Lourenço Russião

LOURENÇO RUSSIAÕ cuja patria se ignora, como os nomes de seus Pays. Foy muito perito, e exercitado na arte de Alveitaria escrevendo.

Livro de Alveitaria no qual se poem muitos, e diversos modos de mezinhas para infermidades dos Cavalos. Consta de 179. Capitulos. Principia. Entre todos os outros animaes. fol. M. S. Conserva-se na Livraria do Excellentissimo Conde de Castellomilhor.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]

Lourenço Ribeiro Soares

LOURENÇO RIBEIRO SOARES Cavalleiro professo da Ordem Militar de Christo, e Sargento Mór do Regimento dos Privilegiados desta Corte naceo em Lisboa a 8. de Janeiro de 1666. sendo filho do Capitaõ Francisco Ribeiro da Sylva, e D. Catherina Soares Fialha. Pelo largo espaço de quarenta annos exercitou a vida militar em obsequio da sua patria sendo o mar, e a terra os theatros em que deu repetidas provas do seu Valor, e disciplina embarcando dezoito vezes para conduzir as Frotas da America, e Naos da India ao porto de Lisboa, e comboyar diversos navios á Praça de Mazagaõ, e ás Ilhas distinguindo-se na formidavel Armada que no anno de 1717 expedio esta Coroa em favor dos Venesianos contra o inimigo comum da Christandade. Naõ fez menores progressos o seu ardente espirito nas Campanhas do Alentejo quando no anno de 1705. se renderaõ Valença de Alcantara, e Albuquerque, na passagem do rio Xevora, no sitio de Badajos, na tomada das Praças de Alcantara, e Ciudad Rodrigo no anno de 1706., no Campo de Figueira junto a Badajos, e ultimamente na entrada que o nosso exercito fez em a Villa de Safra no anno de 1711. Entre o tumulto das armas sempre conservou comercio com as letras pois quando depunha a espada pegava na pena para escrever como testemunha ocular os sucessos Militares em que as nossas armas ou foraõ victoriosas, ou vencidas, naõ sendo este o argumento unico da sua estudiosa aplicaçaõ, mas outras obras em que deixou patente a variedade de liçaõ em que era versado, das quaes se transcreve o seguinte Cathalogo.

Diario Geral de varias Campanhas em que assistio fol. M. S. escrito em o anno de 1730.

Luzes Marciaes onde se vem varias obrigaçoens da milicia para todos os que a seguirem saber o que nella devem observar. fol. M. S. Escrito no anno de 1735.

Discurso affectivo, e intellectivo formado sobre os fundamentos de tantos vaticinios, e profecias de tantos Santos como nelle se verá sobre as esperanças da vinda do Senhor D. Sebastiaõ, seu nascimento, criaçaõ, e jornada de Africa. fol. M. S.

Flores do Pindo 2. Tom. grandes in fol.

Jardim matisado de memorias varias para divertimento de juizos curiozos 2. Tom. fol.

Declaraçaõ da Doutrina Christaã composta pelo Cardeal Belarmino tradusida da lingua Castelhana em a Portugueza. fol.

Poesias varias. vers. M. S.

Abecedario formado em varias figuras. vers. M. S.

Relaçaõ Diaria do que obrou a Armada Portugueza, que a Magestade do Senhor D. Joaõ o V. mandou à Italia em socorro dos Venesianos à instancia do Papa Clemente XI. e algumas circunstancias, que nella sucederaõ governando o Conde do Rio Grande Lopo Furtado de Mendoça em o anno de 1717. fol.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]

Lourenço Ribeiro

LOURENÇO RIBEIRO natural da Freguezia de Cutigipe situada no reconcavo da Bahia de todos os Santos na America, e filho de Lourenço Ribeiro, e Antonia de Crasto. Estudou as sciencias severas no Collegio da Bahia dos Padres Jesuitas em que sahio taõ douto que passando a Portugal levou por oposiçaõ na Meza da Conciencia a Igreja de Nossa Senhora da Encarnaçaõ de Pacé onde por muitos annos exercitou vigilantemente o Officio de Parocho. Teve talento grande para o pulpito onde foy ouvido com geral aceitaçaõ. Falleceo entre as suas ovelhas a 24. de Abril de 1724. e jaz sepultado na Igreja de que foy Pastor. Publicou.

Sermaõ do Amparo de Maria Santissima no dia da sua Aprezentaçaõ prégado na Sé da Bahia. Lisboa por Miguel Manescal 1686. 4.

Sermaõ de Saõ Joaõ da Cruz. Lisboa por Manoel Lopez Ferreira 1693. 4.

Sermaõ de Santo Antonio na Capella do Carcere da Cidade da Bahia. Lisboa pelo dito Impressor. 1693. 4.

Arvores de varias Familias Brasilienses fol. M. S. Esta Obra desapareceo com a morte de seu Author.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]

Frei Lourenço da Ressurreição

Fr. LOURENÇO DA RESURREYÇAÕ, e naõ da PURIFICAÇAÕ como erradamente o intitula Fr. Joaõ de Santo Antonio Bib. Franc. Tom. 2. pag. 278. col. 2. Naceo em a Cidade da Bahia Capital da America Portugueza chamado no seculo Lourenço Gonzalves Delgado. Foraõ seus Pays Manoel Gonzalves Delgado, e Francisca da Assumpçaõ. Recebeo o habito Serafico na reformada Provincia de Santo Antonio de Peruassû a 24. de Abril de 1684. onde se aplicou com grande disvelo ás Cerimonias Ecclesiasticas publicando.

Ceremonial dos Religiosos Capuchos da Provincia de Santo Antonio do Brasil em o qual com toda a clareza se trata do modo, e cerimonias com que se haõ de celebrar os Officios Divinos assim no Coro, como no Altar, e os mais actos da Comunidade, exercicios da Religiaõ, e custumes da Provincia conforme os Ritos da Santa Igreja Romana, Decretos Apostolicos, e cerimoniaes reformados. Lisboa por Manoel e Joseph Lopez Ferreira 1708. 4.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. III]

Frei Lourenço Portel

Fr. LOURENÇO PORTEL natural da Villa do seu apellido situada na Provincia do Alemtejo, e hum dos celebres alumnos da Serafica Provincia dos Algarves, que igualmente illustrou com os escritos, como edificou com as virtudes. Depois de professar em o Convento de Campomayor se aplicou com incansável disvelo ao estudo das Sagradas letras que dictou com aplauzo aos seus domésticos até jubilar no magisterio. Entre os grandes Theologos do seu tempo se distinguio na practica da Theologia Moral com que serenava conciencias escrupulozas quando era consultado uzando da mesma sciencia no Tribunal da Confissaõ onde derigia com suaves documentos as almas para o caminho da eternidade. Tendo sido Guardiaõ do Convento de Setubal no anno de 1596. e Confessor das Religiosas do Convento da Madre de Deos situado fora dos muros de Lisboa foy eleito Provincial em o anno de 1601. e entre as açoens, que fez dignas de memoria no tempo do seu governo foraõ as ereçoens da Igreja do Convento de S. Francisco de Setubal, e do Convento de Santo Antonio do Torraõ. Nunca o respeito lhe impedio a liberdade do seu voto, de tal sorte que sendo chamado por ElRey D. Ioaõ IV. para interpor o seu parecer na eleiçaõ de hum Patriarcha que confirmasse os Bispos por elle nomeados aos quaes o Pontifice em obsequio da Coroa de Castella repugnava confirmar, lhe disse intrepidamente. Senhor Unus Pastor, & unum ovile de cuja apostolica reposta se seguio suspender aquelle intento. Falleceo com summa piedade na provecta idade de 100. annos em o Convento de Santa Maria de Enxobregas em 31. de Agosto de 1642. sendo Guardiaõ Fr. Diogo Cezar, e Provincial Fr. Martinho de Santo Antonio. Passado hum seculo foraõ tresladados os seus ossos por deligencia do Padre Fr. Ioaõ de Nossa Senhora Chronista da Provincia, e Qualificador do Santo Officio para o transito que corre da portaria ao Claustro, e sobre huma grande pedra embebida na parede lhe gravou hum largo epitafio Latino. O seu nome he celebrado por Nicol. Ant. Bib. Hisp. Tom. 2. p. 6. col. 2. doctrina conspicuus, posteritatique commendabilis P. Anton. Diana in Ind. 1. Part., Resol. Mor. vir doctissimus cujus opera claritate, & eruditione referta fuerunt probata e Part. 1. Tract. 11. Resol. 49. doctissimus. Wadingo Script. Ord. Mir. p. 236. vir pius & prudens. D. Fr. Thom. de Far. Decad. 1. lib. 9. cap. 10. vir omnium virtutum genere, & scientiis ornatus, ut scientia, & virtus in illo de primate possit contendere. Cardozo Agiol. Lusit. Tom. 3. p. 195. no Comment. de 11. de Mayo Letr. 1. Bem conhecido no mundo pelos excellentissimos livros, que estampou, e pag. 506. Comment. de 2. de Junho Letr. F. Douto, e timorato. Nogueira Tract. da Bull. Cruc. Dict. 20. n. 66. doctissimus. Joan. Soar. de Brito Theatr. Lusit. Litter. Lit. L. n. 6. vir pius, ac doctus. Fr. Fern. da Soled. Hist. Seraf. Part. 4. liv. 1. cap. 23. §. 152. Bem conhecido por suas letras, prudencia, e virtude. Jacob. le Long. Bib. Sacr. pag. mihi 823. col. 1. Fr. Ioan. a D. Ant. Bib. Francisc. Tom. 2. p. 268. col. 1. vir doctrina conspicuus, ac pius. D. Franc. Manoel Cart. dos AA. Portug. Hallevord. Bib. Curiosa p. 234. col. 1. Franc. de Santa Maria Diar. Portug. Tom. 2. p. 620. Compoz.

Responsiones aliquorum casuum moralium spectantium praecipue ad personas regulares, ac etiam saeculares Tom. 1. Olyssipone apud Georgium Rodrigues 1618. 4.

Tomus 2. ibi apud Petrum Craesbeeck 1629. 4. Sahiraõ ambos os tomos em hum volume. Lugduni 1633. & ibi apud Laurentium Durand 1640. & ibi apud Jonam Gautherin 1644. & ibi apud Arnaud 1652 & Lovanij apud Joannem Billium 1635. & Lugduni apud Laurent. Durand. 1646. & Venetiis apud Paulum Balleonium 1643. 4.

Dubia Regularia, sive accurata, brevis que discussio difficultatum circa religiosam personam, ac etiam circa Sacerdotem regularem confessiones saecularium excipientem. Olyssipone apud Georgium Rodrigues 1618. 4. & cum additionibus ibi apud Petrum Craesbeeck 1623. 4. Lugduni apud Amatum Caudy 1634. 4. & ibi apud Laurentium Durand 1643. cum additionibus 2. Tom. 8. grande; & ibi per Jonam Gautherin 1650. 8. 2. Tom. & Venetiis apud Paulum Balleonium 1645. 4. 2. Tom.

Exhortationes monasticae religiosis personis necessariae, & saecularibus proficuae. Accesserunt unus Tractatus de scrupulis, & alius de impensis factis in Templo Salomonis. Olyssipone apud Petrum Craesbeeck 1617. 4. & Antuerpiae apud Guillielmum Leestenium 1651. 4. A esta obra intitulou Nicolao Antonio

Sermones. De triplici voto solemni super Decalogum P. Thomae Sanches. Olyssipone apud Petrum Craesbeeck 1626. 4.

Explicaçaõ dos casos reservados conforme ao Breve do Senhor Papa Clemente VIII. Lisboa por Jorge Rodrigues 1611. 8. & ibi por Ioaõ da Costa 1671. 8.

Responsiones circa Conceptionem Deiparae. fol. M. S. O original desta obra conservava em seu poder Fr. Pedro de Alva, e Astorga como escreve na Milit. Pro Concep. Deip. pag. 911.

Anotationes in Evangelia. fol. M. S.

Addenda ad Responsiones morales, & dubia Regularia. fol. M. S. Estas duas obras se conservaõ na Livraria dos PP. Theatinos desta Corte.

Sermoens dos Santos da Ordem Serafica M. S. 4.

Quadragessimal. 4. M. S.