PANTALIAM DE SIABRA DE SOUSA, Cavalleiro professo da Ordem de Christo, natural da Cidade do Porto, filho de Francisco de Siabra e Sousa Cidadaõ do Porto, e de D. Isabel de Figueiroa, e irmaõ de Manoel de Siabra Deaõ da Capella Real, e depois Bispo de Ceuta, Tangere, e Miranda. O juizo penetrante, e a comprehensaõ sublime de que o ornou beneficamente a natureza lhe facilitaraõ a intelligencia das letras humanas, lingoa Latina, e Poetica como tambem a vasta instruçaõ da Historia Ecclesiastica, e Secular contribuindo com importantes noticias para as Historias das Igrejas do Porto, Braga que compoz o Illustrissimo D. Rodrigo da Cunha que dignamente ocupou estas duas Mitras. Teve particular genio para a Poesia Latina, como em seu aplauso escreve Joaõ Soar. de Brito Theatr. Lusit. Litter. lit. P. n. 2. Vir magni ingenii, atque ad Latinas Musas propensi. Deixou escrito.

Carminum liber. 4. M. S. Este tomo vio o Desembargador Christovaõ Alaõ de Moraes, de quem se fez em seu lugar distincta memoria, e o louva com grandes Elogios.

Poema Latino, que consta de 45 dysticos em louvor do Cathalogo dos Bispos do Porto composto pelo Çeu  llustrissimo Prelado D. Rodrigo daCunha, e sahio ao principio desta obra. Lisboa por Joaõ Rodrigues 1623. fol.

Dous Epigrammas em louvor das Allegaçoens de Thomé Vaz.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]