ANTONIO GOMES DE OLIVEIRA, natural de Torres Novas. Seguiu a vida militar, e achou‑se nas batalhas de Montijo, e das linhas d’Elvas em 1659. Nada se sabe quanto ao logar e data do seu obito. – E.

729) (C) Idylios maritimos y Rimas varias. Primeira parte. Lisboa, por Pedro Craesbeeck 1617. 8.o de VII‑116 folhas numeradas só na frente. – Todas as poesias contidas n’este volume são na lingua castelhana, havendo unicamente na portugueza uma Canção a fol. 10, e uma Ode a fol. 141. – Isso porém não obstou a que o compilador do pseudo Catalogo da Academia, que provavelmente o não viu, o incluisse no mesmo Catalogo, dando‑lhe assim foros de classico portuguez!

É muito raro este livro, como o são todas as mais obras do auctor: porém a circumstancia de ser quasi na totalidade escripto em hespanhol faz que o seu valor não corresponda á sua raridade, tendo‑se vendido um exemplar por 300 réis, e julgo provavel que algum, que ainda appareça, não obterá maior preço.

730) (C) Sonetos heroicos concernentes á Magestade e estado politico e militar do sempre Augusto Rei D. João IV Nosso Senhor. E principio do Poema heroico. «D. João I de Boa Memoria.» Escreveo Antonio Gomes d’Oliveira. Lisboa, por Antonio Alvares 1641. 8.o Consta de 16 folhas numeradas só na frente. Os sonetos são 24 e do poema ha apenas 16 oitavas.

731) (C) Panegyrico ao sempre Augusto Rey D. João 4.º, Lusitano, Indico, Brasilico e Africano acclamado e jurado Rey na cidade de Lisboa em o 1.º e em 15 de Dezembro de 1640. Escrevia‑o Antonio Gomes de Oliveira. Lisboa, por Antonio Alvares 1641. 8.o de II‑14 folhas numeradas na frente. Este Panegyrico consta de 77 oitavas.

Os unicos exemplares que até agora vi, tanto dos Sonetos como do Panegyrico, pertencem á curiosa e copiosissima collecção poetica do sr. Francisco de Paula Ferreira da Costa, que possue um e outro no melhor estado de conservação.

732) (C) Oitavario heroico votado á Magestade victoriosa d’Elrei nosso senhor D. João o IV… Sem logar, nem anno. 4.o (São oito sonetos.)

733) No dia solemnissimo da entrada delRei Nosso Senhor em Lisboa, recolhendo‑se das fronteiras do Alemtejo… Sem anno, nem logar, fol. (Consta de um soneto, epigramma latino, e duas oitavas portuguezas.)

734) Pela festividade annual que em o 1.º de Dezembro de 1641 instituiu a cidade de Lisboa em memoria da acclamação do sempre augusto Rey D. João o IV. Lisboa, por Antonio Alvares, fol. (É um soneto.)

735) Commento ás Lusiadas de Camões. Barbosa no tomo IV pag. 37 affirma que d’esta obra se chegara a imprimir alguma parte, sem dizer aonde, nem por quem. Declaro que não a poude ver até agora, nem tão pouco as precedentes.

Do canto I do poema Herculeida que é escripto em oitavas castelhanas, existe uma copia ms. de letra contemporanea, ou quasi, na livraria do extincto convento de Jesus.

 

[Diccionario bibliographico portuguez, tomo 1]