Literatura e Saúde é o tema da segunda tertúlia do ciclo CuidArte, organizada pelo Grupo de Estudos e Reflexão em Medicina Narrativa (GERMEN), que terá lugar no dia 18 de novembro (2ª feira), a partir das 18:30, no Auditório da Casa Comum.

A relação entre literatura e cuidados de saúde remonta a Apolo, o deus grego da medicina e da poesia que, desde a Antiguidade, tem simbolizado a afinidade entre estes dois modos de olhar o mundo: “To be authentic, they must look feelingly, with compassion. Medicine without compassion is mere technicism – curing without healing; literature without feeling is mere reporting –experience without meaning.” (E.D. Pellegrino. 1980. Medicine and Literature. Introduction. Ednid Rodhes Peschel, ed. Pub. Neale Watson Academic Publications. NY, pp. xv-xix). Ao longo dos tempos, vários médicos têm dedicado grande parte da sua atividade à escrita, tais como Arthur Conan Doyle, Somerset Maugham, Keats, Rabelais, Fernando Namora ou Miguel Torga.

A ponte entre a Literatura e a Medicina está alicerçada em dois eixos:  o cognitivo, que integra o olhar da literatura sobre a experiência da doença, da vida, da morte e do cuidado; e o epistemológico, que remete para modos narrativos do conhecimento com aplicabilidade na prática dos profissionais de saúde e que tem tido cada vez mais importância na interação entre estas duas áreas.

O painel da tertúlia Literatura e Saúde é composto pelos médicos Maria do Sameiro Barroso e Teresa Tomaz, pelos especialistas em literatura Isabel Patim e Fernando Batista e pelo escritor Paulo Morais. A leitura de um poema pelo médico e poeta João Barreto Guimarães abrirá a sessão, cuja entrada é livre.

Fonte: Universidade do Porto