Colóquio “O Fausto de Pessoa e outros” | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, sala B2, 16 e 17 de Abril de 2020

Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Colóquio “O Fausto de Pessoa e outros”

16 e 17 de Abril de 2020

 

O mito de Fausto é, desde as suas primeiras manifestações literárias,  uma representação do que no desejo de conhecimento é o conhecimento dos limites e a tentativa de os superar, em que cada passo é um passo em falso deslocando o desconhecido inicial. É também a descoberta do não-saber que acompanha todo o saber (científico, tecnológico, filosófico). É ainda a representação do pensamento como jogo, no qual a vida se compromete e se joga também. Nesse sentido, ao procurar escrever no século XX um  Fausto,  Pessoa iniciava,  no caminho já percorrido por  Browning, um novo género modernista, o do poema dramático, e na linha por outros também seguida nesse século (de Valéry a Thomas Mann),  apresentar ao seu tempo um “novo” Fausto.

O poema dramático em que Pessoa pensa e que deixa inacabado é, na sua reformulação de temas do romantismo, um desafio que ele não pôde dar por terminado, concluindo-o, embora a obra, no seu inacabamento, tenha aberto rumos para a literatura, nomeadamente para a literatura em português, conferindo-lhe novas propriedades que são, segundo pensamos, rastreáveis a partir de um ponto de observação que é o nosso, de hoje.

A problematização dos aspectos em estudo   deverá ser conduzida  em várias frentes, desde a sua origem até às suas ramificações. Tratar-se-á, por conseguinte, de situar o Fausto de Pessoa e a sua temática na modernidade europeia do século XX, em particular no quadro das duas ou três primeiras décadas deste século, bem como de, segundo uma orientação um pouco diferente, mas complementar, demonstrar que esse longo poema inacabado  continua a produzir os seus efeitos na literatura das últimas décadas, em prosa ou em verso, sobretudo se pensarmos que a relação que interessa esclarecer é a que nasce de uma comum tendência para a indagação pressuposta no poema filosófico, em sentido lato.

Na literatura portuguesa essa influência do texto de Pessoa pode detectar-se em obras de autores como Jorge de Sena, que primeiro notou o “efeito” Pessoa que aqui procuramos descrever, e  nas últimas décadas, escritores como Fiama Hasse Pais Brandão, Nuno Júdice, Manuel António Pina, Manuel Gusmão, Maria Gabriela Llansol, António Franco Alexandre, R. Lino, António Vieira ou Gonçalo M. Tavares, entre outros, parecem responder, nas suas obras ao mesmo tipo de indagação colocada pelo Fausto de Pessoa.

 

Organizadores: Patrícia Soares Martins, Fernando Guerreiro, Golgona Anghel

Com o apoio de: CLEPUL/FLUL, CET/FLUL, IELT/FCSH-UNL

Conferencistas: Alain Badiou, António Bracinha Vieira, António Guerreiro, Carlos Vidal, David K. Jackson, Fernando Cabral Martins, Fernando Guerreiro, Fernando J. B. Martinho, Golgona Anghel, Jerónimo Pizarro, Joana Matos Frias, João Barrento, João Dionísio, Judith Balso, Patrícia Soares Martins, Patrick Quillier, Pedro Sepúlveda, Rui Sousa, Silvina Rodrigues Lopes.

 

Chamada para comunicações | Jornadas Internacionais de Literatura de Cordel e Xilogravura em homenagem a João David Pinto-Correia

Jornadas Internacionais de Literatura de Cordel e Xilogravura em homenagem a João David Pinto-Correia
Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
23 e 24 de Novembro de 2020

As Jornadas Internacionais de Literatura de Cordel e Xilogravura em homenagem a João David Pinto-Correia decorrerão na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL), nos dias 23 e 24 de novembro de 2020, em organização conjunta das Linhas de Investigação Literatura Tradicional e Tradições Populares Portuguesas ‘Prof. Manuel Viegas Guerreiro’ e Brasil: literatura, memória e diálogos com Portugal, ambas integradas no Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias (CLEPUL), da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL). A Comissão Organizadora convida todos os interessados a submeterem trabalhos para comunicação nestas Jornadas dentro da temática “Literatura de Cordel” e “Xilogravura”.

Submissões de propostas para comunicações
Preencher o formulário em: https://forms.gle/G2pyxWGHwMUZeiaL7

Prazos
Submissão de propostas até 30 de abril
Notificação aos autores até 31 de maio
Limite de inscrição: 30 de julho
Inscrição: € 50,00 (estudantes: € 25,00).
Dados para o pagamento serão facultados posteriormente

Comissão Organizadora
Ana Maria Paiva Morão (Presidente), Fabio Mario da Silva, Francisco Melo Ferreira, Isabel Lousada, Vania Pinheiro Chaves

Comissão Científica
Ana Maria Paiva Morão, Ana Paula Guimarães, Arnaldo Saraiva, Ednaldo Cândido Moreira, Gomes, Fabio Mario da Silva, Fernanda Frazão, José Joaquim Dias Marques, Maria Aparecida Ribeiro, Maria de Lourdes Cidraes, Ria Lemaire, Vania Pinheiro Chaves

Secretariado
Evelin Guedes

Contacto: jornadasliteraturacordel2020@gmail.com

Colóquio ILLLP/ACL «NORMA E CIDADANIA LINGUÍSTICA» | Chamada para comunicações

A Academia das Ciências promove, por iniciativa do ILLLP, um colóquio de reflexão e informação sobre Norma e Cidadania Linguística no dia 5 de maio, assinalando o Dia Mundial da Língua Portuguesa.

Será aberto à participação de todos os académicos e ao público em geral, com especial endereço a filólogos, linguistas, escritores e profissionais da comunicação social.

Sem restringir a abrangência muito ampla do tema, sugerem-se os seguintes vetores de participação:

— A norma na tradição metalinguística.

— O comportamento linguístico: moralidade cívica (leis do foro jurídico) e urbanidade linguística (ortologia, ortoépia, ortografia).

— Correção, cidadania, bom uso e sucesso da comunicação.

— Correção: pureza ou vernaculidade, propriedade, clareza e elegância.

— A autoridade linguística, as instituições de normalização e os instrumentos de orientação normativa.

— A tradição humanista da defesa, louvor e ilustração da língua portuguesa.

A inscrição das comunicações (que não deverão ultrapassar 20 minutos) deverá ser feita para geral@acad-ciencias.pt até 12 de março e supõe a apresentação de um resumo.

A seleção das comunicações, condicionada pelo tempo disponível e por uma avaliação de qualidade e de oportunidade, será feita por um júri mandatado pela Direção do ILLLP, até 31 de março, e será apresentada no programa do Colóquio atempadamente publicado.

Chamada para trabalhos | IX Colóquio da Sociedade Checa de Língua Portuguesa. Exodus: reflexos da migração na língua, literaturas e culturas lusófonas

A migração é um dos fenómenos actuais mais pungentes: segundo o Banco Mundial, há mais de 258 milhões de migrantes no mundo de hoje. No entanto, movimentos populacionais fazem parte da vida do homem desde seu surgimento na África. Todas as grandes civilizações foram construídas com algum aporte de povos estrangeiros. De motivação diversa, desde grandes convulsões sociais ao desejo da simples melhoria de vida, os migrantes nos falam de mundos diversos, trazendo as diferenças sócio-culturais ao nosso alcance.

O IX Colóquio da Sociedade Checa de Língua Portuguesa é um convite para pensar as alegrias e as dores da migração, seus contributos e suas ameaças nos países de língua portuguesa no decorrer dos séculos.

Eixos temáticos:

1)    Linguística

O português é uma língua que se falava primeiro em um pequeno território na faixa ocidental da Península Ibérica. Daí partiu com os conquistadores portugueses em descoberta de novos mundos. Espalhou-se, assim, em vários territórios de todo o planeta: América do Sul, África, Ásia e Oceania. Ao longo dos séculos, em cada país essa língua passou por diferentes processos evolutivos. Apesar desta diversidade, o português passou a ser um importante elemento unificador de todos os países lusófonos e facilita, assim, os seus contactos e a sua cooperação. Hoje em dia, o português, o quarto idioma mais falado no mundo, representa uma língua de migração, cooperação e unificação.

2)    Literatura

O mundo de língua portuguesa tem, desde seus primórdios portugueses, uma tradição rica em deslocamentos populacionais que interconectaram comunidades diferentes e desconstruíram as ideias estabelecidas sobre as identidades rígidas muito antes da globalização actual. A literatura, dando acesso ao discurso subjectivo, conta as esperanças e as ilusões dos migrantes, o acolhimento ou exclusão com os quais se depararam nos países-destino assim como mostra o imaginário híbrido, resultado do estar em transição do qual o imigrante é um exímio exemplo.

3)    Ciências humanas e sociais

Migração é um processo complexo, condicionado por múltiplos factores sócio-históricos, p. ex. políticos, económicos, culturais ou religiosos. Os movimentos populacionais podem ser observados sob muitos enfoques: a partir das trajectórias biográficas e sociais, das produções artísticas, fronteiras culturais e etno-raciais, relações estabelecidas entre indivíduos e grupos sociais. Outra perspectiva se abre pensando nos resultados das deslocações: identidades culturais líquidas, mistas e múltiplas; migração de ideias e conceitos que influenciam tanto os países de partida quanto aqueles da chegada; representações de lugares associados a essas mobilidades e os sentimentos que despertam, etc.

Lugar: Palácio Oettingen, Josefská 6, 118 00 Praha 1, República Checa

Cronograma:

Inscrições (ColoquioIX@gmail.com): até  10 de Março de 2020

Divulgação dos resumos aprovados: 20 de Março de 2020

Divulgação do programa: 31 de Março de 2020