Frei Leonardo dos Santos

Fr. LEONARDO DOS SANTOS natural da Cidade de Ceuta antiga Colonia dos Portuguezes em Africa onde recebeo o habito da illustre Ordem da Santissima Trindade, e professou em o de Lisboa a 15. de Outubro de 1610. Estudadas as Faculdades de Filosofa, e Theologia as dictou aos seus domesticos com aplauso do seu nome, merecendo o mayor pela intelligencia que teve dos mysterios da Sagrada Escritura. Foy Definidor, e duas vezes Ministro do Convento de Lisboa, onde deixou a vida caduca pela eterna a 26. de Junho de 1666. Compoz.

Commentaria in Jonam Prophetam. fol. M. S. conserva-se na Livraria do Convento de Lisboa. Joaõ Franco Barreto na Bib. Portug. M. S. diz que fora impresso em Leam de França, e creyo que se equivocou com a de outro Author.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]

Leonardo de Pristo da Barreira

LEONARDO DE PRISTO DA BARREIRA  Medico da Villa do Prado em a Provincia Transtagana publicou com este fingido nome.

Practica de Barbeiros Phlebotomanos, ou Sangradores reformada. Lisboa por Miguel Manescal da Costa 1740. 8.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]

 

Leonardo Pereira

Leonardo Pereyra natural de Lisboa, e muito versado na metrificaçaõ da Poesia Vulgar publicando entre muitas obras metricas que tem composto.

Ao feliz sucesso com que Sua Magestade fez sua jornada suspendendo o Inverno o rigoroso impulso com que tinha começado atè se recolher a Corte com bom tempo. Consta de hum Soneto glozado. Nao tem anno da impressaõ sendo certamente em o de 1728. em o qual se celebraraõ no Caya os augustos despozorios  dos Principes do Brasil, e das Asturias para cujo efeito partio o nosso Serenissimo Monarcha ao lugar destinado para esta funçaõ.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]

Leonardo Pais

LEONARDO PAEZ nasceo na Aldea de Gandaulin junto da Cidade de Goa Capital do Estado Oriental Portuguez a 17. de Fevereiro de 1662. sendo filho de Bartholameu Paez, e Paula da Cunha. Foy Licenciado em os Sagrados Canones, e descendente (como elle escreve) dos Reys de Sirgarpor, Vigario da Igreja de S. Thomé da Cidade de Goa, Prothonotario Apostolico, e muito perito na Historia politica, e natural da Asia. Falleceo a 11. de Março de 1715. com 53. annos e 22. dias de idade. Jaz sepultado na Igreja de S. Braz com o seguinte epitafio. Sepultura do Licenciado Leonardo Paez Proto-notario Apostolico, Notario de Sua Santidade, e Vigario da Igreja de S. Thomé, e de seus Pays, e Irmaõs descendentes dos Reys de Sirgarpor. Compoz, Promptuario das Difiniçoens Indicas deduzidas de varios Chronistas da India, graves Authores, e das Historias Gentilicas, contem 6. Tratados. O 1. demostra as qualidades, e excellencias da India. Publica o 2. os seus Reys, Reynos, e divisaõ: as qualidades da gente declara o 3. O 4. Indica algumas noticias acerca do que se diz do Cheriperimale, e de outras antiguidades O 5. manifesta a vinda do Apostolos. S. Thome á India, e os prodigios, que nella obrou O 6. finalmente a do Apostolo, e Nuncio della S. Francisco Xavier. Lisboa por Antonio Pedrozo Galraõ 1713. 4.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]

Padre Leonardo Nunes

P. LEONARDO NUNES filho de Simaõ Alvares, e Izabel Fernandes, nasceo na Villa de S. Vicente do Bispado da Guarda. Recebeo a roupeta da Companhia de JESUS em o Collegio de Coimbra a 6. de Fevereiro de 1548. e sahio de Lisboa em o primeiro do dito mez do anno seguinte na frota em que hia por Governador do Brasil Thomé de Sousa com o Padre Manoel Pires, e Diogo Jacome, e Vicente Rodrigues Irmaõs Leigos, dos quaes era Superior o apostolico varaõ o P. Manoel da Nobrega. Ao tempo que aportaraõ estes operarios Evangelicos se achava o Brasil reduzido a Babilonia de vicios vivendo os Christaõs como Gentios. Informado o Padre Nobrega que os moradores da Capitania de S. Vicente distante ao Sul da Bahia duzentas, e quarenta legoas necessitavaõ de directores para a vida eterna mandou ao Padre Leonardo Nunes o qual animado de ardente zelo colheo de taõ inculta terra copiosos frutos devendo-se á eficacia das suas vozes deixarem huns os concubinatos, frequentarem outros os Sacramentos, que por espaço de trinta, e quarenta annos naõ recebiaõ, e serem restituidos os Carijos à sua liberdade injustamente tyranizada pelos seus chamados Senhores. Naõ obrou menos o seu incansavel espirito na conversaõ dos Tamoyos domesticando a sua fereza como tambem atrahindo na Alagoa dos Patos cem legoas distante da Capitania de S. Vicente a innumeraveis barbaros que sómente na figura se distinguiaõ dos brutos, ao suave jugo do Evangelho. Intentando hum sacrilego despojalo da vida, ao descarregar o golpe lhe ficou suspenso o braço. Como fossem passados seis mezes da cultura Evangelica, e quizesse dar noticia dos seus progressos o Padre Nobrega a Santo Ignacio foy mandado a Roma o Padre Leonardo Nunes para que o informasse de tudo quanto tinha obrado em obsequio da Christandade. Embarcado em hum navio naufragou com outros muitos companheiros a 30. de Junho de 1554. cuja tragica morte foy universalmente sentida. Fazem delle honorifica memoria Cardozo Agiol. Lus. Tom. 3. pag. 882. e no Com. de 30. de Junho let. B. Orland. Hist. Societ. lib. 9. n. 73. e lib. 11. num. 61. Telles Chron. da Comp. de Jes. da Prov. de Portug. Part. 1. liv. 3. cap. 10. §. 2. e 4. Vasconfel. Chron. da Prov. do Brasil da Comp. de Jes. liv. 1. n. 24. 61. e 67. Guerreiro Coroa de Esforçad. Sold. Part. 3. cap. 2. Nadasi Ann. dier. mem. S. J. Part. 1. pag. 338. Franco Imag. da Virt. do Nov. de Coimb. Tom. 2. liv. 2. cap. II. e Ann. glor. S. J. in Lusit. pag. 367. Escreveo.

Carta escrita em a Capitania de S. Vicente a 20. de Junho de 1551. aos Padres da Provincia de Portugal. Sahio impressa com outras em a lingua Italiana. Venezia por Michaele Tramezzino 1559. 8.

Carta escrita da Capitania de S. Vicente a 24. de Agosto de 1551. M. S. Conserva-se com outras na Casa Professa de S. Roque de Lisboa, e de algumas copiou grande parte o Padre Antonio Franco no lugar acima allegado principalmente a p. 195.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]