Fr. MANOEL DA CONCEYÇAÕ natural de Villa-Viçoza em a Provincia Transtagana filho natural de D. Pedro Pueros de naçaõ Irlandez, e descendente de familia illustre o qual fugitivo da sua patria por causa da fatal perseguiçaõ dos Hereges contra os Catholicos buscou por asilo a este Reyno, e tedo recebido o grao de Doutor Theologo em a Universidade de Coimbra se fez merecedor pela madureza do seu talento de ser eleito Mestre do Principe D. Theodozio quando contava cinco annos de idade. Instruido nas letras humanas e Grammatica Latina professou o instituto de Erimita de Santo Agostinho no Real Convento de Nossa Senhora da Graça de Lisboa a 4. de  Janeiro de 1651. onde se distinguio dos seus domesticos na cultura das letras, e virtudes. Anhelando o seu espirito a mayor perfeiçaõ animosamente emprendeo, e felizmente conseguio vencidas com prudente tolerancia gravissimas oppoziçoens, a Reforma do Instituto, que professava sendo o primeiro Instituidor dos Agostinhos Descalços neste Reyno dos quaes foy Vigario Geral por nomeaçaõ do Geral da Ordem Augustiniana Fr. Nicolao de Oliva em o anno de 1675. A madureza do juizo acompanhada da solida virtude o habilitaraõ para que a Serenissima Rainha D. Luiza Francisca de Gusmaõ o elegesse por seu Confessor, e confiar da sua judiciosa direçaõ os mais graves negocios da Monarchia, e para testemunhar claramente a estimaçaõ que fazia da sua pessoa se declarou Protectora da nova Reforma, de que elle fora author. Cumulado mais de virtudes, que annos falleceo piamente no Convento de N. Senhora da Conceiçaõ do Monte Olivete Cabeça da Reforma Augustiniana a 25. de Fevereiro de 1682. Jaz sepultado no meyo do Coro com este elegante epitafio.

Sarcophago hoc jacet

V. P. Fr. Emmanuel á Conceptione

Totius magni Parentis familiae splendor

Et hujus almae Congregationis Institutor.

In quem

Contradictionibus supra admirationem constantem

Regiis, &c. Pontificiis protectionibus supra credibilitatem modestum

Adeo unice conspiravere virtutes,

Ut

pro mayoratu decertando omnes

nulla minor extiterit.

Maximo omnium desiderio

Obiit die 25. Februarij anno 1682.

Compoz

Sermaõ nas Festas do Desterro. Lisboa por Joaõ da Costa 1671. e Coimbra  por Joseph Ferreira 1686. 4.

Sermaõ de S. Francisco de Borja no celebre Outavario que fez o Collegio da Companhia de Jesus da Universidade de Evora á Canonizaçaõ do Santo anno de 1672. Lisboa por Joaõ da Costa 1672. 4.

Sermaõ na Festa de todos os Santos prégado no seu dia, e Hospital Real de Lisboa. Lisboa por Domingos Carneiro 1673. 4.

Sermaõ na Festa da Coroa de Espinhos de Christo prégado no Mosteiro de Santa Clara de Lisboa. Lisboa por Joaõ da Costa 1674. 4. e Coimbra por Manoel Rodrigues de Almeida 1686. 4.

Sermaõ da Terça Sexta feira de Quaresma prégado na Sé de Lisboa no anno de 1681. Sahio na Laurea Portugueza desde pag. 245. até 274. Lisboa por Miguel Deslandes 1687. 4.

Sermaõ dos Passos no Convento de Santa Anna de Coimbra. Coimbra por Joseph Ferreira Impressor da Universidade 1689. 4.

Sermaõ nas Exequias annuaes que se custumaõ fazer aos irmaõs defuntos da Charidade prégado na Freguezia da Magdalena de Lisboa. Lisboa por Domingos Carneiro 1685. 4.

Ultimas acçoens da Serenissima Rainha D. Luiza Francisca de Gusmaõ Nossa Senhora. Lisboa por Diogo Soares de Bulhoens 1666. 4. Sahio sem o seu nome.

Obras M. S.

Modello do perfeito Noviço, e regras com que deve ordenar sua vida no anno do Noviciado.

Impulsos amorosos, e resoluçoens de huma alma ferida do Amor de Deos.

Familia dos Pueros Fidalgos Irlandezes.

Estatutos que observaõ as Descalças do Mosteiro de Santo Agostinho de Lisboa. Começaõ por huma Epistola Dedicatoria a Prioressa, e mais religiosas do Mosteiro Real das Descalças de N. P. Santo Agostinho. Saude e eterna felicidade. Com aquelle cuidado que eu pude, e com aquelle trabalho que Deos sabe tratey de ordenar estes Estatutos &c. Constaõ de 30. Capitulos, como vimos. Concedeu-lhe faculdade para os compor o Geral da Ordem Fr. Pedro Lan-franco dada em Veneza a 4. de Agosto de 1663. e foraõ aprovados por Fr. Antonio da Penha de França Vigario Geral da Congregaçaõ dos Erimitas Descalços neste Reyno.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]