Fr. IOAÕ DE NOSSA SENHORA natural de Aldegavinha termo de Aldegalega de Merciana do Patriarchado de Lisboa sendo filho de Antonio Luiz Arelho, e Maria Carvalha. Entre todas as Sagradas Religioens elegeo para domicilio o Convento de Villaverde da Serafica Provincia dos Algarves professando este austero instituto a 2 de Mayo de 1718. A intelligencia da lingua Latina, e noticia das letras humanas em que era muito versado, naõ somente o distinguio de todos os seus condiscipulos mas ainda na especulaçaõ das sciencias severas, e no sagrado ministerio do pulpito que com indefesso trabalho tem frequentado por muitos annos. Depois de ser Qualificador do Santo Officio como fosse profundamente instruido em as noticias da sua Provincia o nomeou Chronista Fr. Antonio dos Archanjos Provincial desta religiosa Familia, cuja incumbencia dezempenhará com geral aplauzo. O natural genio com que desde os primeiros annos cultivou a Poezia metrificando na lingua vulgar, e Latina com summa facilidade lhe adquirio a antonomastica denominaçaõ de Poeta. Do seu fecundo engenho tem publicados os seguintes partos.

Sermaõ do retiro que faz todos os annos, a sempre prodigiosa, e admiravel Imagem da Virgem Maria Senhora Madre de Deos que com este soberano titulo se venera na Cidade de Lisboa Oriental. Lisboa por Pedro Ferreira. 1731 4.

Oraçaõ Funeral Panegyrica, e Historica nas Exequias do Excellentissimo, e Reverendissimo Senhor D. Fr. Iozé de Santa Maria de Iesus Bispo de Cabo Verde do Conselho de Sua Magestade dignissimo filho da Provincia dos Algarves, e Missionario Apostolico no Mosteiro do Varatojo da Religiaõ de S. Francisco celebradas no Convento de S. Maria de Iesus de Xabregas a 20 de Iunho de 1736. Lisboa por Antonio Isidoro da Fonceca 1739 4.

Oraçaõ Capitular Gratulatoria, Deprecatoria, e Mariana pregada no Real, e Veneravel Mosteiro da Madre de Deos de Lisboa em dia do Santissimo Nome de Maria por acçaõ de graças do Capitulo, que fez a Santa Provincia dos Algarves no Real Convento de Santa Maria de Iesus de Xabregas em 9 de Setembro de 1741. Lisboa por Pedro Ferreira 1741 4.

Dies in quo est Officium S. Antonii. Ulyssipone apud Petrum Ferreira Typ. Reginae. 1741 24.

Hebdomas S. Antonii. ibi per eumdem Typ. 1741 24.

Mensis D. Antonii in quo ejusdem est inventum Psalterium S. Antonii Paduani. ibi per eumdem Typ. 1741 24.

Antonianus, hoc est, Oratorium totius Anni S. Antonio Ulyssiponensi, Paduano que consecratum. ibi per eumdem Typog. 1741 16.

Oratorio de S. Antonio exposto em todas as Parochiaes Igrejas deste Patriarchado de Lisboa, e em todos os Arcebispados, e Bispados do Reyno de Portugal. Lisboa por Pedro Ferreira. 1742 8.

Inscripçaõ Latina ao Emminentissimo Cardial Patriarcha de Lisboa D. Thomas de Almeyda. Lisboa pelo dito Impressor 1742 fol. imperial ao alto.

Dia, e noite com todas as horas para as Almas do Purgatorio achadas nos sufragios da Santa Igreja Romana, e exposta nas maõs de todos os Fieis Christaõs para lembrança das mesmas Almas. Lisboa por Francisco da Sylva. 1742 16.

  1. Francisco para todos os dias Manhaã Meyodia, e Tarde. Devoçaõ das Chagas descuberta no Officio deste Serafco Patriarcha. Lisboa pelo dito Impressor. 1742 8.

Psalterium Sanctissimi Ioseph. Ulyssip. apud Petrum Ferreira. 1741 16.

Epigramma em aplauzo do P. D. Rafael Bluteau Clerigo Regular. Sahio a pag. 59 do Obsequio funebre dedicado à saudosa memoria do dito Padre Lisboa por Iozé Antonio da Sylva. 1736 4.

Doze Epigrammas Latinos em aplauzo da Centuria Epigrammatum composta por Francisco Iozé Freyre. Sahiraõ ao principio desta obra. Ulyssipone apud Antonium Isidoro da Fonceca. 1742 8.

Collar da Virgem Maria Mãy de Deos, e Mãy dos Homens. Lisboa por Domingos Gonzalves 1745 24.

Arte de bem morrer. Lisboa por Pedro Ferreira 1737 16. Sahio com o nome de Constantino da Costa.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]