FRANCISCO DA MADRE DE DEOS naceo no lugar de Condeixa que dista duas legoas de Coimbra, e na Universidade desta Cidade se applicou às letras humanas em que sahio insigne Latino, e excellente Poeta. Foy admitido à Congregaçaõ dos Conegos Seculares do Evangelista onde acabado o Noviciado estudou no Collegio Conimbricense as sciencias mayores em que fez tantos progressos, que recebendo as insignias doutoraes na Faculdade da Theologia a dictou por muitos annos aos seus domesticos. Por varias vezes se oppoz às Cadeiras da Universidade com mayor merecimento, que fortuna, e conhecendo naõ ser vontade de Deos seguir aquelle genero de vida se retirou para o Convento de S. Joaõ de Xabregas situado nos suburbios de Lisboa a tratar da Salvaçaõ das Almas. Neste retiro era summamente procurado da Nobreza do Reyno buscando nas suas resoluçoens, e conselhos tranquilidade para as suas conciencias. Em atençaõ aos seus merecimentos o nomeou ElRey D. Joaõ o IV. Bispo de Macào, de cuja dignidade se escuzou pelo numero dos annos, que contava, e muito mais das enfermidades que padecia, atè que consumido de huma febre partio a ver ocularmente o divino objecto, que nesta vida tinha pela sua especulaçaõ contemplado acabando piissirmamente a 25. De Fevereiro de 1658. Compoz

In Primam Partem D. Thomae. fol. 3. Tom. Esta obra se conserva no Convento de Santo Eloy de Lisboa da qual fallando o Padre Francisco de Santa Maria Chron. dos Coneg. Secul. liv. 4. cap. 33. diz que na pureza da doutrina, no selecto, e bem fundado das opinioens, na profunda intelligencia das dificuldades, na subtileza dos argumentos, na madura soluçaõ das duvidas, na coherencia das sentenças, na erudiçaõ universal dos Padres, e Autores, na clareza, e felicidade do estilo, na agudeza do engenho, na profundidade do juizo naõ cedem a outra alguma obra deste genero, e saõ verdadeiramente dignas da luz, e immortalidade.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]