Henrique de Melo

HENRIQUE DE MELLO Commendador de Santa Maria de Manteigas da Ordem de Christo filho de Vasco Martins de Mello, e de D. Anna Moniz. Foy muito aplicado ao estudo da Genealogia, e contemporaneo de Affonso de Torres insigne Genealogista de quem se fez mençaõ em seu lugar. Escreveo.

Familias do Reyno de Portugal. Delle faz mençaõ D. Antonio Caetano de Souza Apparat. à Hist. Gen. da Caz. Real Portug. pag. 73. §. 56.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]

Henrique Manuel de Miranda Padilha

HENRIQUE MANOEL DE MIRANDA PADILHA Fidalgo da Caza Real, e  Cavaleiro professo da Ordem militar de Christõ naceo em Lisboa a 10 de Outubro de 1700. sendo filho de Fructuoso de Padilha Salazar Fidalgo da Caza Real, e de D. Angela de Aucourt. Tanta foy a inclinaçaõ, que logo descubrio em os primeiros annos à vida militar, que quando contava doze assentou praça de soldado merecendo pelas suas açoens em que mostrou valor, e disciplina passar de Capitaõ a Tenente, e Capitaõ de mar, e guerra. Para se conhecer, que naõ era incompativel o exercicio da penna, ao da espada escreveo com elegante estilo.

Relaçaõ do principio da guerra da Colonia do Sacramento até a chegada da Náo Esperança, em que nos sucessos da dita Náo se expressaõ os que houve na Colonia até chegar o Armisticio. M. S. 4.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]

Henrique Lopes

HENRIQUE LOPES muito estudioso da Poesia Comica em que sahio eminente compondo diversos Autos, que se reprezentáraõ com aplauzo dos expectadores. De todos somente se fez publico por deligencia de Affonso Lopes parente do Author.

Cena Policiana. Sahio na 1. Part. dos Autos, e Comedias Portuguezas. Lisboa. por Andre Lobato. 1587. 4. a fol. 41. v.°

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]

Henrique Jose da Silva Quintanilha

HENRIQUE IOZÉ DA SYLVA QUINTANILHA filho de Agostinho da Sylva, e Maria das Neves naceo em Lisboa a 15 de Março de 1723. onde instruido nas letras humanas passou à Universidade de Coimbra, e nella frequentando o estudo do Direito Pontificio se formou nesta Faculdade a 19 de Iunho de 1744. Na florente idade de 22. annos. O genio, que teve para as sciencias severas he igual para as amenas cultivando desde os primeiros annos a Poetica com felicidade, e agudeza publicando entre muitas obras, que a sua Musa fecundamente está produzindo, as seguintes.

Jubilos de Portugal na suspirada vinda do Excellentissimo, e Reverendissimo Senhor D. Fr. Iozè Maria da Fonceca, e Evora Sagrado Bispo do Porto. Lisboa na Regia Officina Sylviana, e da Academia Real 1741. 4. & ibi 1742. He hum Romance lyrico, que consta de 40 copias.

Fragoa de Vulcano. Epithalamio nas felicissimas Nupcias do Senhor D. Ioaõ Antonio Domingos Bento da Costa com a Senhora D. Thereza Ioseph de Noronha filhos dos Illustrissimos, e Excellentissimos Senhores Condes de Soure, e Marquezes de Marialva. Lisboa na mesma Officina 1746. fol.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]

Henrique Jorge Henriques

HENRIQUE IORGE HENRIQUES irmaõ de Gaspar Fernandes insigne Iurisconsulto naceo em a Cidade da Guarda em a Provincia da Beira onde instruido nos primeiros rudimentos se aplicou ao estudo da Medecina sendo seu Mestre o grande Thomaz Rodriguez da Veyga Cathedratico de Prima em a Universidade de Coimbra de cuja disciplina sahio taõ perito, que foy Lente de Artes em a Universidade de Salamanca, e substituto da Cadeira de Avicena em a de Coimbra, e depois eleito na mesma Academia para Lente de Prima de Practica de Medecina em o anno de 1595. Foy Medico do Duque de Alva D. Antonio Alvares de Toledo.

De Regimine citei, ac potùs, et de caeterarom rerum non naturalium usu nova ennaratio. Salmanticae apud Michaelem Serranum de Vargas 1594. 4.

Tratado del perfeto Medico dividido en sinco Dialogos. Salamanca por Ioaõ, Andre Renaut. 1595. 4.

Compendium Dialecticae. Desta obra faz mençaõ a pag. 200. do Tratado del perfecto Medico.

Dous livros de Censuras. Nelles falla no Tratado do perf. Med. fol. 203. e no de Regim. citei potus. fol. 187.

Espelho da Vida Humana. Delle se lembra no de Regim. cibi & pot. fol. 25

Livro do Amor sobre o Capitulo de Avicena em que trata dos Amantes. Faz delle memoria no Trat. del perf. Med. fol. 179. 184. e 186.

Apologia Medica. Della se lembra no referido Tratado. fol. 203. e 287.

Poemata Varia. M. S.

Delle fazem memoria Hallevord. Bib. Curios. pag. 414. col. 1. Abrah Mercklin. Lind. Renov. Nicol. Ant. Bib. Hisp. Tom. 1. pag. 431. col. 1. e Morery

Diccion. Historique.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]

Henrique Henriques de Noronha

HENRIQUE HENRIQUES DE NORONHA natural da Ilha da Madeira filho 3. de Pedro de Betancourt Henriquez, e de D. Mariana de Menezes. Frequentou alguns annos a Universidade de Coimbra em que mostrou viveza de engenho, felicidade de memoria, e deixando aquella palestra voltou para à sua patria para suceder nos morgados de seu Tio Ignacio de Betancourt da Camara onde se despozou em 6 de Julho de 1692. com sua Prima D. Francisca Maria de Vasconcellos. Naõ lhe impedio o novo estado de continuar o louvavel custume da continua aplicaçaõ aos livros principalmente da Historia secular, e da Genealogia em que fez grandes progressos merecendo ser numerado entre os Academicos supranumerarios da Academia Real da Historia Portugueza por ser excelente investigador das Antiguidades como o intitula o Padre D. Antonio Caetano de Souza Apparat. à Hist. Gen. da Caz. Real Portug. pag. 157. §. 190. Falleceo a 26 de Abril de 1730. Compoz.

Familias da Ilha da Madeira. M. S. fol. Huma Copia desta obra conserva o Padre D. Antonio Caetano de Souza assima allegado, e he estabelecida sobre documentos extrahidos dos Carthorios, que pessoalmente examinou seu Author. Familia de Henriques illustrada; da qual elle descendia no anno, que se radicou na Ilha da Madeira. Dedicado a D. Jorge Henriques Senhor das Alcaçovas.

Familia dos Freyres de Andrade deduzida dos Condes de Trava. Dedicada a Bernardim Freyre de Andrade.

Memorias Seculares, e Ecclesasticas para a Composiçaõ da Historia da Diocese do Funchal na Ilha da Madeira distribuidas na forma do Systema da Academia Real da Historia Portugueza. fol. M. S. Conservaõ-se em poder do Padre D. Antonio Caetano de Souza onde o vimos o qual no Tom. 10. liv. 10. pag. 892. da Hist. Gen. da Caza Real Portug. diz que saõ excellentemente ordenadas.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]