D. Adelina Teixeira Mendes – Filha de José Teixeira Mendes e de dona Antonia Teixeira Mendes, natural do Maranhão, joven, solteira, vive em companhia de um irmão que é bacharel em direito e exerce um lugar de juiz municipal nos sertões do Piauhy. É poetiza e tendo perdido quasi ao mesmo tempo o autor de seus dias e outro irmão, tambem formado em direito, seus versos se resentem da magoa e melancolia que lhe infiltraram n’alma dous golpes tão profundos.

De suas composições não existe collecção impressa; apenas tem publicado algumas em periodicos; e as que tenho à vista nem posso dizer onde se publicaram, porque foram-me enviadas por pessoa de sua família, cortadas de taes periodicos. São de folhas do Piauhy as seguintes:

Desalento: À minha prezada amiga dona Maria Amelia Rosa.

– Sat!daeles : À minha prezadissima madrinha … dona Maria José Vaz Mendes.

Uma prece sobre o túmulo de meu idolatrado irmão o doutor Bolivar Teixeira Mendes: soneto.

– À beira·mar: À minha prezadissima amiga dona Raymunda Ribeiro Soares – Nesta poesia, depois de descrever o mar quando  tempestuoso e quando em bonança, lembra sua dor e assim se exprime:

 

E tu, oh meiga virgem que amo tanto!

Quem sabe si n’ ess’ hora de tristeza,

Fitando como eu o firmamento,

Não te rola dos olhos uma lagrima,

Filtrada pela dor, pela saudade ? !

Oh! chora, anjo do céo, chora comigo,

E manda-me no zephiro saudoso

Um só dos beijos de teus labios puros

Que bem de manso me bafeje a fronte.

…………………………………….

Foi n’ ess’ hora de dor e de amargura …

Carpindo a perda de um irmão querido,

Cansada adormeci ….

Sentia me fugir o alento e a vida,

Encontrei-te em meu peito adormecida,

Despertei e vivi.

……………………………………

 

[Augusto Victorino Alves Sacramento Blake, Diccionario Bibliografico Brazileiro, vol. 1]