Valentim de Sá

VALENTIM DE SÁ, natural de Lisboa, Cosmografo mór do Reino, em cuja Faculdade foy peritissimo, como em todas as disciplinas Mathematicas. Delle fazem honorifica memoria Joan. Soar. de Brito Theatr. Lusit. Litter. lit. V. n. 2. Joaõ Franco Barreto Bib. Portug. M. S. e o addicionador da Bib. Naut. de Antonio de Leaõ Tom. 2. col. 1173. Publicou

Regimento de Navegaçaõ, em que se contem hum breve summario dos principaes circulos da esfera material, regras para se conhecer a altura do Polo, Sol, e Estrellas; como se devem fazer as derrotas de hum lugar a outro, como se conhecerá a variaçaõ da agulha, e se dará o resguardo. Lisboa por Pedro Crasbeeck 1664. 4.

Advertencias sobre o instrumento de navegar do Sol, que inventou Joaõ Pereira Corte-Real General da Armada, e do Conselho delRey, o qual por oito vezes passou a carreira da India Oriental, e Indias Occidentaes, donde extrahio muitas noticias para aquelles que navegarem pelo mar Occeano, e Indico. Estas advertencias sahiraõ Lisboa 1640. como diz o allegado Joaõ Franco Barreto. Naõ sey se esta obra he differente da que está assima escrita.

 

 [Bibliotheca Lusitana, vol. III]

Valeriano da Costa Freire

VALERIANO DA COSTA FREIRE. Veja-se IGNACIO BARBOSA MACHADO

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]

D. Valério da Costa e Gouveia

D. VALERIO DA COSTA E GOUVEA, natural de Lisboa, e bautisado na Parochial Igreja de S. Paulo a 18 de Dezembro de 1678. Foraõ seus Progenitores Bartholameu da Costa, e Maria da Encarnaçaõ. Estudou na Universidade de Coimbra Jurisprudencia Cesarea em que recebeo o grao de Bacharel, e depois de aprovada a sua sciencia legal no Desembargo do Paço servio alguns lugares assim no Reino, como na America. Preferindo o estado Ecclesiastico ao Secular o nomeou seu Coadjutor o Eminentissimo Cardeal Patriarca de Lisboa D. Thomaz de Almeida sagrando-o com o titulo de Arcebispo de Lacedemonia em a Santa Igreja Patriarcal a 19 de Fevereiro de 1741. Falleceo na patria a 23 de Outubro de 1742. Nos seus primeiros annos, como tivesse genio para a Poezia vulgar publicou

Aplausos aos felicissimos annos do Serenissimo Principe D. Joaõ nosso Senhor. Lisboa por Antonio Pedroso Galraõ 1700. 4. He glossa ao Soneto 21 de Luiz de Camoens, que principia. Os Reinos, e Imperios poderosos. Depois huma Cançaõ e hum Soneto.

 

 [Bibliotheca Lusitana, vol. III]

 

Valério Martins de Oliveira

VALERIO MARTINS DE OLIVEIRA. Naceo em a notavel Villa de Santarem, e na Parochial Igreja do Salvador recebeo a graça bautismal a 25 de Novembro de 1695. Teve por Pays a Manoel Martins, e Luiza de Oliveira. Aprendeo o Officio de Pedreiro no qual sahio taõ destramente exercitado, que depois de ser Procurador dos Misteres no Senado da Camera, e Juiz do seu Officio varias vezes querendo instruir aos professores delle, publicou

Advertencias aos modernos que aprendem o Officio de Pedreiro. Lisboa na Officina Sylviana da Academia Real. 1739. 16. & ibi por Antonio da Sylva. 1748. 8.

 

 [Bibliotheca Lusitana, vol. III]

Frei Valério de Moura

Fr. VALERIO DE MOURA, natural da Villa de Aljubarrota nos Coutos de Alcobaça do Patriarcado de Lisboa, filho de Juliaõ de Moura Negraõ, e de D. Margarida de Moura. Professou o instituto da preclarissima Ordem dos Prégadores em o Convento de Santarem a 3 de Abril de 1675, onde na penetraçaõ das sciencias escolasticas mostrou summa subtileza, e admitavel comprehensaõ. Recebida a borla doutoral em a Universidade de Coimbra, foy conductario com privilegios de Lente a 2 de Outubro de 1706, e igualado á Cathedrilha de Escritura em 10 de Novembro de 1718. Falleceo no Convento de Lisboa a 17 de Mayo de 1721.

Compoz

In Magistrum Sententiarum Comentaria. fol. 2. Tomos.

Estavaõ promptos para a Impressaõ, como escreve Fr. Pedro Monteiro Claust. Domin. Tom. 3. p. 320.

 

 [Bibliotheca Lusitana, vol. III]