Fr. IORGE DE CASTRO natural do lugar de Penedono do Bispado de Lamego filho de nobres progenitores quais foraõ Ioaõ Ribeiro de Afonceca morgado da Salgoza, e Izabel de Mesquita. Para augmentar mayor brazaõ à sua caza se adoptou por alumno da clarissima Ordem dos Pregadores em o Convento de Azeitaõ a 3 de Mayo de 1634. Com tanta subtileza penetrou as dificuldades Theologicas que competio com seu Mestre o grande Fr. Domingos de Santo Thomaz de quem se fez em seu lugar merecida lembrança, bastando este discipulo para immortal aplauzo do seu magisterio. Admetido a Collegial do Collegio de Santo Thomaz em Coimbra a 16 de Fevereiro de 1642. dictou as sciencias severas com admiraçaõ dos Cathedraticos da Academia Conimbricense até que jubilou em a Sagrada Theologia. A prudencia do juizo o elevou a governar o Convento de Aveiro, e o Collegio de Coimbra, e a Provincial eleito no anno de 1675. A rectidaõ do animo o habilitou para Deputado da Inquisiçaõ de Evora provido a 24 de Setembro de 1679. donde brevemente passou com o mesmo ministerio para Lisboa. Retirado à sua patria para experimentar clima mais benigno aos achaques que padecia o nomeou o Illustrissimo Inquisidor Geral D. Verissimo de Lancastro, Deputado do Conselho Geral que vagara pela promoçaõ do Mestre Fr. Valerio de S. Raymundo ao Bispado de E,lvas, de cujo honorifico lugar naõ tomou posse impedido pela morte que o privou da vida a 21 de Setembro de 1685. Delle faz memoria Fr. Pedro Monteiro Claust. Dom. Tom. 3. p. 225. onde com erro manifesto escreve que recebera o habito em o Convento de Almada a 16 de Abril de 1679. quando elle em 1675. era Provincial, e certamente o recebeo em Azeitaõ no dia, e anno assima escritos como consta do assento que se me remeteo deste Convento. Publicou

Sermaõ nas exequias do Excellentissimo, e Reverendissimo Senhor D. Pedro de LancastroDuque de Aveyro Inquisidor Geral pregado no Convento da Arrabida cabeça daquella Provincia de que saõ Padroeiros, e tem jazigo os Senhores Duques de Aveiro em 25 de Mayo de 1673. Lisboa por Ioaõ da Costa 1673. 4.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]