MANOEL DE CARVALHO RIBEIRO DE CASTELLO-BRANCO naceo em Lisboa a 31. de Julho de 1677. sendo filho natural de Jorge Fernaõ Ribeiro Cavaleiro da Ordem militar de Christo. Na idade de 14. annos se aplicou ao estudo da lingua Latina, e no espaço de quinze mezes fez taes progressos a sua perspicaz comprehensaõ que compoz na lingua materna hum largo Commentario á Syntaxe do Padre Manoel Alvares em dous tomos de quarto, e traduzio na mesma lingua Quinto Curcio, Titolivio, e a Eneida de Virgilio. Frequentou por algum tempo a Theologia Moral no Convento de S. Domingos até que aberto o Curso de Filosofia no anno de 1696. em a Congregaçaõ do Oratorio que dictou o Padre Sebastiaõ Ribeiro levou a primazia a seus Condiscipulos. Atrahido do instituto que professava seu Mestre vestio a roupeta a 7. de Março de 1700., e partindo para a Congregaçaõ de Pernambuco ja quando era Sacerdote, e Prégador insigne foy eleito Mestre de Filosofia no anno de 1711. que naõ dictou pelas inquietaçoens populares, que perturbaraõ aquelle Estado as quaes serenou com grande prudencia. Restituido ao Reyno no anno de 1713. lhe ofereceo a Magestade delRey D. Joaõ V. o Bispado de Pernambuco que naõ aceitou. Querendo totalmente dedicar-se ao estudo das disciplinas mathematicas, observaçoens astrologicas, e experiencias Physicas se retirou do comercio humano deixando a Congregaçaõ até que sendo instado pelo Excellentissimo Marquez de Cascaes D. Manoel de Castro para que fosse mestre de seu filho o Conde de Monsanto lhe deu habitaçaõ no seu Palacio onde Viveo com exemplar procedimento pelo espaço de vinte annos. Retirado á Quinta da Foz junto da Villa de Benavente falleceo em o primeiro de Setembro de 1737. quando contava 70. annos de idade. Deixou composto.

Sabedoria antigua Aristo-Thomistica Natural, e sobrenatural com facil, e novo methodo, e estlio exposta, discutida, e illustrada; como tambem acerrimamente vindicada dos erros dos sabios antigos, das improvaveis, e falsas opinioens de muitos Peripateticos, da fabulosa, e Chymerica Philosophia Mechanica dos Atomistas antigos e modernos; do impio veneno das heresias, e das inuteis experiencias dos novos Philosofos Experimentaes. Obra summamente util, e necessaria a todos os que quizerem aplicar-se fundamentalmente ainda sem a instruçaõ de Mestre ao estudo de todas as sciencias assim divinas, como humanas  na  qual todos acharaõ huma copiosa e bem disposta Bibliotheca em que semmuito trabalho adquiraõ o precioso thesouro de huma, e outra sabidoria, eerudiçaõ.

Esta obra estava dividida em 55. Tomos de folha. O 1. distribuido em 9.  Volumes incluia 12. Prologomenos a toda a obra, no 5. dos quaes se confutava, e destroia o Atomismo, ou Mechanismo assim antigo como moderno, e todos os seus Systemas. O 2. Tomo incluia o Orgaõ, ou Chave Regia da Sabedoria. O 3. 4.  5. e 6. incluia a Metaphysca do Ente, a Divina a Angelica, e a Demonologica. Os Tomos 7. até 16. comprehendiaõ a Philosofia Natural distribuida em 10. Partes. Os Tomos 17. até 22. constavaõ de todas as partes da Philosofia Moral. Os Tomos 23. até 42. incluiaõ toda a Theologia sagrada assim Especulativa, como Dogmatica, Ascetica, e Mystica. Os Tomos 43. até 45. Theologia Moral. E os Tomos 46. até 55. comprehendiaõ todas as especies de Mathematica assim pura como mixta. Desta grande obra escrita na lingua Portugueza tinha seu Author completos 18. Tomos.

De Potestate Pontificis. 4.

Juizo Astrologico sobre o Cometa que apareceo em Novembro do anno de 1723.

Consultas Moraes, e Juridicas. fol.

Obras do Padre Alonso Rodrigues traduzidas em Portuguez. 4.

O remedio universal contra todos os males do mundo descoberto na Sagrada Mesa Eucharistica frequentada todos os dias fol. 3. Tom.

Paraenesis ad studium Sapientiae, antiquae.

De Laudibus Sapientiae.

De excellentiis doctrinae D. Thomae. Estes tres tratados verteo em Portuguez.

Scientia Media profligata 4.

Lucerna Mystica do Padre Esquerra traduzida em Portuguez.

Diversas Poesias, Tragicomedias, Glozas de Motes, e Emblemas. 4.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]