P. MANOEL MASCARENHAS, natural de Lisboa, e filho dos Marquezes de Montalvaõ D. Jorge Mascarenhas, e D. Francisca de Vilhena. Com heroica resoluçaõ deixou as esperanças que lhe promettia o esplendor do seu nascimento pela roupeta da Companhia de Jesus, que vestio em o Noviciado de Coimbra a 20. de Fevereiro de 1619. quando contava a tenra idade de quinze annos. Havendo ensinado letras humanas, e Theologia Moral por outo annos naõ continuou as Cadeiras por falta de saude, e naõ de talento. Foy Reitor do Seminario dos Irlandezes em Lisboa, e companheiro do Provincial. Tolerou com admiravel constancia ser duas vezes prezo innocentemente, huma por Filippe IV. e outra por D. Joaõ IV. fazendo-se suspeitosa a sua fidelidade a estes Soberanos por causa de seus parentes. A hum cordial amigo que o consolava neste infortunio lhe respondeo Facere, pati, &mori. Sendo desterrado para o Collegio de Braga lhe rebentou huma postema que em seis horas o privou da vida. Neste breve tempo recebeo o Sagrado Viatico em cuja divina presença protestou que nunca fora reo de culpa pela qual merecesse com discredito da sua pessoa, e do seu habito ser duas vezes prezo. Recebida a Extrema-Unçaõ passou de caduco a eterno a 28. de Novembro de 1654. quando contava 47. annos de idade, e 32. de Religiaõ. Delle se lembraõ honorificamente Bib. Societ. pag. 191. col. 1. Nicol. Ant. Bib. Hisp. Tom. p. 269. Joan. Soar. e Brito Theat. Lusit. Litter. lit. E. n. 54. Petr. de Alva y Astorg. Milit. Concep. D. Franc. Manoel na Carta 1. da Cent. 4. das suas Cartas. Franco Imag. Da Virt. em o Nov. de Coimb. Tom. 2. p. 623. e 629. Compoz

De Sacramentis in genere, Baptismo, Confirmatione, Eucharistia nec non & Sacrificio Missae. Lugduni 1656. fol.

Carta escrita a sua Avó D. Maria Manoel em a Casa do Noviciado de Lisboa a 2 de Dezembro de 1619. Sahio impressa no 2. Tom. da Imag. da Virtud. Assima allegado pag. 629. e 630.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]