D. FELICIANA DE MILAM naceo na Cidade de Lisboa a 8. de Outubro de 1632., e professou o Sagrado Instituto do Mellifluo Doutor S. Bernardo em o Real Convento de S. Diniz de Odivellas. Foy ornada de juizo penetrante, graça natural, e discriçaõ sublime. Eternamente será celebrado o seu nome pela sentenciosa agudeza de seus apothemas, que sendo repentinos pareciaõ meditados por muito tempo, ou fossem sobre materias serias, ou jocosas, dos quaes publicaraõ grande parte Pedro Jozè Supico de Moraes Collec. Polit. de Apoth. liv. 3. pag. 215. e Damiaõ de Froes Perim, aliás Frey Joaõ de Saõ Pedro no Theatr. Heroin. Tom. 1. pag. 376. atè 382. Naõ foy menos estimavel o seu talento em as Cartas onde retratou a mais viva imagem do seu espirito que bem mereciaõ (como escreve o Author do Theatr. Heroin. pag. 375.) o beneficio da estampa para se conservar com a memoria das suas discriçoens os partos do seu fecundissimo juizo. Compoz muitos versos em que a elegancia competia com a agudeza merecendo a sua Musa ser coroada pelas nove do Parnaso. Com profunda madureza escreveo hum largo Discurso sobre a Existencia da Pedra Filosofal, do qual fallando Diogo Manoel Ayres de Azevedo no Portug. Illustr. pelo sex. Femin. pag. 104. n. 51. affirma que só elle podia qualificar o seu elevado juizo. Conhecendo que era chegada a ultima hora da sua vida se dispoz catholicamente com fervorosos actos, que edificaraõ a toda a Communidade, que lhe assistia, a quem recõmendou que sobre a sua sepultura se lhe escrevesse o seguinte epitafio, que tinha composto em toda a sua vida.

Aqui jaz a peccadora.

Falleceo no anno de 1705. quando contava setenta e tres de idade.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]