Frei Faustino da Madre de Deus

Fr. FAUSTINO DA MADRE DE DEOS natural da Villa de Ovar do Bispado do Porto, chamado no Seculo Faustino da Sylva, filho de Andrè Affonso, e Guiomar Gonçalves. Recebeo o habito Serafico em o Convento de S. Francisco de Bragança a 8. de Fevereiro de 1613. Foy muito erudito nas letras Sagradas, e profanas, e dos grandes Oradores Evangelicos do seu tempo. Na Religiaõ ocupou em o anno de 1624. O lugar de Guardiaõ do Convento de Santa Cruz da Ilha da Madeira quando sua Custodia era sogeita à Provincia de Portugal; depois foy Confessor das Religiosas do Mosteiro de Val de Pereiras, junto de Ponte de Lima no anno de 1630. do Mosteiro de Monchique nos suburbios da Cidade do Porto em 1645. e de Santa Clara de Coimbra em 1654. e em todos estes ministérios Religiosos mostrou a sua grande prudencia, e virtude. Delle fazem memoria Fr. Fernando da Soled. Hist. Seraf. da Prov. de Portug. Part. 3. liv. 1. cap. 21. e Fr. Joan. à D. Anton. Bib. Francisc. Tom. 1. pag. 342. col. 1. Nicol. Anton. Bib. Hispan. pag. 277. col. 1. Compoz.

Primeira parte do Florilegio Espiritual, colhido da doutrina dos Santos Padres, e de varios Doutores, e Mestres de espirito applicado á perfeiçaõ da Vida religiosa sobre o Psalmo Beati immaculati in via &c. segundo a exposiçaõ do Doutor Serafico Boaventura sobre o mesmo Psalmo. Coimbra por Manoel Dias Impressor da Universidade 1656. 4.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]

Frei Faustino do Rego

Fr. FAUSTINO DO REGO natural da Villa de Santa Catherina, situada nos Coutos de Alcobaça em o Patriarchado de Lisboa, Monge Cisterciense, e muito versado em os privilegios da sua observantissima Congregaçaõ. Escreveo em o anno de 1525. em hum grande volume, que se guarda na Bibliotheca do Real Convento de Alcobaça, as obras seguintes.

Comesso da Ordem Cisterciense.

Fundaçaõ de Odivellas, e Ordem de Christo,

Estatutos de D. Jorge de Mello Fundador do Mosteiro de Portalegre para o bom governo das Religiosas do dito Mosteiro.

Regimento de como se hade ler á Meza nos Domingos, e Festas do Anno.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]

Frei Faustino da Graça

Fr. FAUSTINO DA GRAÇA Naceo na Cidade de Goa, Capital do Imperio Asiatico Portuguez, aonde recebeo o habito da Sagrada Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho, e de tal modo se distinguio dos seus domesticos em a cultura das letras, e observancia dos preceitos do seu Instituto, que exercitou louvavelmente os lugares de Secretario, e Diffinidor da sua Congregaçaõ, e ultimamente foy Confessor das Religiosas do exemplar Convento de Santa Monica de Goa. Escreveo

Manual de devoçoens para a menhãa atè a noite; para antes, e depois da Oraçaõ, e dizer Missa. Lisboa por Antonio Pedroso Galraõ 1728. 24.

Espelho devoto de Oraçoens para todo o dia: no fim se buscarà o aureo numero, a Epacta, letra Dominical, e as Festas moveis de cada anno. Lisboa pelo dito Impressor. 1734. 32.

Ceremonial Alphabetico do culto Divino, Missas, e Procissoens, Bençoens; taõbem dos deffeitos, que occorrem na celebraçaõ do Santo Sacrificio da Missa. Lisboa na Officina Rita-Cassiana. 1736. 16.

Brevilogio das noticias das couzas, e dos sojeitos da Congregaçaõ da India dos Eremitas de Santo Agostinho. M. S. 8. consta de 180. folhas, conserva-se na Livraria do Convento de Nossa Senhora da Graça desta Corte.

Officio proprio com Outavario de N. S. com o titulo da Graça. M. S.

Calendario perpetuo, que se rege por cinco numeros dispostos com grande arte, e summa curiosidade para uso dos Religiosos de Santo Agostinho. M. S.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]

Fabião Pacheco

FABIAM PACHECO, insigne Medico, e igualmente perito Anatomico, compoz com summa investigação

Tractatus de Anatome M. S.

O qual se conservava na Livraria do Doutor Manoel Alvares Brandaõ, celebre professor da Arte Medica.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]

Fabião da Mota

FABIAM DA MOTA Natural do lugar do Bombarral, termo da Villa de Obidos do Patriarchado de Lisboa, taõ nobre por nacimento, como pelas acçoens militares, que obrou em o Oriente, para onde partio com o ViceRey daquelle Estado D. Garcia de Noronha, em o anno de 1538. Pela larga assistencia, que fez na India já exercitando o lugar de Juiz da Alfandega de Goa; já achando-se em diversas emprezas militares, em que adquirio immortal gloria ao seu nome, escreveo Historia da India em que se relataõ as acçoens do ViceRey D. Garcia de Noronha, atè o governo de Francisco Barreto. 4. M. S. cujo original conservava Pedro Rodrigues Pereira, morador na Villa da Lourinhãa. Do Author, e da obra fazem mençaõ o Licenciado Jorge Cardozo nas Memorias para a Bib. Portug. Francisco Galvaõ Maldonado na Bib. Lusit. M. S. e o moderno addicionador da Bib. Orient. de Ant. de Leaõ. Tom. 1. Tit. 3. col. 60.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]