SEBASTIAÕ PACHECO VARELLA, natural da Villa de Aveiro do Bispado de Coimbra Cavalleiro professo da Ordem militar de Christo, onde teve por Progenitores a Manoel Varella Capitaõ de Cavallos, e Mestre de Campo, e a D. Barbara Pereira de igual nobreza á de seu consorte. A natureza o dotou prodigamente de todos os dotes que constituem hum varaõ perfeitamente sabio, pois teve memoria taõ monstruosa que sendo de dez annos escrevia sem faltar huma palavra o Sermaõ que ouvira. A comprehensaõ foy taõ perspicaz que sem Mestre sahio consumadamente perito nas sciencias escolasticas, em ambas as Jurisprudencias, em Musica, e Arithmetica estando prompto para responder a todas as duvidas que lhe propuzessem em qualquer daquellas Artes, e Sciencias. Teve profunda intelligencia das lingoas Latina, Franceza, Italiana, e Espanhola, como tambem da Poetica compondo com afluencia todo o genero de metros. Examinado pelos Mestres da Universidade de Coimbra para receber ordens sacras affirmaraõ, que elle os podia examinar. No ministerio do pulpito desempenhou as obrigaçoens de Orador Evangelico correspondendo a profundidade dos discursos á valentia das acçoens. Avisado pela formidavel voz de hum rayo que cahio a seus pés, mudou com tal excesso a vida que retirado do comercio humano se dedicou totalmente a Deos mortificando taõ asperamente o corpo, que comia huma só vez no dia, de cuja abstinencia se reduzio a tal attenuaçaõ que lhe abreviou a vida merecedora de ser mais prolongada, fallecendo a 8 de Março de 1706, quando contava a florente idade de 35 annos. Jaz sepultado no Convento dos Capuchos da sua patria.

Compoz

Sermaõ da Serafica Madre Santa Tereza na manhã da sua Festa na Igreja dos seus Religiosos da Villa de Aveiro em o anno de 1700. Coimbra por Joaõ Antunes 1701. 4.

Sermaõ da Serafica Madre S. Tereza na tarde da sua Festa na Igreja das suas Religiosas da Villa de Aveiro em o anno de 1700. ibi pelo dito Impressor, e no mesmo anno. 4.

Numero Vocal, exemplar Catholico, e Politico proposto no mayor entre os Santos o glorioso S. Joaõ Bautista para imitaçaõ do mayor entre os Principes o Serenissimo D. Joaõ V. nosso Senhor. Lisboa por Manoel Lopes Ferreira 1702. 4.

Sermaõ da Bemaventurada Santa Joanna Princeza de Portugal, e Senhora de Aveiro no religiosissimo Mosteiro da mesma Villa em que viveo, e morreo na ultima tarde do seu Triduo dia proprio da sua Festa 12 de Mayo de 1701. Lisboa por Manoel Lopes Ferreira 1702. 4.

Passatempo de moços, e licita recreaçaõ. M. S.

Era huma Novela escrita com elegancia, e ornada de diversas Poezias.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]