Cem anos volvidos sobre a criação da Sociedade das Nações, que daria origem à Organização das Nações Unidas, o Instituto de História Contemporânea (NOVA FCSH) apresenta, a partir de uma ampla base documental e iconográfica, uma exposição que procura proporcionar uma visão internacional e transnacional da instituição, focando também o envolvimento de personalidades portuguesas, tanto as oficiais (políticos e diplomatas), como as da sociedade civil (desde médicos a juízes, a jornalistas e professores universitários), na sua história.

Estabelecida no rescaldo da I Guerra Mundial, aquando da elaboração do Tratado de Versalhes, a Sociedade das Nações constituiu-se como uma primeira tentativa de dotar a sociedade internacional de um mecanismo de segurança coletiva que pudesse evitar uma catástrofe como a que teve lugar entre 1914 e 1918, ao mesmo tempo que encorajava a procura de respostas concertadas para problemas globais.
A sua vigência foi acidentada, não tendo conseguido prevenir uma nova conflagração mundial em 1939. Mas a utopia que a animou – fazer com que as relações internacionais não ficassem reféns da lei do mais forte – continuou a inspirar reformadores e líderes visionários, sendo retomada em 1945, no momento de instituir a Organização das Nações Unidas.
Coordenação: Pedro Aires Oliveira (IHC-NOVA FCSH)
Curadoria Científica: Aurora Almada e Santos (IHC-NOVA FCSH), Bruno Cardoso Reis (ISCTE-IUL), Cláudia Ninhos (IHC-NOVA FCSH), Cristina Rodrigues (IHC-NOVA FCSH), Helena Pinto Janeiro (IDI-MNE e IHC-NOVA FCSH), Quintino Lopes (IHC-NOVA FCSH), Pedro Aires Oliveira, Yvette Santos (IHC-NOVA FCSH)

 

 

Fonte: BNP