MATHEOS DA COSTA BARROS. Naceo em Lisboa a 21 de Setembro 1693, sendo filho de Joaõ da Costa Rousado, e de Mariana Jozefa, e irmaõ do P. Fr. Antonio Rousado Erimita Augustiniano, de quem se fez memoria em seu lugar. Ainda que na primeira idade naõ se aplicou muito aos estudos, emendou este defeito na mais provecta consumindo a mayor parte do tempo na liçaõ dos Poetas, Santos Padres, e Sagrados Expositores, de cuja laboriosa aplicaçaõ colheu abundante fructo. Casou no anno de 1722, com D. Francisca da Fonseca Coutinho e Aguinaga, filha legitimada de Antonio de Sousa Coutinho, e de Maria da Sylva de Figueiredo, de quem teve a Antonio de Sousa Coutinho sucessor dos Morgados de sinco Outeiros, e de S. Pedro da Arrifana. Falleceo na Villa da Castanheira em 18 de Agosto de 1746, quando contava 53 annos de idade. Jaz sepultado com sua mulher na Igreja de S. Bartholomeu da dita Villa. Compoz

Discurso Apologetico, e Critico em defensa da Ave Feniz, da sua existencia, criaçaõ, e metamorfose contra o Propugnaculo das Asturias o R. Fr. Bento Jeronymo Fejóo, e seu amado socio Francisco Jozé de Torres, e em parte contra o R. P. Doutor, Fr. Bernardino de S. Rosa no seu Theatro do mundo Universal, e defensor Luiz Caetano dos Serafins. Lisboa por Miguel Rodrigues 1745. 4.

Novissimo Comento Apologetico ao Poema das Lusiadas de Luiz de Camoens. fol. 3. Tomos. M. S. Delles examiney o segundo por ordem do Desembargo do Paço em 16 de Novembro de 1750.

Poesias Portuguezas, e Castelhanas. 4. Conservaõ-se em poder de seu filho.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]