O violão – como é conhecida no Brasil a guitarra clássica – parece ter sido introduzido na América Portuguesa no início do século XIX, quando era denominado como “viola francesa”, “viola espanhola” ou simplesmente “viola”. O recital-conferência oferece informação sobre os resultados obtidos em uma segunda etapa de pesquisa no âmbito do projeto homônimo, ou seja, de pesquisa documental de fontes primárias em arquivos e coleções no Brasil e em Portugal, realizado pelo musicólogo brasileiro André Guerra Cotta, professor da Universidade Federal Fluminense (Niterói, RJ, Brasil).
A primeira etapa consistiu em pesquisa de fontes em acervos no Brasil. A etapa presente, realizada desde outubro de 2018, se concentra em acervos portugueses, começando pela Biblioteca Nacional. O projeto tem como objetivo localizar fontes musicais manuscritas (ou impressos raros) contendo música notada para o instrumento, preferencialmente obras para violão solo, mas também obras que tenham acompanhamento escrito em notação moderna para o instrumento. Além de informação detalhada sobre as fontes e sobre o repertório musical levantado, o recital-conferência apresentará em performance algumas das obras selecionadas, que posteriormente passarão por processo editorial com vistas à sua publicação, permitindo assim uma difusão mais ampliada e sua execução por outros instrumentistas, através de edições acompanhadas de aparato crítico, de informação histórica e musicológica.
O projeto vem sendo realizado através de bolsa CAPES, do Ministério da Educação do Brasil, junto ao CESEM, da Universidade Nova de Lisboa, sob a supervisão do Prof. David Cranmer. Além do musicólogo André Guerra Cotta, participarão do recital o bandolinista Pedro Aragão e o violonista Nery Borges, ambos vinculados à Universidade de Aveiro

 

Fonte. BNP