IOAÕ DE MEDEYROS CORREA natural de Lisboa filho de Bartholameo de Medeiros Correa, e D. Luiza da Sylva dotada de igual nobreza à de seu consorte. Na adolescencia deu claros argumentos da viveza do engenho, e felicidade da memoria com que na idade adulta conciliou as estimaçoens dos mais famosos eruditos naõ somente pela vasta noticia das letras humanas, Mythologia, Oratoria, e Poetica em que foy insigne, mas pela sciencia practica, e especulativa da Iurisprudencia Canonica, de cuja Faculdade recebeo as insignias doutoraes em a Universidade de Coimbra. Depois de ter servido com igual interesse da Republica, que credito da sua Pessoa os lugares de Iuiz de fóra de Trancoso, e Corregedor da Comarca de Miranda foy nomeado Auditor Geral do Exercito da Provincia da Beyra escrevendo para instruçaõ dos militares posto naõ ser professor das Armas, a seguinte obra.

Perfeito Soldado, e politica militar. Lisboa por Henrique Valente de Oliveira 1659 4. Dedicado a D. Ieronimo de Atayde Conde da Atouguia General do Exercito da Beyra. Em aplauzo do Author escreveo a discreta Musa do insigne Doutor Antonio Barbosa Bacellar o seguinte Soneto alludindo às palavras do Emperador Iustiniano Imperatoriam majestatem non solùm armis decoratam, sed etiam legibus oportet esse armatam.

Houve até agora Pallas naõ armada,

Havia Pallas armada até agora;

Huma sempre das armas protectora,

Outra sempre nas letras invocada.

Porem depois, que as leys daõ à espada,

E discipulo Marte a Febo adora;

A que preside às letras vencedora,

Essa preside as lides desarmada.

Tu só a Imperatoria Magestade,

De quem sabio Jurista as leys penetras,

Dextro soldado de preceitos armas.

Logrou em fim o Cezar a vontade

Pois lhe ensinas as armas com as letras

Pois lhe adornas as letras com as armas.

Panegyrico a Andre de Alboquerque Ribafria Alcayde mór de Cintra, Mestre de Campo General da Provincia do Alentejo com os Elogios, que à sua morte se fizeraõ. Lisboa por Domingos Carneiro. 1661 4. Alèm do Panegyrico compoz a este argumento Endechas. 3. Sonetos; huma Sylva. e 5. Decimas.

Sylva ao V. Padre Fr. Antonio da Conceiçaõ religioso Trino. Sahio na Fama posthuma deste V. Padre. a pag. 347. Lisboa por Henrique Valente de Oliveira. 1658 4.

Relaçaõ da Restauraçaõ da Bahia. Lisboa por Pedro Crasbeeck. 1625. 4.

Relaçaõ da Tomada do Recife, Itamaracà, Paraiba &c. Lisboa na Officina Craesbeckiana. 1654. 4. Estas duas Relaçoens sahiraõ sem o seu nome.

Novellas, e Comedias varias com varios generos de Poezia. M. S. 4.

Falleceo em Lisboa, a 15 de Ianeiro de 1671.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]