FRANCISCO MORATO ROMA Cavalleiro Professo da Ordem de Christo, Familiar do Santo Officio naceo em a Villa de Castello de Vide da Provincia Transtagana a 4. de Outubro de 1588. onde teve por Pays a Joaõ Morato, e Maria Callada Roma. Estudou Filosofia em a Cidade de Evora, e Medicina em a de Coimbra sendo estas duas famosas Academias expectadoras do seu vivo engenho, e admiravel talento, com que comprehendeo as dificuldades, e penetrou os arcanos de huma, e outra Faculdade. Acabada a carreira dos seus estudos o chamou no anno de 1619. para seu Medico o Serenissimo Duque de Bragança D. Theodosio 2. e com a mesma occupaçaõ passou para Lisboa no anno de 1640. acompanhando a ElRey D. Joaõ o IV. A discreta conversaçaõ, e natural graça de que era dotado divertia muito aos emfermos que visitava concorrendo igualmente as suas palavras, e os seus medicamentos para alivio das molestias, que padeciaõ. Morreo em Lisboa na provecta idade de 80. annos. O P. Manoel Luiz Vit. Princip. Theod. lib. 1. cap. 3. n. 14. o intitula medicae artis peritissimus e lib. 2. cap. 2. n. 11. Insignis artis medicae professor. Compoz

Observaçaõ do achaque, que Sua Magestade em em Salvaterra de que livrou milagrosamente, Lisboa 1655. 4.

Luz da Medicina practica, racional, e methodica, guia de enfermeiros dividida em 3. partes. Na 1. se mostra a ordem, e modo, que se deve guardar na cura dos enfermos. Na segunda summatim attinguntur os remedios particulares com que se deve acodir a cada hum dos achaques do corpo humano. 3. agit dos achaques particulares das mulheres. Additur Tractatus de febribus simplicibus, putridis, malignis, & pestilentibus. Lisboa por Henrique Valente de Oliveira 1664. 4. & ibi por Antonio Craesbeeck. de Mello. 1672. 4. e Coimbra por Joaõ Antunes 1700. 4. & ibi no Real Collegio das Artes 1726. 4. acrecentado com varios remedios de Cirurgia, e recopilado do thezouro dos pobres com o titulo seguinte

Luz de Medicina pratica, racional, e metodica; guia de enfermeiros, directorio de principiantes, e summario de remedios para poder acudir, e remediar os achaques do corpo humano romeçando do mais alto da cabeça atè o mais baixo das plantas dos pès.

Sentimentos de D. Pedro, e D. Ignes de Castro 1. e 2. Parte. Constaõ de 140. Outavas. Desta obra que sahio no primeiro Tom. da Fenix Renacid. desde pag. 92. atè 139. Lisboa por Jozè Lopes Ferreira 1716. 8. faz Author a Francisco Morato Roma o P. Antonio dos Reys Enthus. Poet. n. 125.

…… Roma cadentem

Qualiter Agnetem Petrus defleverit augens

Flumineos Latices Lacrimarum rore, canebat.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]