MANOEL DE SOUSA, Alcaide mór de Arronches, em cuja Casa sucedeo, quando o Serenissimo Rey D. Manoel contava o Vigessimo segundo anno de seu Reinado. Foraõ seus Progenitores André de Sousa, Alcaide mór de Arronches, e Dona Maria Manoel, filha de Manoel de Mello, Alcaide mór de Tavira, e Olivença, e D. Beatriz da Sylva, filha de Ruy da Sylva Camareiro mór delRey D. Joaõ II. Estudou na Universidade de Lisboa a lingoa Latina, como baze fundamental de toda a erudiçaõ sagrada, e profana, e depois a Filosofia, e Mathematica, em cujas faculdades sahio taõ eminente, como era perito nas investigaçoens das antiguidades da nossa Lusitania merecendo que fosse consultado pelo mayor oraculo dellas o insigne André de Rezende por huma carta de que faz mençaõ no lib. 1. de Antiq. Lusit. pag. 42. ácerca das Serras da Estrella, e do Maraõ situada aquella entre a Provincia Transmontana, e Interamnense, e esta entre as Provincias da Beira, e Alentejo, as quaes intitularaõ os Geografos antigos Montes Herminios. A authoridade da sua pessoa unida com prudencia grave, animo constante, e entendimento claro o constituiraõ hum dos mais famosos Heroes da sua idade por cujos dotes era sempre ouvido com summa attençaõ do seu Soberano nas materias concernentes ao credito, e conservaçaõ da Monarchia, como claramente se mostrou quando com fiel liberdade, e zelo heroico interpoz o seu parecer sendo preguntado por ElRey D. Joaõ III. se seria util á reputaçaõ das nossas armas abandonar as Praças de Azamor, e Zafim conquistada esta por Diogo de Azambuja no anno de 1507, e aquella por Dom Jaime quarto Duque de Bragança em 1513. Acompanhou com magnifico aparato até a raya que devide a Portugal de Castella, a Princeza D. Maria, quando em anno de 1543 se foy desposar com o Principe D. Filippe, filho do Emperador Carlos V. Foy casado com D. Izabel de Paiva, filha de D. Alvaro da Costa Camereiro mór, e Armador mór delRey D. Manoel, e seu Embaixador a Castella, e de D. Beatriz de Paiva, filha de D. Geleanes Cavalleiro Fidalgo da Casa Real de quem teve a André de Sousa successor da Casa, que casou em vida de seu Pay, com D. Izabel de Menezes filha de D. Francisco Lobo do Conselho de D. Joaõ. III., e seu Embaixador extraordinario a Carlos V. de cujo matrimonio naceo Manoel de Sousa, que morreo na flor da idade: Alvaro Dias de Sousa, que no Oriente acabou valerosamente a vida: D. Beatriz de Vilhena, que casou com Fernaõ da Sylva Commendador de Alpalhaõ, e Capitaõ da Terra de Bellem, neto de Joaõ da Sylva Senhor dos Morgados da Chamusca, e Ulme, e Pay de Ruy Gomes da Sylva Duque de Pastrana, e Principe de Eboli, de quem teve sucessaõ: D. Antonia da Sylva que falleceo donzella com opiniaõ de Santidade. Passou Manoel de Sousa a segundas vodas com Dona Beatriz de Menezes, filha primeira de D. Luiz de Menezes Alferes mór delRey D. Manoel, e D. Joaõ III. da qual naõ deixou sucessaõ. Falleceo na Villa de Arronches no anno de 1550. Foy sepultado no Convento dos Erimitas de Santo Agostinho, donde tresladou as suas illustres cinzas seu bisneto Diogo Lopes de Sousa segundo Conde de Miranda para o magnifico mausoleo da Capella de S. Miguel situada no Real Convento da Batalha para o qual tinha o mesmo Manoel de Sousa transferido o corpo de seu Pay André de Sousa. Faz delle larga, e elegante memoria o discretissimo Manoel de Sousa Moreira no Theatr. Gen. de la gran. Cas. de Sousa. p. 657. Compoz

Parecer acerca de se abandonarem as Praças de Azamor, e Zafim. Escrito na Villa de Arronches no primeiro de Janeiro de 1535 Começa. Senhor. Simaõ de Seixas me deu huma carta de V. A. Sahio impresso no Theatr. Genealog. Assima allegado a pag. 663. até 670.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]