MIGUEL LEITAM DE ANDRADE, Comendador da Ordem Militar de Christo, naceo ern a Villa do Pedrogaõ do Bispado de Coimbra em o anno de 1555, sendo decimo, e ultimo filho de Belchior de Andrade, filho de Pedro de Andrade, Alcaide mór de Penamacor, e de Catherina Leitoa de igual nobreza á de seu Conforte. Aprendeo os primeiros rudimentos da Gramatica Portugueza, e Latina com os Religiosos da Ordem dos Prégadores, que habitavaõ no Convento de Nossa Senhora da Luz da sua patria, e partindo com seu irmaõ Fr. Joaõ de Andrade Monge Cisterciense, quando contava a idade de 13 annos sendo já defunto seu Pay, á Universidade de Salamanca para estudar as Sciencias severas voltou para a de Coimbra, onde se aplicou á sciencia dos sagrados Canones. Ouvindo que se alistava gente para a infeliz jornada de Africa preferio a escola de Marte á de Minerva, e passando a Lisboa com alguns parentes, e amigos se embarcou a 24 de Junho de 1578 na Armada que felizmente chegou a Arzilla. Depois de obrar acçoens dignas do seu nacimento em o fatal dia de 4 de Agosto em que agonizou a gloria Portugueza salvando a vida perdeo a liberdade. Conduzido com outros cativos para a Cidade de Féz, padeceo com animo imperturbavel molestias, e affrontas, e como confiderasse ser impossivel o seu resgate pelo excessivo preço de doze mil cruzados, em que o tinha cortado o barbaro, de quem era escravo, fugio clandestinamente com evidente perigo da vida, até que vencidas muitas difficuldades chegou a Melilla, donde navegando até Malaga se restituhio a Portugal. Naõ usou de menor industria, quando evadio da prizaõ em que estava recluso por ordem de Manoel da Sylva Fronteiro mór de Santarem pela culpa de ser sequaz do Senhor D. Antonio, de cuja casa era Fidalgo, quando pretendia a Coroa de seus soberanos Avós. Foy casado com sua parente Brites de Andrade, filha de Luiz Alter de Andrade Capitaõ da Nao Santa Clara, que indo para a India se perdeo na Costa do Brasil, da qual naõ teve sucessaõ. Falleceo em Lisboa em idade muito provecta, pois em o anno de 1629, contava 75 annos como consta do seu Retrato, que está na Miscellanea, impressa neste anno, e a pag. 61. do dito livro. Foy transferido o seu cadaver ao Convento de N. S. da Luz do Pedrogaõ para a sepultura onde jazia com seu Pay com o seguinte epitafio.

Aqui jaz Belchior de Andrada

Que em dia de Reys passou,

E em tal naceo, e casou,

Aqui seu pó, e ossada,

Que a alma onde a ordenou.

Falleceo no anno de 1568.

Teve genio para a Poezia vulgar como se colhe das muitas obras poeticas, de que está cheya a seguinte obra que publicou com este titulo

Miscellanea do sitio de N. S. da Luz do Pedrogaõ grande aparecimento da sua Santa Imagem, Fundaçaõ do seu Convento, e da Sé Lisboa, expugnaçaõ della. Perda delRey D. Sebastiaõ. E que seja nobreza, Senhor, Senhora, Vassallo delRey, Rico-homem, Infançaõ, Corte, Cortezia, Misura Reverencia, e tirar o chapeo, e prodigios com muitas curiosidades, e Poesias diversas. Lisboa por Matheos Pinheiro 1629. 4.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]