ANTONIO FERREIRA (3.º), Cav. da Ordem de Christo, Cirurgião da camara d’Elrei D. Pedro II, e da Rainha D. Catharina, que em 1662 acompanhou a Londres, e por mais de vinte annos Cirurgião no Hospital de Todos os Sanctos de Lisboa. – N. n’esta cidade a 6 de Novembro de 1626 conforme Barbosa; e se morreu como este diz em 1679, deveria ter então 53 e não 63 annos d’edade, como incoherentemente se lê na Bibl. Lus. – E.

690) (C) Luz verdadeira, e recopilado exame de toda a Cirurgia. Lisboa, por Domingos Carneiro 1670 fol. – E accrescentado com uma addição breve e nova practica do auctor. Ibi, por Valentim da Costa Deslandes 1705 fol., com um prologo de seu filho o desembargador Ignacio Lopes de Moura.

Esta segunda edição, que é preferivel á primeira, e vem citada no Catalogo da Academia, corre todavia no mercado por preços menos que mediocres. Nem uma nem outra são vulgares.

Quanto ao merito do auctor, reproduzirei aqui o que a seu respeito diz um critico da mesma profissão, e que parece falar com imparcialidade e conhecimento da materia.

«A. Ferreira deve fazer gloriosa epocha nos annaes da Cirurgia universal, e muito particularmente nos da do nosso Reino, como illustre, sabio, e consumado pratico. Ainda hoje se admiram os seus grandes talentos na sua obra Luz verdadeira etc., que por suas qualidades theorico‑praticas e pela universal aceitação com que foi recebida, fez esquecer o livro de Cruz, e os de outros hespanhoes que então corriam entre os portuguezes, ficando o Ferreira em tudo e por tudo superior e apreciavel, mesmo em toda a Hespanha. E se a obra tivesse sido escripta em latim, a sua capacidade seria sem duvida mais reverenciada e universalmente conhecida. A cada passo se manifesta não só a varia e vasta erudição de seu auctor, pelo conhecimento das doutrinas de todos os outros estrangeiros que a cada passo cita, mas a infinidade de pensamentos proprios e uteis que se deixam conhecer nos logares onde não usa d’aquellas auctoridades.» Extrahido de Manuel de Sá Mattos, na sua Bibl. Elementar Ciruryica Anatomica, Discurso 3.° pag. 63.

Similhantemente se exprime a respeito do assumpto outro critico não menos intelligente, o doutor Caetano José Pinto d’Almeida nos seus Elementos de Cirurgia, parte 1.ª pag. 110 da traducção portugueza.

 

[Diccionario bibliographico portuguez, tomo 1]