Padre João Baptista

P. IOAÕ BAPTISTA. Naceo em a notavel Villa de Setubal onde teve por Pays ao Doutor Balthezar da Fonceca Lemos Provedor da Comarca desta Villa, e depois Corregedor do Civel da Corte, e a D. Mariana Iozefa Lobata. Começou aprender os primeiros rudimentos da lingua Latina com hum Clerigo de inculpavel vida, na qual sahio consummado pelas instruçoens de seu Pay que era muito perito neste idioma. Ouvio Filosofia na Congregaçaõ do Oratorio de Lisboa dictada pelo P. Iozé Troyano Qualificador do S. Officio onde suavemente atrahido do exemplar instituto de seu Mestre vestio a roupeta de S. Filippe Neri a 8 de Setembro de 1724. Nesta virtuosa, e sabia palestra sendo discipulo dos Padres Manoel de Almeyda, Estacio de Almeyda Academico Real, e Chronista deste Reyno, e o Padre Iulio Francisco Academico Real, e hoje dignissimo Bispo de Viseu, subio ao magisterio da Filosofia em que conciliando a doutrina de Aristoteles com os Systemas de Renato Descartes, e Isaac Nevvton, e outros celebres sequazes destes dous Oraculos de França, e Inglaterra alcançou a gloria singular de ser o primeiro que nesta Corte dictasse a Filosofia Moderna, que totalmente e ignorava em Portugal em cuja ardua empreza manifestou o incansavel disvelo do seu estudo, e a subtil penetraçaõ do seu juizo. Igual sublimidade de talento, e extensaõ de literatura descubrio nas Cadeiras de Vespera, e Prima onde dictou diversas Materias Theologicas solidamente estabelicidas sobre as sentenças dos Santos Padres, principalmente de Santo Agostinho, cujas obras tem revolvido com taõ continuo exercicio, que de muitas fielmente repete paginas inteiras. Naõ he menos versado na Theologia Polemica, e Expositiva com que corrobora, e illustra a Escholastica, sendo illustres pregoeiros da sua profunda subtileza, e vastissima erudiçaõ repetidos Actos literarios onde ou argumentando, ou defendendo se venera o seu nome sempre invulneravel aos golpes da enveja, e da emulaçaõ. Para fazer patente ao mundo a laboriosa empreza, que animosamente intentou, e felismente conseguio em o novo Methodo da Filosofia a reduzio a 4. Tomos de folha dos quais o 1. e 2. se estaõ imprimindo neste anno de 1746. Na Officina Real Sylviana, e da Academia Real com o titulo seguinte.

Philosophiae Aristotelicae restitutae, et illustratae quá experimentis, quá ratiociniis recenter inventis. Pars Prima. Logica. fol.

Philosophiae Aristotelicae restitutae &c. Pars secunda. Physica duplici volumine absolvenda. fol. Tem prompto para a impressaõ.

Quaetiones selectae ex penitiore Theologia eá nimirum quae nostram concernunt libertatem. Constaõ De sciencia media, cujus existientia fortiter impugnatur. De Gratia efficaci. De Praedestinatione. De Primatu Divinae Voluntatis in nostras. De libero Arbitrio.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]

Frei João Baptista

Fr. IOAÕ BAPTISTA natural da Cidade de Tavira em o Reyno do Algarve filho do Doutor Belchior Baptista Delgado, e de Ioanna Figueira. Na idade da adolescencia recebeo o habito de Agostinho Descalso em o Convento de N. Senhora da Conceiçaõ de Monte Olivete situado fora dos muros de Lisboa onde professou solemnemente. Aprendidas as sciencias escholasticas as dictou aos seus domesticos em o Convento de Evora em que jubilou com aclamaçoens de insigne Letrado. Como era dotado de summa observancia, e igual prudencia foy mandado pellos Superiores ás Missoens de S. Thome, Ilha do Principe, Anno bom, e Costa de Africa, e depois de ter exercitado louvavelmente estas incumbencias passou à Bahia onde fundou o Hospicio de N. Senhora da Palma para religiosos da sua Reforma. Restituido a Portugal foy Visitador Geral da sua Congregaçaõ, e primeiro Definidor  Geral, Qualificador do Santo Officio, e Examinador das tres Ordens Militares Dos muitos Sermoens que com aplauzo foraõ ouvidos em diversas partes publicou osseguintes.

Sermaõ prégado no Terceiro dia do Synodo Diocesano que se celebrou em a Sè Cathedral da Cidade da Bahia presidindo o Illustrissimo Senhor D. Sebastiaõ Monteiro da Vide Arcebispo Metropolitano do Estado do Brazil. Lisboa por Miguel Manescal. 1709. 4.

Sermaõ do Patriarcha Santo Elias prègado no Convento do Carmo da Bahia. Lisboa por Paschoal da Sylva. 1716. 4.

Sermaõ do Apostolo S. Pedro na dedicaçaõ da sua nova Igreja na Bahia. Lisboa pelo dito Impressor. 1716. 4.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]

Frei João Baptista

Fr. IOAÕ BAPTISTA intitulado o Alparca naceo em Lisboa professou o instituto serafico em o Convento de Leyria a 16 de Outubro de 1611. Onde aprendidas as sciencias Escholasticas em que sahio insigne, alcançou geral aclamaçaõ em o pulpito sendo hum dos mais famozos Declamadores Evangelicos da sua idade pela delicadeza dos pensamentos, afluencia de palavras, e profundidade dos discursos. Para eterno monumento do seu talento concionatorio basta o elogio, que lhe fez em breves palavras o Oraculo da Eloquencia Ecclesiastica o Padre Antonio Vieyra, que ouvindo-o em a Parochia de Nossa Senhora da Varzea do termo da Villa de Alanquer pregando hum Sermaõ do Sacramento admirado da energia, e subtileza com que discursava, disse Á mãy do P. Alparca deraõ-lhe as dores do parto na Igreja, e foy o parir ao pulpito. Ainda quando a idade decrepita que chegou a 91 annos o dispensava do exercicio de Pregador o continuou até o anno de 1687. em que falleceo no Convento de S. Francisco desta Corte. Podendo formarse muitos volumes dos seus Sermoens em cujos padroens se perpetuasse o seu nome unicamente se fez publico o seguinte que furtivamente se alcançou como escreve Fr. Fernando da Soledade. Hist. Seraf. da Prov. de Portug. Part. 3. liv. 1. cap. 21.

Sermaõ Panegyrico da gloriosa Assumpçaõ de Maria Santissima prégado em o Convento da Madre de Deos. Sahio na Laurea Portug. a pag. 336. até 357. Lisboa por Miguel Deslandes. 1687. 4. Desta obra como de seu author faz memoria Fr. Ioan. à D. Ant. Bib. Franc. Tom. 2. pag. 126. col. 1.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]

Frei João Baptista

Fr. IOAÕ BAPTISTA natural de Coimbra, e religioso Menor da Provincia Serafica de Portugal, e Mestre dos Noviços do Convento de Santarem para cuja instruçaõ escreveo, e dedicou em 25 de Março de 1625 a D. Fr. Bernardino de Sena Bispo de Viseu Geral, que fora da Ordem Franciscana.

Instrução de Noviços com todas as cerimonias do amo do Noviciado assim commuas, como do Coro, Altar e Sancristia para os Acolythos e Ceroferarios, como do de fazer profissaõ, e o que para esse acto he necessario, e as regras do Officio Divino, assim do Breviario Romano como as da nossa Ordem. No fim. Tratado dos casos reservados aos Padres nossos Provinciaes com todas suas particularidades 4. M. S. O Original se conserva na selectissima Livraria dos Padres Theatinos desta Corte onde o vimos.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]

Frei João Baptista

Fr. IOAÕ BAPTISTA religioso professo da Serafica Provincia de Santo Antonio do Brazil cujo primeiro Convento foy fundado no suburbio da Cidade da Bahia de todos os Santos em o anno de 1587. e segunda vez fundado dentro da mesma Cidade em o anno de 1594. Sendo o primeiro Provincial desta Provincia, e muito zeloso dos seus augmentos conduzio de Roma varias Reliquias com que naõ sómente ornou o Convento de S. Francisco da Bahia, mas o de Nossa Senhora das Neves da Cidade de Olinda Capital do Estado de Pernambuco. Compoz.

Ramalhete de flores de Italia. Conserva-se M. S. no Convento da Bahia. He obra espiritual, e mereceo a estimaçaõ de todos que a leraõ.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]

Frei João de Azevedo

Fr. IOAÕ DE AZEVEDO Naceo em a celebre Villa de Santarem a 27 de Janeiro de 1665. e naõ a 2 de Dezembro de 1667. como escreve o P. Ignacio da Piedade, e Vasconcellos Hist. de Santar. Edif. Tom. 2. pag. 483. e na Parochial  Igreja de Nossa Senhora de Marvilla recebeo a primeira graça a 2 de Fevereiro. Foy filho de Pays muito nobres quais foraõ Antonio de Azevedo Pereira, e D. Iria de Abreu, e Cordova filha de Antonio de Abreu, e Cordova, e D. Antonia de Goes. Entre o Institutos religiosos professou o de Erimita Augustiniano em o Real Convento de Nossa Senhora da Graça de Lisboa em o primeiro de Novembro de 1686. onde a com prehensaõ do seu talento, felicidade de me moria, e inclinaçaõ ao estudo o constituiraõ hum dos mais celebres Theologos dc seu tempo principalmente em a Theologia Moral em que a sua penna deixou immortalizado o seu nome. Depois de dictar as sciencias severas aos domesticos pelo espaço de vinte annos com grande aplauzo da sua litteratura foy Prior do Convento da Ilha, Reytor do Collegio de Braga, Prior do Convento de Lisboa, Definidor da Ordem, Examinador do Tribunal da Meza da Conciencia, e Ordens, e Consultor da Bulla da Cruzada. Falleceo no Convento de N. Senhora da Graça de Lisboa a 16 de Junho de 1746. quando contava 81. annos de idade, e 60 de Religiaõ.

Compoz.

Tribunal Theologicum, & Juridicum contra subdolos Confessarios in Sacramento Paenitentiae ad Venerem sollicitantes securioribus Authorum tum veterum, tum recentiorum deliberationibus undequaqe exornatum, erectum, in quo breviter, & dilucide conferuntur casus solicitantium: deliberantur omnia fere dubia solicitationis. Ulyssipone apud Michaelem Rodrigues. 1726. 4.

Tribunal de Desenganos dividido em 24 desenganos, deliberaçoens Theologicas, Escriturarias, doutrinaes, politicas, e Christãas. Lisboa na Officina Augustiniana. 1733. fol.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]