Apresentação de «As Literaturas em Língua Portuguesa (Das Origens aos Nossos Dias)», de José Carlos Seabra Pereira | 11 de março de 2020, 18h00, Livraria Buchholz, Marquês de Pombal, Rua Duque de Palmela, Nº4, 1200-098 Lisboa

Pedro Mexia e António Feijó apresentam no próximo dia 11 de março, às 18,00 horas, na Livraria Buchholz, o livro As Literaturas em Língua Portuguesa (Das Origens aos Nossos Dias), da autoria de José Carlos Seabra Pereira, em edição da Gradiva (2019), com o apoio do Instituto Politécnico de Macau e do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos.

 

Sinopse

Português é língua de muitas culturas e muitas literaturas, pelo menos tantas quantos os países que a falam (bem mais do que eles, em Da verdade). Fiquemo-nos pela literatura: a aprendizagem da língua portuguesa tem de andar de par com um olhar sobre os textos e escritores que dela fizeram uso, em África, ou melhor, nas várias Áfricas, por serem plurais os territórios do Português e suas literaturas, no Oriente, particularmente em Macau, em Timor e na Índia, e no Brasil.
Faltava essa dimensão universal ao olhar sabiamente traçado na História da Literatura Portuguesa, de António José Saraiva é Óscar Lopes, saída em 1959. Além de que lhe faltava um olhar diferente sobre um mundo novo, que muito mudou o mundo desde esse longínquo 1959, E também um olhar que pudesse ser percebido pelos milhares de aprendentes do Português em todas as longitudes, com os seus condicionalismos próprios: um público heterogéneo, com patamares de conhecimento muito assimétricos, com interesses diversificados. Ou seja: uma obra acessível, mas rigorosa, útil a quem se limita à superfície das coisas, mas não menos instrumental para quem pretende descer mais fundo na sua reflexão e no seu conhecimento.
Tal é o roteiro deste As Literaturas em Língua Portuguesa, traçado pela mão experiente e conhecedora de José Carlos Seabra Pereira.


José Carlos Seabra Pereira Doutor pelas Universidades de Poitiers e de Coimbra, professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e na Universidade Católica; José Carlos Seabra Pereira foi professor convidado no Instituto Politécnico de Macau. Coordenador científico do Centro Interuniversitário de Estudos Camonianos; director da revista Estudos (CADC); director do Secretariado Nacional para a Pastoral da Cultura (Portugal); membro do Conselho Executivo da Fundação Inês-de Castro e do Conselho de Patronos da Fundação Arpad Szenes — Vieira da Silva, Tem integrado os júris dos principais prémios literários de Portugal e da CPLP, nomeadamente do Prémio Camões, do Grande Prémio Leya e dos Prémios da Associação Portuguesa de Escritores. Figura de referência nos Estudos sobre Camões, Decadentismo, Simbolismo, Neo-Romantismo e Modernismo, é autor de cerca de quinhentas conferências e palestras, de numerosos ensaios e estudos monográficos, de edições críticas ou paracríticas (Obras de Gomes Leal, Raul Brandão, Florbela Espanca; etc.), de centenas de artigos em revistas especializadas e verbetes em enciclopédias, e de uma vintena de livros, com destaque para: Decadentismo-e Simbolismo na Poesia Portuguesa (1975); Do Fim-de-Século ao Tempo de Orfeu (1979), Autour de la Thématique Politique et de L’Engagement dans la Littérature Portugaise (1982); L’Action Littéraire et |’Oeuvre Poétique de João de Barros (1983), O Neo-Romantismo na Poesia Portuguesa (1999), 2 vols.; vol. Vil da História Critica da Literatura Portuguesa: Do Fim-De-Século ao Modernismo (1995); António Nobre: Projecto e Destino (2000); O Essencial sobre Antônio Nobre (2001); 0 Tempo Republicano da Literatura Portuguesa (2010): Aquilino — a escrita vital (2014), Prêmio de Ensaio da Associação Portuguesa de Críticos Literários; O Delta Literário de Macau (Macau, 2015), Prémio de Ensaio da Associação Portuguesa de Escritores.