PEDRO DE MARIZ, natural da Cidade de Coimbra, e filho de Antonio de Mariz Impressor em a mesma Cidade. Foy Presbitero, e Bacharel formado nos sagrados Canones, Guarda mór da Livraria da Universidade da sua patria, Corrector da sua Impressaõ, e Provedor perpetuo do Hospital da Villa da Castanheira. Teve vasta instruçaõ da Historia secular principalmente de Portugal, e dos preceitos da Poesia por cujos dotes mereceo os elogios de diversos Escritores intitulando-o Luiz de Bavia Histor. Pontif. Part. 3. cap. 26. Historiador doctissimo de nuestros tiempos. Joan. Soar. de Brito Theatr. Lusit. Litter. lit. P. n. 41. Vir ingenii amaenissimi. Valdeceb. Templ. da Fam. artic. 21. Maced. Flor. de Espan. cap. 8. excel. 9. Nicol. Ant. Bib. Hisp. Tom. 2. pag. 171. col. 2. Francken. Bib. Hisp. Gen. Herald. pag. 344. Leitaõ Notic. Chron. da Univ. de Coimb. pag. 456. §. 974. Jacinto Cordeiro Elog. de Poet. Lusit. Estanc. 44.

De llorar a Mariz ya mas se alexa

Augmentando a la voz fatal estrago

Si adocto estilo por estilos dexa

Del ingenio la copia en breve amago:

Tanto Coimbra com dolor se quexa

Como por Anibal llorò Carthago:

Que honrò talvez su patria em larga suma

A falta de la espada heroica pluma.

Entre as obras que produzio o seu engenho mereceo a primazia assim no tempo, como no estudo Dialogos de varia Historia, em que summariamente se referem muitas cousas antigas de Hespanha, e todas as mais notaveis que em Portugal aconteceraõ em suas gloriosas conquistas, antes, e depois de ser levantado a dignidade Real, e outras muitas de outros Reinos dignas de memoria com os Retratos de todos os Reys de Portugal. Coimbra por Antonio de Mariz 1594. 8. Dedicado pelo Author em 15 de Outubro deste presente anno ao Bispo Capellaõ mór D. Jorge de  Almeida do Conselho de Estado, Presidente da Mesa da Conciencia, e Comendatario do Mosteiro de Alcobaça. Foy o primeiro que publicou com as vidas dos Reys os seus Retratos, que depois imitaraõ o P. Antonio de Vasconcellos Anacephal. Reg.  Portug. D. Joaõ de Caramuel Philippus Prudens. e Manoel de Faria e Sousa Europa Portugueza. Para este fim aplicou Pedro de Mariz grande disvelo, como confessa no Prologo dizendo: Se em os Retratos acharem alguns na fórma differentes, dos que ordinariamente se estimaõ, naõ serey vituperado: antes com razaõ espero agradecimento pelas muitas diligencias, que fiz em sepulturas, e particulares Retratos escolhendo os mais perfeitos que minha industria pode alcançar. Sahio segunda vez. Coimbra pelo dito Antonio de Mariz 1597. Sahio terceira vez com grande additamento Lisboa por Antonio Crasbeeck de Mello 1674. 4.

Vida de Luiz de Camoens. Sahio no principio do Comento ás Lusiadas deste Principe dos Poetas composto pelo Doutor Manoel Correa. Lisboa por Pedro Crasbeeck. 1613. 4.

Historia do B. Fr. Joaõ de Sahagum: invençaõ, e maravilhas do Santo Christo de Burgos, e da paixaõ da Imagem de Christo feita por Nicodemos. Lisboa por Antonio Alvares 1609. 4. No fim. Relaçaõ das Festas que se fizeraõ com que foy recebida em Lisboa a reliquia do braço de S. Joaõ de Sahagum a 11 de Fevereiro de 1604.

Historia admiravel do Santissimo Milagre de Santarem, que aconteceo na Igreja Parochial do Prothomartyr Santo Estevaõ em o Santissimo Sacramento do Altar, cujas reliquias milagrosas se conservaõ nella há 345. annos com muitas circunstancias maravilhosas. Com o retrato, e relaçaõ da imagem do S. Crucifixo que na mesma Villa está, e mais os famosos milagres, que as historias notaõ, e moveraõ ao Papa Urbano a instituir a Festa de Corpus Christi, e outras muitas do mesmo argumento. Lisboa por Pedro Crasbeeck 1612. 4. Promete a fol. 52. vers. escrever dos Milagres do Santissimo Sacramento.

Chronica delRey D. Sebastiaõ. M. S. Manoel de Faria e Sousa nas Advert. Á Asia Portug. Tom. 1. affirma que lha participou o Doutor Joaõ Salgado de Araujo Abbade de Pera.

Historia da Vida, Milagres, e Canonizaçaõ de S. Jacinto fol. M. S. Conserva-se na Livraria do Illustrissimo e Excellentissimo Duque de Lafoens que foy do Eminentissimo Cardeal de Sousa.

Explicaçaõ da Bulla da Cruzada 2. Tom. fol. A esta obra, que era muito douta fez a dedicatoria a D. Antonio Mascarenhas Comissario geral da Bulla da Cruzada, Joaõ Franco Barreto como elle escreve na sua Bib. Portug. M. S., o qual entregando estes volumes a Domingos Fernandes Livreiro para os imprimir, com a jornada que fez a Pariz no anno de 1648 com o Embaixador Francisco de Mello Monteiro mór do Reino, naõ soube o fim que tiveraõ.

Vida, e feitos de André Furtado de Mendonça. fol. M. S. cuja obra naõ acabou impedido pela morte.

 

 [Bibliotheca Lusitana, vol. III]