Simpósio Internacional «O testemunho da história: para viver e superar a epidemia no presente»

Simpósio Internacional
O TESTEMUNHO DA HISTÓRIA: PARA VIVER E SUPERAR A EPIDEMIA NO PRESENTE
 
18 e 19 de Junho, 17h30-19h00

O novo coronavírus (SARS-CoV 2) e a COVID-19 trouxeram desafios inesperados à humanidade. A resposta a estes desafios é mais do que um repto para a ciência biomédica e transcende questões sanitárias. Neste contexto e procurando a complementaridade entre as health sciences e o emergente campo das health humanities, promove-se este Simpósio que pretende recorrer ao conhecimento histórico para compreender e ajudar a viver o difícil tempo presente.

Este papel atribuído às humanidades e aos estudos históricos tem sido destacado, nos últimos meses, em diversas iniciativas (webinars, números especiais de revistas, entrevistas, artigos de opinião) realizadas por diversas instituições universitárias e da sociedade civil, e em vários países.

Este seminário pretende ser um espaço de partilha de conhecimento sobre a temática das epidemias, em diferentes contextos geográficos, nacionais e estrangeiros, circunscrevendo-se às Idades Média e Moderna, procurando constituir uma ponte entre o passado e o presente.  Será realizado em dois dias e composto por breves apresentações (10 min.) realizadas por investigadores convidados, seguidas de debate, e aberto a todos os interessados em participar.

Esta proposta é uma iniciativa conjunta de dois projetos de investigação sobre história hospitalar e da saúde que estão em curso: Hospitalis: Arquitetura hospitalar em Portugal (PTDC/ART-HIS/30808/2017) (IR: Joana Balsa de Pinho; Instituto Europeu de Ciência da Cultura Padre Manuel Antunes; Artis – Instituto de História da Arte, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa) e Hospital Real de Todos os Santos: a cidade e a saúde (IR’s: André Teixeira, Edite Martins Alberto, Rodrigo Banha da Silva; DPC-Câmara Municipal de Lisboa, CHAM – Centro de Humanidades, NOVA FCSH).

O evento será transmitido pelo canal do Youtube do CHAM.

O programa será divulgado brevemente.

Organizadores: Edite Martins Alberto (CHAM, NOVA FCSH; DPC, CML) e Joana Balsa de Pinho (IECCPMA; ARTIS, FLUL)

Parceria institucionais: Artis – Instituto de História da Arte, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa; CHAM – Centro de Humanidades, NOVA FCSH; CIDH – Cátedra Infante D. Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos e a Globalização, Universidade Aberta; Câmara Municipal de Lisboa.

Grande Prémio de Ensaio Eduardo Prado Coelho

Estão abertas as candidaturas para o Grande Prémio de Ensaio “Eduardo Prado Coelho APE/C. M. de Vila Nova de Famalicão até ao dia 30 de Junho de 2020.

De cada livro publicado em 2019,  em 1.ª edição, nas duas modalidades a concurso, devem ser enviados cinco exemplares para a Sede da APE, destinados aos membros do júri e à Biblioteca, não sendo admitidos a concurso livros póstumos.

O Regulamento encontra-se disponível para consulta aqui.

Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco

Estão abertas as candidaturas para o Grande Prémio de Conto “Camilo Castelo Branco” APE/C. M. de Vila Nova de Famalicão até ao dia 30 de Junho de 2020.

De cada livro publicado em 2019,  em 1.ª edição, nas duas modalidades a concurso, devem ser enviados cinco exemplares para a Sede da APE, destinados aos membros do júri e à Biblioteca, não sendo admitidos a concurso livros póstumos.

O Regulamento encontra-se disponível para consulta aqui.

Encontro: A Poesia não serve para nada | 20 Junho, 21h

[Encontro] A Poesia não serve para nada

Margarida Vale de Gato

Diogo Dória

Alexandre Sarrazola

20 Junho, 21h

Mundo Património (Lisboa)

Um actor e dois poetas juntam-se para dizer Poesia.

E, logo aqui, a definição peca.

Dois professores e um arqueólogo.

Uma mulher e dois homens.

Dos anos 70, dos anos 50.

É, de facto, indiferente. Importa mesmo é que vão dizer poesia. Toda menos a deles. De diferentes épocas, de todos os géneros, em verso, em prosa. E só tão simplesmente porque sim.

Junte-se, dia 20 de Junho, pelas 21h, a este encontro que não serve para nada sem ser para ouvir poesia.

Ao vivo, no Mundo Património em Campo de Ourique, Lisboa (mapa), e com emissão online em directo.

 

Fonte: patrimonio.pt

Dia Mundial da Poesia para Crianças

O audiolivro nasce da trilogia de espetáculos que Cristina Paiva e Fernando Ladeira vêm apresentando em bibliotecas,  escolas, creches, jardins de infância e teatros de todo o país.  Juntam-se fotografias dos espectáculos para a primeira infância e da sua criação, e textos dos vários intervenientes.

“Para compensar a ausência do palco, as músicas antes tocadas por computador enchem-se aqui de gente e instrumentos de verdade, e à voz de Lia Vohlgemuth juntam-se o acordeão de Emanuel Soares, a bateria e percussões de Fábio Rodrigues e o contrabaixo de Afonso Castanheira. E, porque não conseguimos parar de cantá-las, juntamos também as cifras, para que possam prolongar a brincadeira em guitarradas caseiras.”
Oriana Alves, Ed. BOCA​​​​​

É comum sair dos espectáculos da trilogia Afinal sem conseguir parar de cantar estas canções e também assim se aprendem poemas de cor. Com esta edição, podemos sempre voltar ao tempo da infância, se a memória falhar.

A nona edição da BOCA JÚNIOR – para crianças de todas as idades estará disponível a partir de 1 de Junho na versão digital.

A versão física da edição, em livro + CD, estará disponível no site da BOCA e nas livrarias no final do mês.

 

Fonte: Casa Fernando Pessoa