VICENTE DA SYLVA. Naceo a 21 para 22 de Janeiro de 1707, sendo filho de Joaõ Bautista Antunes, e Vicencia Maria da Sylva. Instruido nas letras humanas ouvio Filosofia dictada pelo P. Julio Francisco de Oliveira da Congregaçaõ do Oratorio hoje dignissimo Bispo de Viseu. Passando á Universidade de Coimbra se aplicou ao estudo do Direito Pontificio, em cuja faculdade se formou a 18 de Mayo de 1776. Julgando perigoso para a salvaçaõ o ministerio forense para o qual como Advogado da Casa da Suplicaçaõ tinha portaria passada a 21 de Março de 1729 abraçou o Estado Ecclesiastico recebendo as ordens de Presbytero a 28 de Janeiro de 1733. Como tivesse talento para o pulpito o exercitou em varias partes com grande aplauso do seu nome, naõ sendo inferior o que tem alcançado pela Poezia heroica, e lyrica em que a sua Musa he igualmente elegante, que discreta. Nas Academias dos Aplicados, e dos Occultos, das quaes he insigne Collega tem brilhado o seu agudo engenho com diversas produçoens assim metricas, como oratorias das quaes se fizeraõ publicas.

Dous Sonetos ao Rererendissimo P. D. Rafael Bluteau Clerigo Regular. Sahiraõ a pag. 64. e 109. do Obsequio funebre que a Academia dos Aplicados dedicou á memoria do mesmo Padre. Lisboa por Jozé Antonio da Sylva 1734. 4.

Egloga entre Sylvio, e Elysia pastores, e Ventiliano pescador á morte do Fidelissimo Rey de Portugal D. Joaõ V. Sahio a pag. 74. da Colleçaõ dos Ocultos a este assumpto. Lisboa por Manoel Soares Vivas 1750. 4.

Feliz annucio de Portugal em o dia do seu sumptuoso Juramento ao Fidelissimo, Magnanimo Rey D. Jozé I. do nome. Lisboa por Francisco da Sylva 1750. 4. Consta de 36 Outavas.

Com o nome de Luiz Tadeu Nicena anagrama puro do seu nome publicou a seguinte Comedia intitulada

Amor perdoa os Aggravos.

Dissertaçaõ sobre a diligencia com que o Excellentissimo Marquez de Valença Dom Francisco de Portugal e Castro procurava os benemeritos para  os louvar. Romance heroico ao mesmo Marquea. Sahiraõ estas duas obras: a primeira a pag. 9. e a segunda a p. 156. na Colleçaõ das obras, que a Academia dos Occultos dedicou á memoria do mesmo Marquez. Lisboa por Francisco da Sylva. 1751. 4.

Obras M. S.

O Psalmo Miserere mei Deus illustrado em verso, e Prosa.

Oraçaõ recitada na Aula da Mathematica do Collegio de Santo Antaõ dos Padres Jesuitas de Lisboa sobre a melhoria delR.ey D. Joaõ V. Oraçaõ recitada no Palacio do Conde de Coculim, onde se mostrava fora o Excellentissimo Conde da Ericeira D. Francisco Xavier de Menezes mais insigne nas armas, que nas letras.

 

 [Bibliotheca Lusitana, vol. III]