Frei Rafael da Fonseca

Fr. RAFAEL DA FONSECA, natural da Villa de Aveiro, onde teve por Pays a Antonio da Fonseca, e Catherina Nogueira. Recebeo o habito da preclarissima Ordem dos Prégadores no Convento patrio a 20 de Mayo de 1601 professando solemnemente a 26 do dito mez do anno seguinte. Nesta sabia palestra se distinguio dos seus domesticos na perspicacia com que penetrou as sciencias escolasticas, chegando a receber o grao de Doutor na Faculdade da Theologia, e governar a Provincia como Vigario Geral. Entre diversas obras, que compoz pertencentes a Theologia, que naõ lograraõ da luz publica, se fez unicamente patente.

Parecer sobre huma duvida em que foy consultado pelas Religiosas Dominicanas do Convento de Setubal. Assignado em 30 de Outubro de 1645. Sahio no Tom. 3. Decision Doctoris Emmanuelis da Fonseca Themudo. Decis. 283. Foy taõ concludente este parecer sobre a materia em que foy consultado, que julgou a causa, e pronunciou a sentença o mesmo Doutor Themudo a 25 de Dezembro de 1645, conforme resolvia o dito parecer. Fazem memoria de Fr. Rafael da Fonseca Joan. Soares de Brito Theatr. Lusit. Litter. lit. R. n. 1. Echard. Script. Ord. Praed. Tom. 2. p. 461. col. 2. e Monteiro Claustr. Dom. Tom. 3. p. 307.

 

 [Bibliotheca Lusitana, vol. III]

Frei Rafael de Jesus

Fr. RAFAEL DE JESUS, naceo em a Villa de Guimaraens, recebendo na sua antiga Collegiada a graça bautismal a 2 de Mayo de 1614. Foraõ seus Progenitores Simaõ Fernandes, e Catherina Mendes, que o educaraõ taõ virtuosamente, que deixado o seculo buscou o Claustro da augusta Religiaõ do Principe dos Patriarcas S. Bento vestindo a monastica cogulla em o Convento da Victoria da Cidade do Porto a 2 de Mayo de 1629, quando contava 15 annos de idade. Aplicado aos estudos severos sahio nelles egregiamente instruido, e como o genio o inclinava para o exercicio do pulpito o continuou pelo espaço de vinte annos na Corte de Lisboa, e em varias Cidades de Hespanha com geral aplauso dos ouvintes, donde procedeo ser nomeado pela Religiaõ Prégador Geral. A capacidade do talento o constituhio digno de ocupar os lugares de Reitor do Collegio da Estrella em 1665, Procurador geral em a Cidade do Porto em 1668. D. Abbade do Convento de S. André de Rendufe em 1673. Procurador geral na Cidade de Braga em 1676, e D. Abbade do Convento de Lisboa em 1679. Naõ se limitou o seu estudo ás letras sagradas, mas discorrendo pelo vasto campo da Historia sahio nella taõ instruido, que mereceo ser Chronista mór do Reino por Alvará passado a 11 de Novembro de 1681. Falleceo no Convento de S. Bento de Lisboa a 23 de Dezembro de 1693, quando contava 79 annos de idade, e 64 de Religioso.  Compoz

Sermoens varios, prégados pelos annos de 1668, 1669, e 1670. Brucellas por Balthezar Vivien 1674. 4.

Sermoens varios, prégados na Curia de Braga pelos annos de 1673, 74, e 75. Lisboa na Officina Crasbeeckiana. 1688 4.

Sermoens varios, e Tom. 3. prégados na Curia de Braga pelos annos de 1675, 76, e 77. Ibi na dita Officina 1689. 4.

Castrioto Lusitano. Part. 1. Entrepreza, e restauraçaõ de Pernambuco, e das Capitanias consinantes, varios, e bellicos sucessos entre Portuguezes, e Belgas acontecidos pelo discurso de vinte e quatro annos. Lisboa por Antonio Crasbeeck de Mello. 1679. 4. No fim desta o (mais…)

Rafael Lemos da Fonseca

RAFAEL LEMOS DA FONSECA, natural de Lisboa, e filho de Leonardo da Costa Leal Escrivaõ dos aggravos. Na Universidade de Coimbra estudou Jurisprudencia Cesarea recebendo o grao de Bacharel no anno de 1655. Com tanta brevidade percebeo as difficuldades de taõ vasta Faculdade que naõ esperando pelas demoras do tempo produzio na florente idade de 22 annos a obra seguinte.

Commento Portuguez dos 4. livros da Instituta do Emperador Justiniano, ou  breve resumo do direito Civil em duas Partes com toda a doutrina, e explicaçaõ dos Textos, opinioens dos Doutores, limitaçoens, e ampliaçoens das Regras, e combinaçoens do direito commum, e do Reino confirmadas com muitos lugares da sagrada Escritura, e Santos Padres, e corroboradas com varias Decisoens, e casos julgados no supremo Senado da Casa da Suplicaçaõ acomodadas com o estylo pratico aos titulos e §.§. da Instituta. Lisboa por Manoel da Sylva. 1656. fol. Do titulo desta obra se conhece a grande erudiçaõ sagrada, e profana em que era versado este Author, o qual foy Cavalleiro da Ordem de Christo, Advogado da Casa da Suplicaçaõ, e por morte de sua consorte recebeo Ordens Sacras.

 

 [Bibliotheca Lusitana, vol. III]

Rafael Lourenço Durães

RAFAEL LOURENÇO DURAENS, natural do lugar de Paderne da Provincia de Entre Douro e Minho. Recebido o grao de Bacharel em Direito Pontificio que lhe conferio a Universidade de Coimbra se ordenou de Presbytero, e como vivesse com exemplar procedimento o convidou para seu Capellaõ o Excellentissimo e Reverendissimo Arcebispo de Goa D. Ignacio de Santa Tereza, com o qual partio de Lisboa a 19 de Abril de 1721. Chegando a Goa este Prelado o nomeou Escrivaõ da Camara Ecclesiastica, Vigario Geral, Juiz dos Residuos, Justificaçoens, e ultimamente Provisor, cujos lugares exercitou com grande integridade, e os conservou ainda sendo Conego Prebendado na Cathedral de Goa, onde falleceo piamente. Publicou com doutas, e devotas addiçoens

Espelho da Confissaõ traduzido na lingoa Portugueza de Manoel de Sousa da Italiana do P. Emerico de Bonis Jesuita. Coimbra no Real Collegio das Artes 1719. 12.

 

 [Bibliotheca Lusitana, vol. III]

Frei Rafael da Purificação

Fr. RAFAEL DA PURIFICAÇAM, chamado no Seculo Manoel da Cunha, naceo no lugar de Matozinhos, suburbio da Cidade do Porto fecundo berço de insignes Varoens em diversas Faculdades a 13 de Junho de 1691. Foraõ seus Pays Simaõ dos Reys Reyes Capitaõ de varios navios mercantis, e Maria da Cunha Freire. Estudou na patria a lingoa Latina com o P. Manoel Alvares Bautista, Theologo, Prégador, e Poeta insigne. Desta escola passou para o Collegio dos Meninos Orfãos da Cidade do Porto, onde fez taes progressos a sua aplicaçaõ, que excedendo a idade mereceo ser pertendido de quatro Religioens gravissimas para seu alumno, cujos intentos como se frustrassem dispoz a Providencia forte, e suavemente que partisse para o Brasil, onde quando contava 16 annos de idade abraçou o instituto Serafico a 13 de Junho de 1707 em o Convento de Peruaçu junto da Cidade da Bahia. Dotado de perspicaz talento, e tenacissima memoria foraõ admiraveis os progressos que fez em todas as Sciencias dictando as escolasticas aos seus domesticos de memoria sem socorro de Postillas, e coordinando mentalmente as materias que explicava. Repetia Capitulos inteiros da sagrada Escritura, authoridades extensas dos Santos Padres, paginas inteiras dos Poetas, e Historiadores do seculo de Augusto. Nas disciplinas Mathematicas foy profundamente versado, principalmente na Algebra, e Arithmetica em que era consultado em contas gravissimas pelos homens de negocio. Da Geografia tinha tanta instruçaõ que fazia as arrumaçoens, e observaçoens dos Meredianos sem beneficio do compaço. Teve perfeita intelligencia das lingoas Latina, Grega, Hebraica, Franceza, Italiana, e Ingleza. Discorreo por toda a Italia quando foy votar no Capitulo Geral celebrado em Milaõ a 4 de Junho de 1729. Como padecia repetidos insultos de Asma passou a Londres para experimentar remedio a taõ penoso achaque, onde convenceo em disputa publica a muitos hereges. Restituido á sua Provincia falleceo no Convento da Bahia a 3 de Abril de 1744 em que cahio Sexta feira mayor, quando contava 53 annos de idade, e 37 de Religiaõ. Foy achado morto na cama abraçado com hum Crucifixo, e com os olhos para elle devotamente inclinados. Compoz

Figmenti Cabalistici enodatio Rytmicae quaestionis resolutio à quodam Cabalista de Ispruch confictae Cabalam suam consulente circa ortum desideratissimum Archiducis. Ulysipone ex Officina Ferreiriana 1728. 4.

Letras Symbolicas, e Sybillinas. Obra de recreaçaõ, e utilidade cheya de erudiçaõ sagrada, e profana, de noticias antigas, e modernas com documentos historicos, politicos, moraes, e asceticos para os estudiosos, e amigos, tanto de letras divinas, como de letras humanas. Lisboa por Francisco da Sylva 1747. fol.

Obras M. S.

Expositio in Tobiam. fol.

Domus Sapientiae. fol.

Lingua bilinguis. 4.

Vita D. Francisci stylo lapidari conscripta. 4.

Centuria Epigrammatum. 8.

Sermoens varios 11. volumes. Estavaõ encadernados com o titulo por fora

Sermoens de Respes. 4.

Historia do Senhor de Matozinhos. 4.

Viagens que fez a diversas partes. 5. Tomos 4.

 

 [Bibliotheca Lusitana, vol. III]

Rafael Vaz Freire

RAFAEL VAZ FREIRE, naceo na augusta Cidade de Braga a 9 de Julho de 1665 sendo filho de Antonio Vaz Peixoto, e Isabel da Costa. Foy professor de Jurisprudencia, como seu irmaõ Jozé Vaz Freire, de quem se fez mençaõ em seu lugar. Addicionou em 2. Tomos de folha

Pratica Delegationum Criminalium composta pelo dito seu irmaõ. Estavaõ promptos para a Impressaõ.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]