IOAÕ CURVO SEMMEDO Cavalleiro professo da Ordem militar de Christo, Familiar do Santo Officio, e Medico da Caza Real filho de Domingos Curvo, e Ignez Alvares naceo em a Villa de Monforte da Provincia Transtagana em o primeiro de Dezembro de 1635. Aprendeo em Lisboa os rudimentos grammaticaes no Collegio de Santo Antaõ dos Padres Jesuitas onde deu a conhecer a viveza do engenho, e felicidade da memoria. Na Universidade de Coimbra ouvio Medecina dos mais celebres Cathedraticos desta Faculdade, e nella sahio taõ eminente, que recebido o gráo de Licenciado a começou exercitar na Corte de Lisboa com universal aplauzo da sua profunda sciencia, que unida á continuada practica de muitos annos inventou diversos medicamentos, que manipulava, contra achaques inveterados, e doenças agudas merecendo entre todos a primazia o Bezoartico contra as febres malignas com o qual libertou repetidas vezes a muitos agonizantes da morte com que estavaõ lutando. A experimentada virtude deste Besoartico impellio a muitas Naçoens remotas, que o mandassem procurar como vital antidoto, e Clava Herculea contra as febres malignas conhecendo evidentemente, que os effeitos excediaõ as atestaçoens da sua eficacia. Com igual disvelo vizitava os infermos ricos, e pobres, preferindo a estes por ser mais amante da charidade, que do interesse. Inimigo jurado do ocio ocupava em diversas obras medicas todo o tempo, que lhe restava da vizita dos infermos. Ainda, que tinha o aspecto malencolico tratava a todos com summa afabilidade, e sendo muito acelerado no fallar a ninguem se fazia imperceptivel. O methodo com que eximia da morte a muitos infermos, e o aplauzo dos livros com que immortalizara o seu nome naõ eraõ poderosos para exercitar no seu animo a mais leve impressaõ de vaõgloria. Acometido na provecta idade de 84 annos menos 5 dias, da ultima infermidade querendo alcançar a vida eterna, já que tinha prorogado a tantos a caduca, recebeo os Sacramentos com os quais confortado naõ receou a morte, que o transferio ao descanso eterno a 25 de Novembro de 1719. Jaz sepultado no Convento de S. Francisco desta Corte. Foy cazado com D. Izabel Guilherme irmãa do Mestre Fr. Manoel Guilherme da Ordem dos Pregadores de quem se fará larga memoria em seu lugar, da qual naõ teve sucessaõ.

Compoz.

Polyanthea Medecinal, noticias Galenicas, e Chimicas repartidas em tres Tratados. Lisboa por Miguel Deslandes Impressor de S. Magestade. 1695. fol. No principio se vè primorosamente aberto em huma lamina o seu Retrato com este Epigramma na parte inferior.

Ad Curui effigiem pavet horrida mortis imago;

Semmedo morbi pellit ab Orbe metum.

Ille dies hominum longos portendit in annos;

Entre varios Elogios poeticos assim latinos, como Portuguezes compostos em aplauzo do author desta obra se distingue com excesso hum Elogio de obra Lapidaria intitulado Elogium Anatomicum do insigne D. Rafael Bluteau Clerigo Regular em que com admiraveis argucias discorre por todas as partes, que compoem o author da Polyanthea. Sahio 2 vez mais acrecentada. Lisboa por Antonio Pedrozo Galraõ. 1704. fol. 3 vez ibi pelo dito Impressor. 1716. e 4 vez ibi pelo dito Impressor. 1727. fol.

Observationes aegritudinum fere incurabilium. Ulyssipone apud Paschalem da Sylva Typ. Reg. 1718. fol.

Observaçoens medicas doutrinaes de cem cazos gravissimos, em serviço da Patria, e das Naçoens estranhas escritas na lingua Portugueza, e Latina. Lisboa  por Antonio Pedrozo Galraõ. 1727. fol.

Atalaya da vida contra as hostilidades da morte fortificada, e guarnecida com tantos defensores, quantos saõ os remedios, que no discurso de sincoenta, e outo annos experimentou. Lisboa na Officina Ferreiriana. 1720. fol.

Tratado da Peste. Lisboa por Ioaõ Galraõ. 1680. 4.

Manifesto feito aos amantes da saude, e attentos às suas conciencias. Lisboa por Valentim da Costa Deslandes. 1706. 4. He acerca do seu Bezoartico.

Memoria dos remedios exquizitos, que da India, e outras partes vem a este Reyno, em que se declaraõ as suas virtudes, e as condiçoens com que se aplicaõ. 4. Sem lugar da impressaõ.

Manifesto em que se mostra com gravissimos Doutores que se podem dar purgas estando os humores crùs quando por serem muitos, ou malignos naõ poderà a natureza cozellos. 4. Sem lugar da impressaõ.

Tratado do Ouro Diaphoretico, sua preparaçaõ, e virtudes que tem, e modo com que se aplica. 4. Sem lugar da impressaõ.

 

[Bibliotheca Lusitana, vol. II]