Lendo-se no ondular da sensação  ou Uma concepção proustiana de literatura

Lendo-se no ondular da sensação ou Uma concepção proustiana de literatura

Obra póstuma da autoria de Marcel Proust, Contre Sainte-Beuve parece, em boa verdade, ser um original manifesto literário. Por entre as várias páginas desse seu livro, o escritor expõe uma concepção pessoal de literatura, apresentando-a como expressão de um eu que, no âmago da solitude, em toda a sua poesia se desvela. Despojando-se desse outro eu frívolo que nas relações sociais superficialmente se exibe, o artista  trilha um caminho até ao mais íntimo de si mesmo, dando voz, nessa sua travessia, ao que de mais profundo em si repousa. Sibila-nos Proust, por entre o folhear de um dos seus cadernos: (mais…)

“O Pianista de Hotel”, de Rodrigo Guedes de Carvalho

“O Pianista de Hotel”, de Rodrigo Guedes de Carvalho

Rodrigo Guedes de Carvalho, nascido em 1963 no Porto, é uma presença assídua na vida de muitos portugueses, como apresentador do telejornal das 20 horas na SIC, mas é bom lembrar que já escrevia antes de se tornar conhecido como pivô e nos entrar pela casa dentro. Escreveu ainda argumentos cinematográficos, como Coisa Ruim, filme realizado pelo irmão Tiago Guedes, e um guião para teatro. Pertenceu à direcção de informação da SIC entre 2007 e 2016, interregno em que suspendeu a sua paixão pela escrita. Dez anos depois do seu anterior romance, Canário, Rodrigo Guedes de Carvalho regressa à ficção, com O Pianista de Hotel, o seu quinto romance, publicado em Maio de 2017 pela Dom Quixote, e que soma já várias edições.

(mais…)

“Ponta Gea”: um bairro no coração da memória de João Paulo Borges Coelho

“Ponta Gea”: um bairro no coração da memória de João Paulo Borges Coelho

Ponta Gea é o mais recente livro de João Paulo Borges Coelho e provavelmente o mais corajoso, assumindo não somente uma narrativa feita na primeira pessoa como também uma perspectiva em que os acontecimentos narrados são filtrados a partir do espaço-memória de infância. O autor, muitas vezes enquanto criança, rememora os lugares que persistem, muitas vezes, apenas na memória e na imaginação de uma cidade inventada.

(mais…)

“Os Loucos da Rua Mazur”, de João Pinto Coelho

“Os Loucos da Rua Mazur”, de João Pinto Coelho

O autor, nascido em Londres em 1967, arquitecto e professor de Artes Visuais, foi finalista do Prémio Leya em 2014 com Perguntem a Sarah Gross, livro que foi depois publicado pela Leya (como tem acontecido com as obras finalistas) e escolhido como Melhor Livro de Ficção Narrativa de 2015 pela Sociedade Portuguesa de Autores. Neste segundo romance, vencedor do Prémio Leya de 2017, João Pinto Coelho regressa à Polónia, país onde integrou já duas acções do Conselho da Europa em Auschwitz, trabalhou proximamente com vários investigadores do Holocausto e realizou intervenções públicas sobre essa matéria.

(mais…)

“A Nossa Alegria Chegou”, de Alexandra Lucas Coelho

“A Nossa Alegria Chegou”, de Alexandra Lucas Coelho

A Nossa Alegria Chegou, o quarto romance de Alexandra Lucas Coelho e o seu décimo livro, publicado pela Companhia das Letras – que está a relançar as suas outras obras -, quebra diversas convenções e géneros, e instaura um território ficcional difícil de definir, sem a complexidade narrativa de deus-dará, onde sete narrativas se cruzam, em sete dias, num romance transgénero que liga passado e presente.

«Alguns mamíferos sabem que vão morrer. Estes três sabem que podem morrer hoje.» (p. 17) (mais…)

“O centro do mundo”, de Ana Cristina Leonardo

Ana Cristina Leonardo nasceu em Olhão em 1959. Estudou Filosofia e colabora semanalmente com o Expresso, onde publica uma crónica regular e também faz crítica literária. O centro do mundo é o seu primeiro romance e esperemos que outros lhe sucedam.

O centro do mundo não é biografia ficcionada nem romance histórico, mas sim uma narrativa pós-moderna que conta as desventuras de um herói pícaro em pano de fundo àquela que parece ser a verdadeira heroína do romance, essa vila cubista do Sul da Europa, de seu nome Olhão, onde Boris chega no dia 18 de Maio de 1935, e que será aqui narrada sem lastro nem verniz.

(mais…)