Francisco Xavier dos Santos da Fonseca

FRANCISCO XAVIER DOS SANTOS DA FONCECA filho de Antonio dos Santos, e Antonia Maria da Fonceca. Naceo em Lisboa a 21. de Abril de 1707. Tendo estudado Gramatica no Collegio dos PP. Jesuitas, e Filosofia na Congregaçaõ do Oratorio se aplicou em a Universidade de Coimbra à Sciencia dos Sagrados Canones em que recebeo o grao de Bacharel a 6. de Abril de 1728. Restituido a patria depois de ser admetido ao numero dos Advogados da Caza da Suplicaçaõ foy aprovada a sua Sciencia legal em o Dezembargo do Paço a 24. De Outubro de 1729. para servir os lugares da Republica. Sendo Procurador da Fazenda Real da Repartiçaõ das sete cazas, e Promotor Fiscal das Capellas da repartiçaõ da Meza da Conciencia, e Ordens, e Procurador da Mitra Patriarchal de que tomou posse a 5. de Junho de 1744. exercita a advocacia de Cauzas Forenses nesta Corte com igual Sciencia, que verdade. He muito versado na Liçaõ da Historia Sagrada, e profana, e Academico dos Arcades com o nome de Lysidas. Do seu nome faz agradecida memoria o Beneficiado Francisco Leytaõ Ferreira insigne Academico da Academia Real no Prologo das Noticias Chronol. da Universidade de Coimb. Tem composto.

Additiones ad Doctorem Emmanuelem Barbosam in Remissionibus ad Ordinat. Regias. Ulyssipone apud Michaelem Rodrigues 1732. fol. 2. Tom.

Additiones ad Emmanuelem Mendes de Castro. Conimbricae apud Antonium Simoens Ferreira. 1739. fol. No fim tem este Tratado. De authoritate Decisionum Senatús.

Epitome Chronologico Historico Juridico em que se mostraõ os verdadeiros Authores dos Textos que se achaõ no Decreto de Graciano escrito no anno de 1730. M. S. 8. 2. Tom.

Tabulae Pasenses in Institutiones Imperiales miro ordine dispositae et annotationibus illustratae. 4. M. S.

Demonstraçaõ apologetica da nobreza do Corrector do numero contra o empenho de 2. Authores modernos que o reputaõ por vil. 4. M. S.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]

Francisco Xavier da Rua

FRANCISCO XAVIER DA RUA Naceo no lugar da Alverca termo da Villa de Trancoso Comarca da Villa de Pinhel na Provincia da Beira a 18. de Outubro de 1687. Depois de estar sciente nos rudimentos gramaticaes passou à Universidade de Coimbra onde recebeo o grao de Mestre em Artes, e de Bacharel na Faculdade de Direito Pontificio merecendo possuir os lugares de Advogado da Caza da Suplicaçaõ, Prothonotario Apostolico, Prior de Requeixo, e Juiz conservador dos Religiosos Dominicos do Convento de Aveiro. Acompanhou com o lugar de Secretario da Embaxada que ao Emperador da China deu em nome do nosso Monarcha, Alexandre Metello de Souza de Menezes a 28. de Mayo de 1725. Hoje Conselheiro Ultramarino, e Deputado da Bulla da Cruzada de cuja politica funçaõ escreveo a seguinte Obra.

Relaçaõ da Embaxada que por ordem del Rey D. Joaõ o V. fez ao Emperador da China Yum Chim, Alexandre Metello de Souza, e Menezes no anno de 1725. com trinta caxoens de prezente. Começa. Havia ElRey Nosso Senhor. No fim tem huma noticia breve, e summaria de algumas cousas pertencentes ao Imperio da China. M S. fol. Acabada de escrever em Lisboa a 10. Março de 1732. Consta de 178. paginas.

Additamentos às Cartas que o mesmo Embaxador escreveo de Macao, e Pekim a Sua Magestade Portugueza sobre os negocios da sua Embaxada. Additamento à Carta que o Padre Parennin Jesuita escreveo de Pekim a 8. De Outubro de 1727. ao Padre Nyel Jesuita subprecetor dos Senhores Infantes de Espanha a qual está impressa no Tom. 19. das Letres Edifiantes ecrites par quelques Missionaires de la Compagnie de Jesus desde pag. 206. até 264. Onde relata individualmente a Embaxada que ao Emperador da China mandou o nosso Monarca reynante.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]

Frei Francisco Xavier da Rocha

Fr. FRANCISCO XAVIER DA ROCHA naceo em Lisboa onde teve por Pays a Francisco da Rocha, e Izabel Simoens. Professou o instituto Serafico da austera Provincia de Santa Maria da Arrabida em o Convento de Alferrara junto da Villa de Setuval a 19. de Outubro de 1699. Aprendeo as letras Sagradas com aplicaçaõ sahindo bom letrado, e milhor Pregador. Foy tres vezes Guardiaõ de diversos Conventos, e primeiro Mestre das Cerimonias do Real Convento da Villa de Mafra. Publicou.

Varios Sermoens Panegyricos, e Moraes Tom 1. Lisboa por Mauricio Vicente de Almeyda. 1734. 4.

Tomo 2. ibi pelo mesmo Impressor. 1738. 4.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]

D. Francisco Xavier do Rego

D. FRANCISCO XAVIER DO REGO Ulyssiponense filho de Pays nobres chamados Ioaõ do Rego, e D. Maria Cabral Toraõ. Na idade da adolescencia abraçou o instituto dos Clerigos Regulares Theatinos professando em a Caza de N. Senhora da Divina Providencia desta Corte a 5. de Mayo de 1712. Foy ornado de summa modestia, prespicas talento, e elegante frase, que felismente practicou nas suas composiçoens em que era observantissimo cultor da pureza da lingua materna. Ainda que padecia a grave molestia de accidentes epilepticos naõ deixava de estar continuamente aplicado à liçaõ dos livros onde a sua incansavel curiosidade achava o mayor alivio. Retirado a Madrid assistio muitos annos na Caza de N. Senhora dos Favores, que a sua Religiaõ Theatina tem naquella Corte onde exercitando os actos de perfeito religioso passou da vida caduca para a eterna em idade muito florente a 8. de Iunho de 1738. Compoz.

Vida de Santa Victoria Virgem, e Martyr Portugueza Padroeira da Cidade de Cordova. Lisboa na Officina da Musica 1721. 4.

Sermaõ da Paixaõ de N. Senhor Jesus Christo prégado em 5. feira mayor 13. de Abril de 1724. na Igreja de N. Senhora da Divina Providencia dos Clerigos Regulares. Lisboa na Officina da Musica 1726. 4.

Sermaõ das sete Dores de Nossa Senhora prègado em 4. de Abril do anno de 1727. na Santa Igreja Patriarchal. Lisboa na mesma Officina 1727. 4.

Avizos importantes para a Salvaçaõ practicados em alguns exercicios precisamente necessarios para uzo de hum verdadeiro Christaõ. Lisboa na dita Officina. 1727. 16. & ibi por Pedro Ferreira Impressor da Serenissima Rainha Nossa Senhora. 1739. 12. Com o suposto nome de Xavier Cabral do Toraõ.

Coroa Mystica do grande Patriarcha Santo Agostinho adornada de nove pedras preciosas Sagrados Symbolos de nove virtudes do mesmo Santo, e illusradas com outras tantas sentenças tiradas de seus escritos. Lisboa por Mathias Pereira da Sylva, e Ioaõ Antunes Pedrozo. 1720. 12.

Officium de Transitu Beatae Virginis Mariae recitandum a quacumque particulari Religione, piaque devotione. 8. sem lugar nem lugar da impressaõ.

Sermon del Mandato predicado en el dia Jueves Santo 25. de Março de 1728. en la real Iglezia de Santa Maria de el Favor de Clerigos Reglares de Madrid. 4. sem lugar nem anno da impressaõ. Dedicado ao Senhor Infante D. Antonio.

Descripçaõ Geographica Chronologica, Historica, e Critica da Villa, e Real Ordem de Aviz. Dedicada ao Senhor D. Manoel Caetano de Souza Clerigo Regular do Conselho de Sua Magestade Comissario Geral Apostolico da Santa Cruzada, e Censor da Academia Real da Historia Portugueza em Madrid a 16. de Abril de 1730. 4. M. S. O Original se conserva na Livraria dos PP. Theatinos desta Corte.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]

Francisco Xavier Pinto de Magalhães

FRANCISCO XAVIER PINTO DE MAGALHAENS filho de Manoel Leytaõ de Magalhaens, e de Maria dos Santos de Albuquerque neto de Manoel Leitaõ de Magalhaens filho 2. de Belchior Pinto Senhor de Calvellos, do Conselho de S. Martinho de mouros naceo em o lugar da Povoa termo da Cidade da Guarda em o Primeiro de Março de 1700. A natureza o dotou de taõ anticipado conhecimento para perceber as sciencias, que na idade de sinco annos o instruio seu Pay nas primeiras regras da Historia, e da Esfera, e inteligencia da lingua Castelhana em que era muito perito. Quando contava 8. annos soube perfeitamente Gramatica Latina, e de onze Filosofia que lhe explicou o Padre Mestre Fr. Antonio de Santa Roza de Viterbo Provincial da Ordem Serafica da Provincia de Portugal. Na Universidade de Coimbra se aplicou à Jurisprudencia Canonica em que defendeo Conclusoens debaixo dos auspicios do Doutor Luiz Guedes Carneiro Lente de Prima desta Faculdade, quando tinha quinze annos de idade. Passou a Roma com Pedro da Mota, e Sylva Enviado de Portugal àquella Corte onde cultivou as linguas Italiana Franceza, Grega, e Hebraica como tambem, a Historia Ecclesiastica, e secular, de cujas vastas noticias fez depozito a sua feliz memoria. Naõ foraõ inferiores os progressos que fez a sua estudiosa, e incansavel aplicaçaõ na Poezia, Astronomia, Chiromancia, e Nautica, como na Historia dos Concilios, Disciplina Eclesiastica, e Theologia Polemica. A fama que corria da sua vastissima erudiçaõ  moveo à Academia dos Arcades a elegello para seu Collega com onome de Erotilo em 31. de Julho de 1730. a tempo que jà se tinha restituido a esta Corte. Traduzio da lingua Italiana de Monsenhor Ioaõ de la Caza em a materna.

O Galateo, ou Cortezaõ. Lisboa na Officina da Musica. 1732. 8.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]

 

Francisco Xavier de Oliveira

FRANCISCO XAVIER DE OLIVEIRA natural de Lisboa filho de Jozé de Oliveira, e Souza Contador dos Contos do Reyno, e Caza de quem se fará mençaõ em seu lugar, e de D. Izabel da Sylva Neves. Sendo Cavalleiro Fidalgo da Caza real, e professo em a Ordem militar de Christo assistio por Secretario do Conde de Tarouca Ioaõ Gomes da Sylva Embaxador na Corte de Viana que fora Plenipotenciario na Paz celebrada em Utrech no anno de 1713. He muito versado na liçaõ da Historia profana principalmente em a do nosso Reyno, e naõ menos intelligente da lingua Latina, Castelhana, Franceza. Assiste ao tempo prezente em Olanda onde tem publicado as seguintes obras felices partos do seu fecundo engenho.

Memorias das suas viages Tom. 1. Amsterdam. 1741. 12. sem nome de Impressor.

Mille, et une observations sur divers sujest de Morale, de Politique, d’Histoire, e de Critique. 2. Tom. Amsterdam. 1741. 12. sem nome do impressor.

Memoires de Portugal avec la Bibliotheque Lusitane. 2. Tom. Amsterdam. 1741. 12. O 1. Tomo dedicado ao Serenissimo Senhor Infante D. Manoel e o 2. Ao Conde da Ericeira D. Francisco Xavier de Menezes; e na Haya 1743. 2. Tom. 8. com mudança no Titulo, e huma nova advertencia do Impressor.

Cartas Familiares historicas, politicas, e Criticas: Discursos serios, e jocosos. Tom. 1. Haya por Adriaõ Moetjens 1741. 12. Dedicado à Excellentissima Senhora Condessa do Vimioso.

Tom. 2. Haya pelo dito Impressor 1742. 12. Dedicado a Antonio Guedes Pereira Secretario de Estado.

Tom. 3. Haya 1742. 12. Dedicado a Marco Antonio de Azevedo Coutinho Secretario de Estado.

Reponse a la Letre de Mr. C. D. M. M. Amsterdam ches Jacques Desbordes. 1741. 8.

Carta ao Senhor Isaac de Souza, Brito com os Privilegios concedidos em Napoles, e Sicilia à Naçaõ Hebrea tradusidos do Original Italiano em Napoles no anno de 1740. Haya 1741. 4.

Viagem à Ilha do Amor: escrita a Philandro. Haya 1744. 8. Dedicada a Diogo de Mendoça Cortereal.

 

Obras promptas para impressaõ.

Mille & une Reflexions. Tom. 3. 4. e 5.

Memoires de Portugal. Tom. 3. e 4.

Memorias das viagens do Author Tom 2. 3. 4. 5. 6. 7.

Cartas Familiares, e Historicas, Politicas, e Criticas. Discursos Serios, e jocosos. Tom. 4. 5. 6. 7. 8. e 9.

Diversos Tratados sobre material muy diferentes de que se podem fazer 2. vol. de 8.

 

Obras em que presentemente trabalha o Author.

Reponse a plusieurs critiques, & faussetes repandues par les Autheurs Etrangers contre le Royaume de Portugal. Tom. 1. 8.

Bibliotheque Lusitane, qui comprend tous les Autheurs Etrangers qui ont ecrit á l’ègard du Royaume de Portugal. Tom. 1. e 2. 8.

Dictionaire Portugais François & Latin. Tom. 1. 4.

Dictionaire François, Portugais & Latin. Tom. 2. 4.

Dictionaire du Pour, et Contre, qui contient le bien, et le mal qu’ on a ècrit de toutes les parties, et de tous les Auteurs del Univers. Tom. 1. e 2. 4.

Plenipotenciario Perfeito, e Imperfeito. Tratado offerecido aos Principes para direçaõ da escolha que devem fazer dos Ministros Publicos, e de seus Secretarios. Descripçaõ da Cidade de Vienna de Austria, e Memorias Historicas, e Politicas da Corte Imperial no tempo de Cesar Carlos VI. 4. 6. Tom. M. S.

Fazem memoria do Author com merecidos elogios Nouvel. Bibliothec. Ou Hist. Litterar. des principaux Ecrits qui se publient. Tom. XI. Article VI. Mois de  Mars 1742. Tom. XII. Art. IV. Mois de May. 1742. Biblioth. François, ou Hist. Liter. de Franc. Tom. XXXVI. 2. Part. pag. 362.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]