Francisco Lage, natural de Braga, foi, pelo seu percurso, pensamento, orientação e relacionamentos, propostas e conceitos, um homem de ação, multifacetado, com elevado grau de ecletismo, que adquiriu, à época (anos 20-50 do passado século), fulcral importância no panorama artístico (teatro, artes gráficas, turismo) e etnográfico. Enquanto colaborador do Secretariado Nacional da Informação, Cultura Popular e Turismo (instalado no Palácio Foz desde 1947), Francisco Lage distinguiu-se, entre outras ações – enquanto responsável pelas actividades folcloristas do SPN/SNI –, como o autor, nomeadamente, do programa e recolhas do espólio para do Museu de Arte Popular, inaugurado em 1948. A sua atividade estendeu-se ainda à dramaturgia e à gastronomia portuguesa de cariz regional.

No livro Memória de Francisco Lage, da autoria de Maria Barthez, do qual esta exposição fotográfica é um reflexo, são analisadas as origens familiares e sociais do personagem em foco, os anos da sua formação, em Braga; o seu processo como cronista e colaborador na imprensa. Estão presentes, ainda, neste estudo os episódios políticos, ao serviço da Câmara Municipal de Braga, o seu afastamento e posterior processo de integração na sociedade lisboeta, como colaborador do

SPN/SNI nos anos 30 e 50. Através da incursão e processo analítico da sua Biblioteca foi possível detetar as suas “inquietações” temáticas, auscultar as suas tendências e autores preferenciais, as suas ligações intelectuais, que serviram de modelo, de inspiração e fonte de informação para a sua ação e para a construção do seu ideário e reflexão nas diferentes áreas em que se destacou.

A partir do seu pensamento estruturou-se a análise aprofundada do seu percurso, trajetória e relacionamentos, propostas e conceitos, da singularidade de um homem de ação, multidimensional, com elevado grau de ecletismo. Interventivo no campo da etnografia (exposições de arte popular, concurso da aldeia mais portuguesa de Portugal, concursos de ranchos folclóricos, Museu de Arte Popular, em Belém) e da cultura popular (Teatro do Povo, Bailados Verde Gaio, concurso de arte dramática, concurso das montras, bibliotecas ambulantes), Francisco Lage adquiriu uma importância significativa no panorama artístico cultural, considerado, segundo uma perspetiva contextual e intertextual, como agente social ativo nos bastidores de uma política de cultura oficial.

 

Ficha técnica

Curadoria: Maria Barthez

Apoio à Curadoria: Herminius Viriatus // Design Expositivo e Impressão: Oficina dos Museus

Instituições: ANTT – Arquivo Nacional da Torre do Tombo / FAQ – Fundação António Quadros – Cultura e Pensamento / FCG – Fundação Calouste Gulbenkian

Apoios: Biblioteca Nacional de Portugal / Câmara Municipal de Braga / Editora Gradiva / Secretaria da Presidencia do Conselho de Ministros/Palácio Foz

 

Fonte: BNP