Fr. SIMAÕ ANTONIO DE SANTA CATERINA, chamado no seculo Simaõ Lopes, naceo em Lisboa, sendo filho de Thomé Lopes, e Magdalena do Espirito Santo. Em idade adulta abraçou o instituto do Doutor Maximo S. Jeronymo no real Convento de Santa Maria de Belem professando solemnemente a 3 de Junho de 1696. Aplicou-se ao estudo da Musica, assim practica, como especulativa em que sahio eminente compondo armonicamente conforme os preceitos da Arte, e tocando destramente os instrumentos de Viola, e Orgaõ. Teve natural genio para a Poesia jocosa como testemunhaõ os seus Versos pelos quaes se fez acredor dos aplausos de tres Academias. Annonyma, Portugueza, e Escholastica de que foy alumno aclamando-o por incomparavel naquelle estylo o qual sempre conservou na conversaçaõ que sendo jovial nunca era pueril. A mayor parte da sua vida gastou recolhido na Cella, ou lendo, ou tresladando, de cuja continua aplicaçaõ formou huma grande copia de livros, que parte delles se conservaõ na Livraria do real Convento de Belem, onde falleceo a 16 de Mayo de 1733 a tempo que era Lente de Theologia Moral no mesmo Convento.

Publicou

Luz de Verdades Catholicas, e explicaçaõ da doutrina Christaã, que segundo o custume da Casa professa da Companhia de Jesus de Mexico todas as Quintas feiras do anno tem explicado na sua Igreja o Padre Joaõ Martim de la Parra. Primeira Parte. Lisboa na Officina da Musica 1722. 4.

Segunda Parte. ibi na mesma Officina 1723. 4.

Terceira Parte. ibi 1727. 4.

Quarta Parte. ibi 1728. 4.

He traduçaõ de Castelhano em Portuguez.

Oraçoens Academicas recitadas nas tres Academias, onde foy Academico. Lisboa na Officina da Musica 1728. 8. Neste Tomo estaõ muitos versos de diversos metros do mesmo Author.

Rimas Sonoras 2. Parte das obras Academicas. Lisboa na Officina Augustiniana 1731. 8. Sahio com o affectado nome de Simaõ Antunes Freire.

Sermaõ da Sepultura, ou Descendimento prégado no real Convento de Santa Maria de Belem. Lisboa na Officina da Musica 1728.

Descripçaõ da Ponte em Belem na entrada da Serenissima Princeza dos Brazis D. Mariana Victoria. Lisboa na Officina da Musica. 1729. 4.

He huma Sylva muito larga. Sahio sem o nome do Author.

Beijamaõ ao Duque Estrribeiro mór pela açaõ de lhe trazer o livro que compoz. ibi na dita Impressaõ 1731 . 8. Consta de hum largo Romance com hum Soneto. Sahio com o affectado nome de Fr. Joaõ Antonio de Santa Quiteria.

Cythara Sagrada. Novena de S. Jeronymo. ibi na Officina 1727. 8.

Relaçaõ Metrica das solemnissimas festas com que os Religiosos Carmelitas de Lisboa Occidental celebraraõ a Canonizaçaõ de S. Joaõ da Cruz em Setembro do anno de 1727. Lisboa na Patriarchal Officina da Musica. 1729. Consta de huma Sylva que comprehende pag. 332.

Obras M. S.

Obras Academicas em Verso, e Proza. fol. 2. Tom.

Oraçoens Evangelicas. fol. 2. Tom.

Obras escusadas de Fr. Simaõ. fol.

Manual de Oraçoens Academicas.

Poema a huma eleiçaõ. Consta de 9 Cantos fol. Principiava.

Os enredos, as bulhas, as trapaças

Os enganos, os medos, os temores

Os ardiz, as astucias, as negaças,

Os agrados, os risos, os amores;

As trombas, os focinhos, as caraças,

As furias, os rayvassos, e os rencores,

Que houve em certa eleiçaõ com forte espanto

Daraõ materia a nunca ouvido canto.

Todas estas obras se conservaõ na Livraria do real Convento de Belem.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]