Sessão no âmbito do projeto «O sono lúcido como via de acesso à psique humana na obra do Abade Faria»*, por Adelino Cardoso.
José Custódio de Faria (1756-1819), conhecido como Abade Faria, luso-goês, sacerdote católico, professor de Filosofia nos Liceus de Marselha e Nimes, praticou a hipnose em Paris no ano de 1813 e seguintes. A sua obra De la cause du sommeil lucide ou étude de la nature de l’homme, publicada postumamente em 1819 (reedições em 1906 e 2005), apresenta uma perspectiva original sobre o sono hipnótico, que se articula com uma visão peculiar da psique e da natureza humana em geral.
O cerne da originalidade da obra do Abade Faria reside na tese de que, ao invés da explicação do magnetismo animal então em voga, o sono lúcido (no qual inclui o sono hipnótico, a catalepsia e certas formas de sonho acordado) tem a sua causa em disposições internas do sujeito que o vivencia e exercita a faculdade da lucidez. Esta liga os fenómenos da intuição, pela qual a alma se liberta das barreiras do espaço e do tempo, podendo apreender imediatamente qualquer realidade por mais impenetrável que pareça. Por conseguinte, o chamado magnetizador mais não faria do que, através da sugestão, estimular as disposições intrínsecas dos indivíduos passíveis de serem hipnotizados.
A antropologia pessimista do Abade Faria, inspirada na religiosidade jansenista, contrasta com a ideia de perfectibilidade, dominante na filosofia europeia do seu tempo. Ainda assim, o sono lúcido e o sonho são vias de acesso ao estado original do homem, perfeitamente ajustado ao mundo, em que os próprios órgãos dos sentidos não estariam sujeitos a erros e ilusões.
* Adelino Cardoso (Coordenador); Ana Gama; António Martins da Silva; Bruno Barreiros; João David de Morais; José Morgado Pereira; Manuel Silvério Marques; Maria do Rosário Branco; Paula Oliveira e Silva; Pedro Amorim
Fonte: BNP