Publicação do Instituto Açoreano de Cultura com poesia de Pedro da Silveira compilada por Urbano Bettencourt. Apresentação a cargo de Urbano Bettencourt e de Fátima Morna.

Nesta obra reúnem-se as obras publicadas em vida pelo autor, um conjunto importante de dispersos e o livro inédito Ossos na Areia, que se encontra no seu espólio. O trabalho de recolha e edição foi realizado pelo escritor Urbano Bettencourt.

O livro agora publicado inaugura uma nova coleção do Instituto Açoreano de Cultura, a Coleção Poesia, que visa dar a conhecer relevantes poetas açorianos.

Pedro da Silveira (1922-2003) foi agricultor, escriturário, delegado de informação médica, historiador, tradutor e bibliotecário. Nasceu no ponto mais ocidental da Europa, na ilha das Flores. Publicou quatro livros de poesia: A Ilha e o Mundo (1952), Sinais de Oeste (1962), Corografias (1985) e Poemas Ausentes (1999). Poeta rigoroso e erudito, que esteve na origem da Enciclopédia Açoriana, morreu sem ter visto concluída a publicação da sua obra poética, Fui Ao Mar Buscar Laranjas, de que apenas saiu o primeiro volume, em 1999.

Deixou também uma colaboração vasta e dispersa por jornais e revistas como «O Comércio do Porto», «O Primeiro de Janeiro», «Vértice», «O Diabo», «Seara Nova», «Colóquio-Letras», «Diário dos Açores», «O Monchique» e a «Revista Municipal das Lajes das Flores», bem como alguns estudos sobre a história e o folclore dos Açores, em publicações da especialidade.

Dedicou especial atenção à sua ilha natal, como o comprova a publicação de Para a história do povoamento das Ilhas das Flores e do Corvo: com três documentos inéditos (1960), Materiais para um romanceiro da Ilha das Flores (1961), Catorze trovas e um conto recolhidos na Ilha das Flores (1986) e Das tradições na Ilha das Flores (1987).

 

Fonte: BNP