D. IOAÕ MASCARENHAS DE LENCASTRE Terceiro Conde de Santa Cruz Commendador de Mertola, Alcayde mór de Monte mór o Novo, e de Alcacer do Sal, Senhor de Laure, Vedor da Caza do Serenissimo Rey D. Ioaõ o IV. e Mordomo mòr das Serenissimas Raynhas D. Luiza Francisca de Gusmaõ, e D. Maria Francisca Izabel de Saboya naceo em Lisboa sendo filho de D. Fernaõ Martins Mascarenhas quarto do nome Commendador de Mertola na Ordem de S. Tiago Senhor de Laure, e Estepa, Alcayde mòr de Monte mòr o Novo, e de Alcacer do Sal, e de D. Maria de Lencastre filha de D. Diniz de Lencastre Commendador mòr da Ordem de Christo, e Alcayde mòr de Obidos, e Soure, Embaxador a França, Castella, e Roma, e de D. Izabel Henriques filha de D. Francisco Coutinho III. Conde de Redondo Vicerey do Estado da India. Competiraõ os dotes do espirito com os esplendores do nacimento fazendo-se ainda mais venerado pelas virtudes adqueridas, que pelos brazoens herdados. Entre as artes, que cultivou com estudo, e exercitou com felicidade lhe deveo mayor affecto a Poezia para a qual benefica a natureza o instruio desde os primeiros annos merecendo o sublime enthusiasmo da sua Musa, que fosse convidado entre os mais insignes alumnos do Parnasso pelo Author do Templo da Memor. liv. 4. Estanc. 177. para celebrar o augusto Hymineo dos Serenissimos Duques de Bragança D. Ioaõ com a Senhora D. Luiza Francisca de Gusmaõ.

Cantay deste Hymineo ó generoso

  1. Ioaõ Mascarenhas de Alencastro,

Que por mil Climas passará famoso

Mais ainda além do barbaro Coastro.

Repeti de Bragança o nome invicto

Até que fique numa Estrella escrito.

E no liv. 3. Estanc. 166. e 167.

O sangue de Bragança multiplica

Grandezas dignas de caracter de ouro

Na caza para quem Mertola rica

Abre da Deosa Ceres o thezouro.

Na caza donde Portugal agora

A hum Quinto Neto de Fernando adora.

 

Cujo nome o clarim da fama suave

De clima em clima leva pelo vento;

E naõ só por altivo insigne, e grave

Soa no campo azul do Firmamento:

Mas aqui vive em tarjas de Alabastro

E he Dom Ioaõ Mascarenhas de Alencastro.

Da sua fecunda, e discreta veya deixou multiplicadas produçoens das quais se podiaõ formar volumes, e unicamente sahio impressa huma Cançaõ em aplauzo de Manoel de Galhegos author do Templo da Memoria assima allegado, Lisboa por Lourenço Craesbeeck. 1635 4. Começa.

Cantay Cisne do Tejo soberano.

Falleceo em Lisboa a 15 de Fevereiro de 1668. Foy cazado com D. Brites Mascarenhas filha herdeira de D. Martinho Mascarenhas II. Conde de Santa Cruz Conselheiro de Estado, e Presidente do Dezembargo do Paço da qual teve a D. Francisco Mascarenhas, que falleceo na Armada, que foy ao Brazil; D. Martinho Mascarenhas 4. Conde de Santa Cruz; D. Pedro Mascarenhas; D. Francisco Mascarenhas Alcayde mòr de Trancoso, e Commendador de Almourol, que cazou com D. Ioanna Coutinho; D. Ioanna de Vilhena, que se despozou com D. Vasco Mascarenhas primeiro Conde de Obidos; e D. Maria Magdalena de Lencastre mulher de Vasco Fernandes Cesar de Menezes filho herdeiro de Luiz Cesar de Menezes Alferes mòr de Portugal. Passou D. Joaõ Mascarenhas a segundas vodas com D. Maria de Tavora Viuva de D. Antonio Mascarenhas da Costa primeiro Conde de Palma filha de Luiz Alvares de Tavora Conde de S. Ioaõ da qual naõ teve descendencia.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]