THEODOSIO DE CONTREIRAS DA SYLVA. Naceo em Lisboa a 25 de Janeiro de 1656, sendo filho de Francisco da Sylva de Mattos Notario Apostolico, e D. Francisca de Contreiras Suzarte. Instruido nas letras humanas frequentou a Universidade de Coimbra, onde depois de ser Mestre em Artes se formou na Faculdade de Direito Cesareo. Pela prudencia, e litteratura que tinha, foy nomeado Secretario do Enviado que os Prelados deste Reino mandaraõ á Curia Romana para impugnar o requerimento dos Christãos novos que pertendiaõ perdaõ geral, e reforma no procedimento do Tribunal do S. Officio, onde assistio até chegar á mesma Corte por Embaixador D. Luiz de Sousa Bispo de Lamego, que depois foy Arcebispo de Braga. Restituido á patria, e aprovada a sua sciencia legal no Desembargo do Paço servio o lugar de Juiz de fóra de Monsarás, e sendo nomeado Dezembargador da India, e depois Chanceller da Relaçaõ daquelle Estado regeitou estes lugares, como mais perigosos á salvaçaõ, elegendo antes ser Advogado que Juiz, cujo ministerio exercitou por muitos annos na sua patria com igual desinteresse que sciencia. Foy insigne Poeta vulgar, cujos versos conceituosos, elegantes, e discretos mereceraõ universal estimaçaõ. Falleceo piamente na sua patria a 24 de Agosto de 1729, quando contava 73 annos de idade. Jaz na Real Parochia de S. Juliaõ. Dos muitos versos que compoz sómente se fizeraõ publicos os seguintes.

Ao Transito saudoso da Serenissima Senhora Infante D. Isabel Luiza Josefa unico exemplar da fermosura, em cujo tumulo grava a saudade na inscripçaõ da dor hum affectado alivio, imaginado antidoto para o veneno da magoa, ou discreto estudo para a eternidade da pena. Lisboa por Miguel Deslandes Impressor delRey 1691. 4. He glossa ao Soneto de Bacellar Venceo a morte oh Fabio a fermosura,&c. No fim hum Soneto.  Epithalamio ao augusto, felicissimo, e Real Desposorio do Excellentis. Senhor Duque D. Luiz de Mello com a Serenissima Senhora D. Luiza, filha do muito alto, e poderoso Rey de Portugal D. Pedro II. N. S. ibi pelo dito Impressor  1695. 4. Consta de 40 Oitavas.

Soneto á Magestade delRey D. Joaõ V. fol. naõ tem anno da Impressaõ.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]