Prémios PEN 2020

A Presidente do PEN Clube Português, Teresa Martins Marques,na qualidade de Coordenadora- Geral dos Prémios PEN, indica os nomes dos escritores vencedores dos Prémios PEN 2020, bem como os respectivos Júris, que deliberaram por unanimidade. O PEN agradece à DGLAB que patrocina este Prémios desde 1980.
POESIA
Nuno Júdice, O Coro da Desordem, Dom Quixote
ENSAIO- ex-aequo
João Barrento, Uma contra-música. Novos escritos llansolianos, Mariposa Azual
Maria João Cantinho, Walter Benjamin. Melancolia e Revolução, Editora Exclamação
NARRATIVA
Francisco José Viegas, A Luz de Pequim, Porto Editora
PRIMEIRA OBRA
O Júri não atribuiu o Prémio Primeira Obra, em virtude de não existir excepcional qualidade nas primeiras obras a concurso.
JÚRIS DOS PRÉMIOS PEN 2020
POESIA
Luís Filipe de Castro Mendes (coordenador)
Rita Marnoto
Margarida Braga Neves
ENSAIO
Fernanda Mota Alves (coordenadora)
Fernanda Gil Costa
Miguel Serras Pereira
NARRATIVA
Teresa Sousa de Almeida (coordenadora)
António Apolinário Lourenço
Sérgio Guimarães de Sousa
PRIMEIRA OBRA
Júri foi constituído pelos coordenadores dos Prémios de Poesia, Ensaio e Narrativa:
Luís Filipe de Castro Mendes
Fernanda Mota Alves
Teresa Sousa de Almeida

José Luís Peixoto em Roma, a 5 de Novembro

A Embaixada de Portugal em Roma, com o apoio do Instituto Camões, convida a assistir, no dia 5 de Novembro a partir das 13h (meio-dia em Portugal), ao encontro online com o escritor José Luís Peixoto.

No evento, organizado no âmbito do festival literário “Europa in Circolo”, o autor vai falar do seu romance Livro publicado em Itália pela editora Einaudi.

Intervirão também Sandra Biondo, tradutora do romance, e Sara Batoréo Crespo, Ministra Conselheira da Embaixada de Portugal em Roma.

O encontro virtual com José Luís Peixoto estará disponível na página Facebook  da Embaixada (https://www.facebook.com/ambasciataPTroma) e no respectivo sítio web (https://www.roma.embaixadaportugal.mne.pt/)

Adelaide Freitas: da Literatura Açoriana e Norte Americana

Adelaide Freitas é um nome que não carece de apresentação nos Açores, mas outro tanto não poderá dizer-se no continente. Tendo nascido em 1949, na Achadinha do Nordeste, a mesma localidade da ilha de São Miguel em que nascera, dois meses antes, João de Melo, que haveria de ser seu companheiro na escola primária e, mais tarde, objecto dos seus trabalhos ensaísticos, terminado o liceu em Ponta Delgada, vai graduar-se na Southeastern Massachusetts University, em Darmouth, bem como na City University of New York, regressando, mais tarde, aos Açores onde completará o doutoramento sobre a obra de Hermann Melville em 1987. Pode dizer-se que desde essa altura a Baleia Branca não mais a abandonou.

(mais…)