ALEXANDRE HERCULANO DE CARVALHO E ARAUJO, Cav. da Ord. de Torre e Espada (ultimamente nomeado Commendador da mesma Ordem por Decreto de… de Abril de 1858), Bibliothecario de Sua Magestade, Deputado ás Côrtes na Legislatura de 1841… Socio da Acad. R. das Sc. de Lisboa, da R. Acad. de Historia de Madrid, e da Acad. R. das Sc. de Turim, Membro do Instituto Hist. de França etc. – N. em Lisboa a 28 de Março de 1810.

Para a sua biographia vejam‑se os artigos que lhe dizem respeito na Revista Peninsular, tomo I pag. 321 e seg. – e no Archivo Pittoresco, num. I pag. 6 e 7, ambos acompanhados do seu retrato. – Tem escripto e publicado até agora:

193) A Voz do Propheta. Ferrol 1836. 8.o gr. de 35 pag. (Julgo que é supposta a indicação do logar, e que a impressão foi feita em Lisboa, talvez na Off. de Galhardo). 2.ª Serie. Lisboa, Typ. Patriotica de Carlos José da Silva e Companhia 1837. 8.o gr. de 32 pag.

Ambas as series d’este opusculo, reimpressas no Porto em 1837, sahiram então anonymas; porém foram‑lhe desde logo universalmente attribuidas. Achando‑se de ha muito exhaustas as duas edições, são difficeis de encontrar á venda exemplares de qualquer d’ellas. Eu os tenho da primeira.

O mesmo opusculo foi tambem reimpresso no Brazil, e sahiu: Rio de Janeiro, na Imp. Imperial e Constitucional de J. Villeneuve 1837. 8.o de 212 pag.

194) A Harpa do Crente: Tentativas poeticas pelo auctor da Voz do Propheta, 1.ª, 2.ª e 3.a series. Lisboa, na Typ. da Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Uteis 1838. 8.o gr. de 120 pag. – No num. XV da Revista Litteraria Hespanhola vem um juizo critico de D. Manuel Canete ácerca do merito d’esta composição, que foi incorporada depois nas Poesias do auctor, como logo se dirá.

195) Da Eschola Polytechnica e do Collegio dos Nobres. Lisboa, na Typ. da Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Uteis 1841. fol. de 19 pag.

Este opusculo é confutação de outro, que anteriormente se publicou na mesma Off. e no mesmo anno, sob o titulo – Analyse do Parecer da Commissão de Instrucção Publica da Camara dos Srs. Deputados sobre o projecto de lei n.° 58‑A.

196) O Monasticon: tomo I. – Eurico o Presbytero. Lisboa, na Typ. da Sociedade Propagadora dos Conhecimentos Uteis 1844. 8.° de VIII‑321 pag. – Ibi, na Imp. Nacional 1847. 8.o de X‑316 pag.; – e em terceira edição, ibi, na mesma Imp. 1854. 8.o

Tomo II. – O Monge de Cister, ou a epocha de D. João I. Lisboa, na Imp. Nacional 1848. vol. I e II. 8.o de XIV‑311 pag., e 380 pag. – V. ácerca d’esta obra o juizo critico e analyse do sr. Rebello da Silva, que vem na Epoca, tomo I pag. 216 a 221.

197) Lendas e Narrativas. Lisboa, na Imp. Nacional 1851. 8.o

O tomo I de X‑306 pag. comprehende: O Alcaide de Santarem – Arrhas por foro de Hespanha – O Castello de Faria – A Abobada.

O tomo II de 327 pag. – A Dama pé de Cabra – O Bispo negro – A morte do Lidador – O Parocho da Aldêa – De Jersey a Granville. Quasi todos estes romances haviam já sido insertos no Panorama, ou na Illustração.

198) Poesias. Lisboa, na Imp. Nacional 1850. 8.o de 326 pag. É dividido em tres livros: 1.º A Harpa do Crente; 2.° Poesias varias; 3.o Versões. Aqui se acham reunidas as composições do auctor até então dispersas por varios jornaes de que fora collaborador, taes como o Panorama, Illustração, Revista Universal, Mosaico, etc., etc., e bem assim o pequeno drama lyrico Os Infantes em Ceuta, que sahira impresso separadamente em 1844. 8.o gr.

199) Historia de Portugal. – Tomo I. Lisboa, na Imp. Nacional 1846. 8.o gr. Contém a introducção e historia até o fim do reinado de D. Affonso I

Foi reimpresso logo no mesmo anno, e novamente em 1853 com a indicação de segunda edição.

Tomo II. Ibi 1847. Contém os reinados de D. Sancho I, D. Affonso II e D. Sancho II. Sahiu em segunda edição, e com alterações importantes, 1854.

Tomo III. Ibi 1849. Tracta do reinado de D. Affonso III, e apresenta o desenvolvimento, ou quadro da historia social da monarchia durante os reinados precedentes. Reimpresso em segunda edição 1858.

Tomo IV. Ibi 1853.

Para dar idéa da acceitação com que foi recebida esta obra, convém notar, que tendo‑se tirado a principio mil e outocentos exemplares do vol. I, e conhecendo‑se para logo que tal numero seria insufficiente para a extracção que se esperava, foi mister ainda antes de concluida a impressão do volume, fazer nova composição, de que se tiraram mais mil exemplares, isto é, dous mil e oitocentos ao todo. A edição exhauriu‑se completamente, e em 1853 se repetiu a impressão de mil e duzentos exemplares, o que dá até agora a totalidade de quatro mil impressos. Cousa rara em Portugal!

200) Eu e o Clero. Carta ao Eminentissimo Cardeal Patriarcha. Lisboa, na Imp. Nacional 1850. 8.o gr. – Ácerca d’este opusculo, e da polemica a que elle deu logar, consulte‑se no presente Diccionario o artigo especial Eu e o Clero, onde se tracta este assumpto mais extensamente, e ahi se notam os demais escriptos do auctor que lhe dizem respeito.

201) Da origem e estabelecimento da Inquisição em Portugal. Lisboa, Imp. Nacional 1854. 8.o Tomo I de XV‑286 pag. Tomo II. Ibi 1855. 8.o de 343 pag. – Ácerca das causas que retardaram durante muito tempo a conclusão d’este trabalho, e a continuação da Historia de Portugal, veja‑se o que diz o auctor a pag. VI do opusculo A Reacção Ultramontana, que vai mencionado adiante. – Na Missão Portugueza, jornal religioso, numeros 38, 40 e 46, sahiram alguns artigos critico‑analyticos, relativos a esta composição, assignados com as iniciaes M. de J. – V. tambem a Revista Peninsular tomo I a pag. 274.

202) Da Propriedade litteraria e da recente Convenção com França. Carta ao sr. Visconde de Almeida Garrett. Lisboa, na Imp. Nacional 1851. 8.o gr. de 34 pag.

203) A Reacção ultramontana em Portugal, ou a Concordata de 21 de Fevereiro. Lisboa, na Typ. de José Baptista Morando 1857. 8.o gr. de XI‑56 pag.

Alem d’estas composições, publicou e illustrou com prefações e notas os seguintes ineditos: Chronica d’Elrei D. Sebastião por Fr. Bernardo da Cruz. (V. Fr. Bernardo da Cruz.) – Annaes d’Elrei D. João III por Fr. Luis de Sousa, conforme o ms. autographo existente na Bibl. Real. (V. Fr. Luis de Sousa.)

Tambem se lhe attribue com bom fundamento um trecho, que com o titulo – Da Arte, fragmentos – tendo no fim a assignatura A’paideutos, appareceu no Jornal do Conservatorio num. IV, Lisboa 1839, que provocou uma censura ou contestação, publicada no num. VI do mesmo jornal, e com o mesmo titulo, assignada por – Um Defensor de Horacio – que se diz ser o falecido conselheiro Antonio José Maria Campello.

Estou bem certo de que a muitos leitores d’este Diccionario aprazeria encontrarem aqui a resenha circumstanciada de tantos e tão variados artigos de toda a especie, que da fecundissima penna do sr. Herculano tem sahido para illustrar as columnas da quasi totalidade das collecções periodicas de algum vulto, não só litterarias, mas ainda politicas, publicadas em Portugal no periodo dos ultimos vinte annos decorridos. Mas para os satisfazer n’esta parte cumpria ter presentes e percorrer com miudeza (afora o Panorama, de cuja principal redacção o dito senhor se encarregou, como é sabido, desde a fundação do jornal até 1843) o Diario do Governo, por elle redigido durante alguns mezes de 1837; a Revista Universal Lisbonense; a Illustração; a Revista Academica de Coimbra; a Semana; o Paiz, jornal politico de que foi um dos fundadores em 1851; o Portuguez dos annos de 1853 e seguintes; as Memorias do Conservatorio; a Revista Peninsular; os Annaes das Sciencias e Letras; as Memorias da Academia Real das Sciencias, o Jornal do Commercio, onde acaba n’este momento de publicar uma extensa e notavel carta politica no num. 1399, etc. – A enumeração particular de todas estas especies requeria porém mais demoradas e trabalhosas investigações, e constituiria por si só uma bibliographia peculiar, que terá talvez de formar um dos supplementos do Diccionario.

Da importante publicação dos Monumentos Historicos de Portugal dou conta em artigo proprio, no corpo do mesmo Diccionario.

 

[Diccionario bibliographico portuguez, tomo 1]