D. AFFONSO, primeiro Marquez de Valença assim no Titulo, como na dignidade, que houve em Portugal, nasceo em Lisboa, e foy filho primogénito de Dom Affonso, nono Conde de Barcellos, e primeiro Duque de Bragança, e de D. Brites Pereira de Alvim, filha do famoso Heroe D. Nuno Alvares Pereira, Condestavel de Portugal, cujos Augustos desposórios se celebraraõ em 8 de Novembro de 1401. Ao esplendor do nascimento correspondeo a perspicácia do juízo, admirando-se já na tenra idade o talento, com que se fez venerado na adulta. Depois de cultivar aquelles estudos próprios da sua alta qualidade, se fez mais insigne no exercício das virtudes moraes, e politicas, pelas quaes mereceo a estimação dos Principes do seu tempo. Resoluto seu Tio ElRey D. Duarte em mandar hum Embaxador ao Concilio de Basilea, que se tinha congregado para pacificar as largas discórdias entre a Igreja Grega, e Latina, que epoisfoy transferido por Eugenio IV para Ferrara, o nomeou a elle, confiando da sua profunda capacidade, que felizmente desempenharia as obrigações do seu ministério. Acompanhado de D. Antaõ Martins, Bispo do Porto, dos Doutores Vasco Fernandes de Lucena, Diogo Affonso Manga ancha, de Fr. Joaõ Thomé, Eremita de S. Agostinho, e Fr. João Gil, da Religiaõ Serafica, partio de Lisboa a 21 de janeiro de 1435 e chegando a Bolonha a 24 de julho do mesmo anno, foy recebido pelo Papa com inexplicáveis significações de paternal benevolência. Recitou a Oração obediencial o Doutor Vasco Fernandes de Lucena na presença do Summo Pastor, e do Collegio Cardinalicio, sendo universalmente aplaudida pelas elegantes expressoens, com que declarava a profunda submissão do nosso Principe ao verdadeiro Sucessor de S. Pedro, cuja Barca fluctuava naquele tempo com hum abominável Scisma. Concluido o Concilio partio de Florença D. Affonso, e movido da suma piedade, de que era ornado, foy visitar os Lugares da Palestina, que o Redemptor do mundo santificara com o seu Sangue, donde se restotuhio ao Reyno. Segunda vez o deixou para acompanhar sua Prima a Infanta D. Leonor, quando se foy despojar com a Magestade Cesarea de Federico III partindo de Lisboa em 20 de Outubro de 1451 por General da Armada, que a conduzio a Liorne. Desta Cidade caminhou até Sena, onde arrebatou as atenções de todos a numerosa, e magnifica comitiva, co que hia cortejando a Infanta, a qual chegando a Roma foy coroada juntamente com seu esposo pelo Pontifice Nicolao V. Acabada esta solemne ceremonia o Emperador para manifesto argumento da estimação, que fizera de D. Affonso Conductor de sua Augusta Esposa, o armou Cavalleiro, de cuja honra para ser mais estimável fez companheiro a seu Irmão Alberto, Archiduque de Austria. Para eterno testemunho da sua piedade para com Deos, fundou no anno de 1445 a insigne Collegiada de Ourem, consignando-lhe copiosas rendas para sustentação das Dignidades, e Conegos, de que se compõem. Cheyo mais de merecimentos, que de anos, morreo na Villa de Thomar a 29 de Agosto de 1460 donde foy transladado no anno de 1487 para a Collegiada de Ourem, e na Capella de baxo do Coro jaz sepultado em hum soberbo Mausoleo, no qual esta gravado o seguinte epitafio.

Aqui jaz o Illustre Principe D. Affonso, Marquez de Valença, Conde de Ourem, primogénito de D. Affonso, Duque de Bragança, e Conde de Barcellos, e neto delRey D. João de gloriosa memoria, e do virtuoso, e de grandes virtudes D. Nuno Alvares Pereira, Condestavel de Portugal. Faleceo em vida de seu Pay, antes de lhe dar a dita herança, de que era herdeiro, o qual foy fundador desta Igreka, em que jaz, cuja fama, e feitos hoje este dia florecem. Finouse a 29 de Agosto do anno do Nascimento de N. Senhor Jesu Christo de 1460 annos.

Celebraõ a sua memoria Brandão Mon. Lusit. part. 3, livr. 10, cap. 15. Leão Chron. Del Rey D. Duarte cap. 4 e 5. Faria, e Sousa Europ. Port. Tom 2, part. 3, cap. 2 num 8. Cunha Catal. dos Bisp. Do Port. Part. 2, cap. 28. Sylva Cathal. Real de Espanha fol 91. Coelho Chron. Da Ord. Do Carm. Liv. 1, cap. 20 chamando-lhe Pessoa de muita prudencia. Moreir. Theat. Hist. E Gen. Da Cas. De Sous. pag. 533. Guerreir. Coroa de esforçad. Caval. Part. 1, cap. 8. Esperanç. Histor. Seraf. Da Provinc. De Port. Part. 2, liv. 12, cap. 4 n 3. Carvalh. Corog. Portug. Tom 3. Trat. 5, cap. 1. Maced. Lusit. Infulat. P. 159. Neufuil. Hist. de Portug. Tom 1, pag. 400. Lima Geog. Hist. de Port. Tom 2, pag. 202. Leitaõ Trat. Analyt. Apolog. Pag. 955. Franc. Leit. Not. Chronol. Da Univ. de Coimbr. Pag. 351. Sousa Hist. Gen. da Cas. Real de Port. Tom 2, liv. 3, cap. 9.

Compoz.

Itenerario ao Concilio de Basilea no anno de 1435 o qual se conserva na Serenissima Casa de Bragança, como afirma Jorge Cardos. Agiol. Lusit. tom 1, pag. 491, col. 1 no Coment. De 21 de Fevereir. Letr. A.

 

[Bibliotheca Lusitana, Historica, Critica e Chronologica, vol. 1]