IV Crónica breve de Santa Cruz de Coimbra ou a Primeira crónica portuguesa

Principal versão da primeira obra em prosa historiográfica escrita em português, a «Primeira crónica portuguesa», como propôs Filipe Alves Moreira (Afonso Henriques e a Primeira crónica portuguesa, 2008), com a concordância de José Mattoso («A primeira crónica portuguesa, Medievalista online, IEM, n.º 6, 2009), a IV crónica breve de Santa Cruz de Coimbra, publicada pelo escritor e historiador Alexandre Herculano nos Scriptores de Portugaliae Monumenta Historica, foi alvo de importantes estudos por parte de Luís F. Lindley Cintra, António José Saraiva e Diego C. Menéndez Pidal. Estes estudiosos, fazendo uso de variada argumentação, com o recurso aos documentos conhecidos e a instrumentos de crítica textual, procuraram datar o texto e atestar a sua proveniência através da reconstrução da sua tradição manuscrita. Se, durante muitos anos, o original da versão que possuímos foi datado da primeira metade do século XIV, novas descobertas, como a Estoria de España de Afonso X (1282-1284), permitiram a Filipe Alves Moreira apontar como data da realização da «Primeira crónica portuguesa» a segunda década do século XIII.

A IV Crónica breve seria, assim, uma versão do primeiro texto historiográfico escrito em português, anterior ao Livro velho de linhagens, compilado por volta de 1270, e à tradução da crónica árabe mandada fazer por D. Dinis, a Crónica do mouro Rasis (finais do séc. XIII-inícios do XIV). A sua importância liga-se tanto ao facto de estar na génese da historiografia portuguesa como também ao papel que tem na história da língua, da literatura e da cultura portuguesas. Texto fundacional, é a primeira longa narrativa em português sobre o reinado de Afonso Henriques, contendo textos curtos sobre os monarcas que lhe sucederam, mas que se ligam de forma articulada, do ponto de vista narrativo e funcional, até ao fim do reinado de Sancho II e a aclamação de Afonso III, como notou José Carlos Miranda («Na génese da Primeira crónica portuguesa, Medievalista online, IEM, n. º6, 2009). Com o Crónicon lusitano ou Chronicon gothorum, o texto da IV Crónica breve constrói uma imagem do primeiro rei português e do reino de Portugal a partir do seu fundador e dos seus sucessores. Legitimadora das origens, a narrativa apresenta um rei humano, ainda distante da reescrita e recomposição da sua história pessoal como escolhido por Deus para empunhar o gládio material na Terra que a historiografia posterior privilegiará.

 

Fernando Oliveira, História de Portugal

O humanista Fernando Oliveira escreveu, durante a crise sucessória ente 1579-1581, uma obra historiográfica pioneira para intervir neste processo de transição política. Pretendeu com esta obra fixar a historiogénese portuguesa numa bíblica antiguidade longínqua, defender a sua nobreza distinta e a liberdade invicta, bem como construir uma espécie de proto-identidade nacionalizante do povo português, por contraposição com a dos seus históricos adversários, nomeadamente o castelhano e o mouro.  Chegaram até nós alguns capítulos do primeiro esboço desta obra historiográfica encimados pelo título Livro da antiguidade, nobreza, liberdade e imunidade do reino de Portugal, que depois viriam a dar origem a um segundo manuscrito, como versão segunda do anterior, que passou a intitular-se História de Portugal.

Estes manuscritos encontram-se no Fond Portugais da Biblioteca Nacional de França, compilados num cimélio sob a cota nº 12, que reúne ainda outros manuscritos da autoria deste humanista português de Quinhentos. Esta obra historiográfica pode ser considerada não só a primeira História de Portugal assim nomeada, como é também uma obra que inaugura a prolífera literatura de resistência aos Filipes que teve multiplicação abundante durante o regime chamado de Monarquia Dual que vigorou durante 60 anos. Pode ser classificada ainda como uma obra historiográfica mitificante da história portuguesa de carácter proto-nacionalizante e proto-sebastianista.

 

António Soares de Albergaria, Troféus lusitanos

A figura de António Soares de Albergaria não tem sido alheia aos cuidados e interesse dos investigadores portugueses, se bem que não lhe foi ainda prestada a justa homenagem que lhe é devida com a publicação da sua obra mestra Triunfos de la Nobleza Lusitana. Filho de Fernão Rodrigues de Coimbra e de D. Francisca Soares de Albergaria, nasceu em Castelo Branco, em 1581, e faleceu em Almada em data que ao certo se ignora, em meados do século XVII, seguiu a carreira eclesiástica, foi beneficiado da Colegiada de S.to Estêvão de Alfama em Lisboa e capelão das capelas de S.to Eutrópio e de S. Mateus na mesma cidade; cultivou a hagiografia, de que deixou um Tratado dos santos portugueses e uma Vida de santo Eutrópio, mas foi verdadeiramente notável nos estudo heráldicos e genealógicos.

Os Troféus lusitanos são publicados em 1632, a que se seguiria a Resposta a certas objecções, que veio a lume em 1634, tendo ficado manuscritas as suas obras Triunfos de la nobleza lusitana, Livro de armaria e Título de Coutinhos, sem contar com a Crónica dos reis de Portugal e os Adágios em latim e em português.

Os Troféus lusitanos constituíram um número espécimen que o autor deu à estampa na esperança de motivar um mecenas que financiasse uma obra de muito maior tomo, os Triunfos de la nobleza. Se é certo que as espectativas de Soares de Albergaria ficaram frustradas, a verdade é que por sua iniciativa publicou o primeiro armorial da nobreza titulada portuguesa impresso e um dos mais antigos armoriais impressos da Europa. Ainda que anteriormente tivessem sido publicadas várias obras sobre heráldica e muitas delas referenciando ou reproduzindo um considerável número de brasões, poucas assumiram a forma de armorial de que citamos, sem preocupação de exaustão, tais como o Wappenbüchlein de Virgil Solis (1555), o Workes of Armorie de John Bossewell (1572), o Wappenbuch (1605) de Johann Siebmachers. Os Troféus lusitanos seriam seguidos, em 1655, por uma outra obra de grande tomo, os Germania Topo-Chrono-Stemmato Graphica Sacra et Profana de Gabriel Bucollin e, no mesmo ano, pelo Fiori di Blasoneria de Francesco Agostino Della Chiesa. Soares de Albergaria foi um conhecedor da heráldica pátria, nomeadamente do Livro da Torre do Tombo a que mais do que uma vez se refere, fundamentando racionalmente as opções que tomava como amplamente se demonstra nas suas Respostas e evidencia ainda estar informado do que se passava além fronteiras, referindo e citando autores estrangeiros, desde uma menção genérica a «alguns livros ingleses» e a estampas e mapas que vinham do estrangeiro, até às citações dos escritos de Gracia Dei, de D. António de Guevara, de Argote de Molina e de outros autores. Os Troféus lusitanos são, assim, uma obra fundamental para o estudo e conhecimento da heráldica portuguesa, sendo, além do mais, o primeiro armorial impresso português, o que lhe garante um lugar de destaque no conjunto das obras pioneiras em Portugal.

 

F. A. Pereira da Costa, Da existência do homem em épocas remotas no vale do Tejo. Primeiro opúsculo. Noticia sobre os esqueletos humanos descobertos no cabeço da Arruda

Em 1863, Carlos Ribeiro, diretor da Comissão Geológica de Portugal, identificou os primeiros concheiros mesolíticos nos vales das ribeiras de Magos e de Muge, afluentes da margem esquerda do Tejo. Logo em 1864 mandou proceder a escavações naquele que se afigurou mais promissor e importante, o concheiro do Cabeço da Arruda. Tratou-se da primeira escavação arqueológica realizada em Portugal de uma estação pré-histórica. Os resultados dessa escavação, especialmente a sequência estratigráfica observada, os restos humanos e as faunas recolhidas, foram estudados e publicados por F. A. Pereira da Costa logo no ano seguinte, constituindo a primeira monografia sobre uma estação pré-histórica do território português. A importância desta monografia, desde logo difundida internacionalmente, pois é escrita em português, com tradução integral em francês, justificou o prosseguimento das escavações anos mais tarde, as quais vieram a ser visitadas pelos participantes da IX Sessão do Congresso Internacional de Antropologia e de Arqueologia Pré-Históricas, reunido em Lisboa em 1880, o que permitiu a demonstração da sua importância internacional.

Presentemente, com mais de 300 sepulturas identificadas no conjunto dos concheiros do vale do Tejo, o complexo mesolítico assim documentado constitui o mais notável conjunto antropológico daquela época conhecido no território europeu.

 

José Leite de Vasconcelos, Portugal pré-histórico

Trata-se de uma das menos conhecidas obras do insigne pioneiro da arqueologia portuguesa,  que resume o que se sabia à época sobre a ocupação pelas populações pré-históricas do território hoje português, redigido ainda numa fase de afirmação científica, pois era então aluno finalista de medicina da Academia Politécnica do Porto, mas onde transparecem já muitas das questões às quais procurou responder no decurso das décadas seguintes, centradas na identificação, caracterização e fixação das origens do povo português.

A publicação desta obra de síntese, quase desconhecida, de Leite de Vasconcelos, constituirá assim importante contributo para o conhecimento do pensamento científico do seu autor, de evidente cunho positivista. Obra pioneira, destinada ao grande público, sem deixar de possuir cunho rigoroso e erudito, apresenta-se de leitura acessível e ainda hoje cativante, assumindo-se como importante fonte de informação sobre os conhecimentos então existentes sobre as matérias tratadas e, ao mesmo tempo, de evidente interesse para o conhecimento deste ilustre pioneiro das ciências sociais em Portugal.