 2015, Frank X. Gaspar fuses genres, outs borders, and brings to life a voice that had been silenced. As his inventive narrative unfolds, Ferreira emerges, whole and mysterious, offering up her history, her passions, and her art.

“A fascinating saga weaving desire and memory, war and beauty, lies, truth, and the persistence of art. Fernando Pessoa and Joseì Saramago are certainly among Gaspar’s kindred writers, but I’m also reminded of Lawrence Durrell’s The Alexandria Quartet —I feel that same total immersion. I’m swept away. The Poems of Renata Ferreira is gorgeous and witty, wildly smart—even the end notes are pure poetry!”—Ellen Bass

The author of five poetry collections and two novels, Frank X. Gaspar’s work has appeared widely in magazines and literary journals, such as The Nation, The New Yorker, The Harvard Review, The American Poetry Review, and others. He has held the Heìlio and Ameìlia Pedrosa/Luso-American Development Foundation (FLAD) Endowed Chair in Portuguese Studies at the University of Massachusetts Dartmouth and currently teaches in the Graduate Writing Program at Pacific University, Oregon. His poem “Quahogs” was recently featured on the New Yorker’s Poetry Podcast (https://www.newyorker.com/podcast/poetry/ellen-bass-reads-frank-x-gaspar).

The Poems of Renata Ferreira is volume 26 of the Portuguese in the Americas Series, edited by Christopher Larkosh (UMass Dartmouth).

To purchase The Poems of Renata Ferreira, please visit the University of Massachusetts Press website by clicking here. The book can also be purchased on Amazon by clicking here.

For more information, please contact Mario Pereira, Executive Editor, at mpereira6@umassd.edu.

Seminário de história local, “Aqui Há Madeira” dedicada ao tema “O Diabo, as bruxas e as superstições madeirenses”

A Universidade Aberta em parceria com a Câmara Municipal de Câmara de Lobos, ADEGI, Associação para o Desenvolvimento dos Estudos Globais e Insulares, o CLEPUL – Madeira e o Xarabanda, têm o prazer de o(a) convidar para participar na Iª edição do seminário de história local, “Aqui Há Madeira” dedicada ao tema, “O Diabo, as bruxas e as superstições madeirenses”.

O seminário irá decorrer no dia 31 de Janeiro de 2020 no Museu de Imprensa – Madeira e visa agregar um painel multidisciplinar de especialistas que reflictam sobre o sistema de crenças e superstições na Madeira, à luz das mais recentes investigações.

A conferência de abertura estará a cargo do orador convidado, o Professor Doutor Manuel Curado, e durante o dia, teremos as intervenções de vários investigadores madeirenses, sendo que cada painel terá apenas duas intervenções de 30 min cada. Contaremos com a presença do Rev. Pe. José Luís Rodrigues, da Prof. Doutora Rita Rodrigues, da Prof. Doutora Luísa Paolineli, do Doutor Manuel Pedro Freitas, do Dr. Bruno Costa, do Dr. Paulo Perneta e, encerraremos, com o Rui Camacho e a professora Lídia Araújo do Xarabanda!

A entrada é livre, no entanto, por questões logísticas da gestão do espaço solicitamos que faça a sua inscrição através do link – https://docs.google.com/forms/d/1zojLcvv-vyxg1aDGX68Fu5XmCaEsHpYGF9B_-o-voQU/edit

Os dados pessoais recolhidos são utilizados exclusivamente para efeitos de inscrição neste evento.

Esperamos ter o prazer de contar com a sua presença!

 

Mostra | Adalberto Alves: 40 anos de vida literária | 3 fev. | 18h00 | BNP

o efémero vem e pousa.
ao alto suas asas transparentes.
ninguém, como ele, prova o tempo.

Adalberto Alves, O Passo da Montanha

 

Assinalando os quarenta anos de vida literária de Adalberto Alves, que tiveram início com o livro de poemas Uma Obscura Visão (1979), esta mostra, comissariada por Fabrizio Boscaglia, Maria João Cantinho e Hugo Maia, pretende dar conta das múltiplas dimensões da obra e da figura deste poeta, tradutor e estudioso português. Constituída por documentos do acervo da Biblioteca Nacional de Portugal e do arquivo privado do autor, a mostra destaca, entre outras, as áreas da poesia e dos estudos árabes e islâmicos em Portugal.

Advogado de profissão e jurista, autor interdisciplinar e multifacetado, Adalberto Alves tem desempenhado um importante papel no que respeita à interpretação e à divulgação do legado árabe e islâmico em Portugal e na cultura universal. Neste contexto, foi autor de estudos como As Sandálias do Mestre (2001), publicou o Dicionário de Arabismos da Língua Portuguesa (2013) e a antologia O Meu Coração é Árabe (1987), em que foi tradutor – ou melhor, «transcriador», como se autointitula – de poetas árabes do ocidente ibérico, do período islâmico medieval.

Como reconhecimento do seu mérito, em 2008 foi atribuído a Adalberto Alves o Prémio UNESCO-Sharjah para a Cultura Árabe, conferido a «indivíduos, grupos ou instituições que, através do seu trabalho e realizações notáveis, se esforçam para disseminar um maior conhecimento da arte e da cultura árabes».

Para além da poesia e da vertente arabista, a mostra ressalta outros aspetos relevantes da personalidade e da obra do autor, que contribuem para revelar o seu humanismo intrínseco, como são os casos da íntima ligação de Adalberto Alves à música e, ainda, das suas intervenções sobre questões políticas e da atualidade.

Esta iniciativa decorre no mesmo período da mostra, «Al-Muʿtamid: poeta do Gharb al-Andalus», dedicada ao poeta Al-Muʿtamid, ao qual Adalberto Alves dedicou estudos, traduções e conferências. Às duas mostras são associadas atividades de extensão e visitas guiadas (mais informações em breve).

 

Fonte: BNP

Mostra | Al-Muʿtamid: poeta do Gharb al-Andalus | 3 fev. | 18h00 | BNP

quem vive dos ardis da ilusão
e, assim, se aparta do amigo
poderá encontrar consolação?

Al-Muʿtamid, tr. A. Alves

 

Al-Muʿtamid ibn ʿAbbād (Beja, 1040 – Agmate, 1095), poeta árabe do al-Andalus e rei de Sevilha durante o período islâmico medieval da Península Ibérica, é homenageado nesta mostra, comissariada por Fabrizio Boscaglia, Maria João Cantinho e Hugo Maia, nos 980 anos do seu nascimento.

Pretende-se através da presente iniciativa destacar sobretudo a figura de Al-Muʿtamid enquanto poeta, assim como a sua ligação às cidades de Beja e Silves no ocidente peninsular (em árabe, Gharb al-Andalus), e ainda aspetos da sua receção e interpretação em Portugal e a nível internacional e interdisciplinar.

Os versos de al-Muʿtamid, a sua vida e as suas peripécias ao longo dela – sobretudo com o seu amigo, grão-vizir e poeta de Silves, Ibn ʿAmmār (1031–1086) –, têm inspirado muitos autores, intelectuais, artistas e músicos ao longo dos séculos e nas várias culturas do mundo. Entre eles, a mostra destaca Fernando Pessoa, bem como o intelectual e ativista andaluz Blas Infante Pérez, ambos tendo contribuído, na década de 1920, para a salvaguarda do legado cultural do próprio al-Muʿtamid.

A bibliografia dedicada ao poeta árabe a nível internacional é muito vasta, quer em termos de traduções, quer de estudos, quer ainda de reinterpretações artísticas, refletindo uma personagem histórica e literária de grande importância. No que respeita a Portugal, na presente mostra são ressaltados trabalhos de alguns estudiosos, tradutores, historiadores e arabistas contemporâneos, entre os

quais Garcia Domingues, António Borges Coelho e Adalberto Alves. Do arquivo privado deste último, vem uma parte do material da mostra, a integrar livros e documentos do acervo da Biblioteca Nacional de Portugal.

Esta iniciativa decorre no mesmo período da mostra «Adalberto Alves: 40 anos de vida literária».

Fonte: BNP