V. GREGORIO LOPES naceo na Villa de Linhares do Bispado de Coimbra a 4. de Iulho de 1542. Foy quarto filho pela ordem da natureza, e primeiro por beneficio da graça, que tiveraõ seus Pays Paulo Lopes, e Maria Affonso do Pombal igualmente pios, que nobres. Logo na infancia deu a conhecer os insignes dotes do seu espirito formando os caracteres com tanta perfeiçaõ, que pareciaõ impressos, e fallando puramente a lingua Latina sem a ter aprendido. Quando estava na florente idade de 16 annos movido de superior impulso se auzentou da Caza de seus Pays para a Cidade de Valhadolid onde naquelle tempo assistia a Corte Castelhana, mas como o seu genio aborrecesse o tumulto, e fausto mundano passou às Indias Occidentaes naõ para acumular riquezas, mas para distribuir prodigamente pelos pobres tudo quanto possuia despojando-se dos proprios vestidos em a Cidade de Vera Cruz donde partio para Mexico. Pouca foy a demora que fez nesta Cidade pois o seu espirito procurava a solidaõ para totalmente se dedicar a contemplaçaõ das delicias celestiaes até, que penetrou o Valle de Amayac entre os Chichimecos, e depois de tolerar constantemente varias afrontas da petulante liberdade dos soldados Espanhoes, que hiaõ cativar os Indios, edificou naquelle lugar huma caza de barro onde vestido de saco, e cingido com huma corda fazia vida Erimitica servindo-lhe as ervas do Campo de alimento, e huma pedra de cabeceira. Neste solitario domicilio era continuamente assaltado pelo inimigo comum com diversas sugestoens das quais heroicamente triumfava pronunciando Fiat Voluntas tua scut in caelo, et in terra. cujas palavras chegou a repetir todos os instantes que respirava pelo espaço de 3 annos. Desta solidaõ passou para a de Guasteca onde aplicado quatro horas ao estudo da Escritura alcançou perfeita intelligencia dos seus mais profundos mysterios chegando a recitar de memoria os quatro livros da Historia dos Reys, os dous dos Machabeos, e a repetir o livro, capitulo, e numero da materia, que continha hum, e outro Testamento. Depois de padecer huma grave infermidade em que foy charitativamente assistido pelo Beneficiado Ioaõ de Mena querendo fugir da estimaçaõ, que da sua pessoa faziaõ os Indios, e Hespanhoes, partio para a Villa de Atrisco onde sendo acuzado pelo indiscreto zelo de alguns Regulares ao Arcebispo de Mexico D. Pedro de Moya, e Contreras, e examinando com circunspeçaõ o seu procedimento foy declarado por Varaõ Iusto, permitindo Deos que em credito da sua innocencia se convertessem as acusaçoens em apologias das suas heroicas virtudes. Obrigado das molestias que padecia se recolheo ao Hospital de Guastapec onde assistio com incansavel zelo a todos os infermos, consolando huns, e confortando outros para fazerem meritorias as suas tribulaçoens. Querendo satisfazer as repetidas instancias de muitas pessoas dezejosas de se aproveitarem dos seus saudaveis conselhos passou à Cidade de Mexico, onde atrahido do amor da solidaõ se retirou ao lugar de Santa Fe distante 6 legoas daquella Cidade e nella teve por companheiro ao Padre Francisco Losa, que observou, e escreveo a sua vida sendo os exercicios della comer huma só vez, dormir duas, ou tres horas, e consumir todo o restante do tempo em orar. Cumulado de tantas virtudes passou a lograr o premio merecido a 20 de Iulho de 1596. quando contava 54 annos de idade, e 33 de Solidaõ. Foy sepultado o seu corpo, que exhalava suavissimo cheiro, pela principal gente da Cidade de Mexico fazendo o Officio da sepultura D. Alonso da Motta, e Escobar Deaõ da Cathedral desta Cidade eleito Bispo de Guadalajara. Orou nas suas Exequias o Doutor Fernando Ortiz de Hinojosa Conego da dita Cathedral eleito Bispo de Guatemala. Foy tresladado o cadaver em o 1 Março de 1616 para o Altar mor do Convento de S. Iozeph de Carmelitas Descalsas por D. Ioaõ Perez de Lucerna Arcebispo do Mexico. Os prodigios, que obrou depois de morto com que Deos quiz acreditar as virtudes deste seu servo impelliraõ a Filippe IV. para que por carta escrita de Madrid a 5 de Mayo de 1636. a Santidade de Urbano VIII. he pedisse o collocasse no Catalogo dos Santos. Foy este veneravel Varaõ muito intelligente no sentido literal da Escritura Sagrada sendo consultado por homens muito doutos na interpretaçaõ de muitos lugares dificultozos. Igual noticia teve da Historia Ecclesiastica, e Secular relatando os sucessos com tanta distinçaõ como se fora a elles prezente. Foy insigne Astrologo, Cosmografo, e Geografo como mostraõ hum Mappa e Globo, que fez, e delineou, em que se viaõ emendados muitos erros de outros Authores. Da Anatomia, e Medecina soube taõ profundamente as Regras, que dellas escreveo diversos Tratados. Conheceo claramente os interiores, discernio sabiamente os espiritos, e dirigio prudentemente as conciencias. Teve juizo profundo, comprehençaõ grande, e memoria taõ feliz, que nunca lhe esqueceo o que huma vez lhe encomendou. Todos os Prelados das Dioceses das Indias Occidentaes testemunharaõ com elegantes Elogios as virtudes deste insigne Varaõ, que se podem ler na sua vida escrita pelo Licenciado Francisco Losa Cura da Cathedral de Mexico impressa duas vezes, e na segunda addicionada, a qual traduzio em Francez Monsiur Arnaud D’Andilly, e na lingua Portugueza Pedro Lobo Correa Escrivaõ da Contadoria Geral de Guerra, e Reyno onde evidentemente mostra ser nacido Gregorio Lopes em a Villa de Linhares com o nome de Pays, e Irmãos, que teve contra o engano, que padeceo o Padre Losa escrevendo ser natural de Madrid de cujo erro foy sequaz Fr. Affonso Ramon Chronista Geral da Ordem Militar da Merce na vida, que escreveo deste servo do Senhor, e sahio impressa em Madrid 1630. 8. Delle fazem memoria Jorge Cardozo Agiol. Lusit. Tom. 2. pag. 164. afirmando ser natural da Villa de Linhares, e Morery Diccion. Historiq. Verb. Lopes Gregoire, e ultimamente com mayor difusaõ o Padre D. Antonio Caetano de Souza Agiol. Lusitan. Tom. 4. pag. 233. e 247. No Comment. de 29 de Julho letr. C. Compoz.

Explication del Apocalypse. Esta obra, que sahio impressa Madrid 1678. 4. mandou a  agestade de Filippe III. que se lhe remetesse o Original, o qual foy aprovado por Ordem da Inquisiçaõ pela douta censura de D. Fr. Pedro de Agurto Bispo de Cibu, e de outros grandes letrados confessando ser profunda a explicaçaõ, e erudita a parafrase, que fez aos Mysterios daquelle livro do qual naõ deixando seu author copia, e desaparecendo, o reformou segunda vez sem alterar a menor palavra.

Chronologia dos Tempos. M. S.

Tratado das Propriedades das Ervas. Foy composto no Hospital de Guastapec, e se conserva com grande veneraçaõ em o Real Convento da Encarnaçaõ de Madrid fundado pela Raynha D. Margarida de Austria.

Carta escrita ao Padre Francisco Lossa em que dá rezaõ porque compoz a Explicaçaõ do Apocalypse. Sahio impressa na vida do Author escrita por Fr. Affonso Ramon a pag. 147.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]