D. AGOSTINHO MANUEL DE VASCONCELLOS, Cav. da Ord. de Christo, e de familia nobilissima. N. em Evora em 1584, e depois de ter sido (como diz Barbosa) grande venerador da Casa de Bragança, cujos direitos ao throno de Portugal sustentou de viva voz e por escripto, veiu a morrer degolado na praça do Rocio de Lisboa a 29 de Agosto de 1641, contando de edade 57 annos, convencido de conspirador contra a pessoa e governo d’elrei D. João IV. Posto que as suas obras impressas são todas na lingua castelhana, têem ellas relação tão immediata com as cousas de Portugal, e merecem ainda tal condeito, que não poderiam ser expungidas d’este Diccionario sem flagrante injustiça. – E.

87) Vida de Don Duarte de Menezes, tercero Conde de Viana, y successos notables de Portugal en su tiempo. Lisboa, por Pedro Craesbeeck 1627. 4.º de 167 folhas numeradas só na frente. – Não são vulgares os exemplares d’este livro, e os que apparecem têem corrido pelo preço de 400 a 600 réis.

88) Succession del sñr. Rey Don Filippe el segundo en la Corona de Portugal. Madrid por Pedro Tasso 1639. 8.o – Mais rara que a antecedente, e d’ella só tenho visto dous ou tres exemplares.

89) Vida y acciones delrey Don Juan el II, decimo tercero Rey de Portugal. Madrid, por Maria de Quiñones 1629. 4.º – Foi traduzida em francez, e sahiu: París 1641. 8.o A edição original é estimada: seu preço porém não excede de 480, e o maximo 600 réis.

90) Manifesto na acclamação delrei D. João IV – Lisboa, por Manuel da Silva 1641. fol. – É tambem escripto em hespanhol, e começa: «No ay cosa entre los mortales, etc.

Um critico do seculo passado, falando das obras historicas de D. Agostinho Manuel, disse que este se mostrara mais politico que exacto. Entretanto creio que ninguem poderá contestar‑lhe juizo, erudição e bom estylo: e se tivesse preferido a lingua materna para as suas composições, de certo seria contado entre os auctores classicos da sua edade. (V. Antonio Manuel de Vasconcellos.)

 

[Diccionario bibliographico portuguez, tomo 1]